LAÇOS DE FAMÍLIA
Buscando descobrir quem foi o próprio pai, Marina Person faz um filme sensível e belo
Por Gilberto Tenório

“As pessoas me perguntam o que eu quis fazer com esse filme, resgatar a figura de um pai que perdi muito cedo, traçar um perfil do cineasta, falar do homem de família, do amigo, dimensionar a importância da obra dele dentro da cultura brasileira? Eu digo que é tudo isso, e quem fala isso é a filha, a cineasta, a irmã. O filme tem todos esses aspectos misturados.” Com essa afirmação, Marina Person desabafa sobre os motivos que a levaram a filmar Person – documentário que aborda a biografia de seu pai, o cineasta Luís Sérgio Person.

Dotado de uma breve, porém expressiva carreira cinematográfica, Luís Sérgio Person morreu vítima de um acidente automobilístico em janeiro de 1976 quando Marina tinha apenas sete anos. A película reconstitui a história do pai da VJ através de imagens de arquivos pessoais e de depoimentos de familiares, amigos e colaboradores, como Paulo José, Raul Cortez, Eva Wilma, Lima Duarte e outros artistas. Diretor, produtor e roteirista, Person deixou obras consideradas marcantes, como seu primeiro longa São Paulo S/A (1965) e O Caso dos Irmãos Naves (1967), filmes que, apesar de pouco vistos, chamaram a atenção da crítica internacional, sendo premiados dentro e fora do Brasil.

Entretanto, o detalhe mais marcante do longa é a busca de Marina pela identificação de quem foi o homem que a colocou no mundo. Sem pieguice, a apresentadora traça um sensível painel de como a perda do pai foi um fator importante em sua vida. É ao mesmo tempo engraçado e emocionante, por exemplo, vê-la confessar para a mãe que nas suas lembranças de infância tem apenas o pai na memória e não ela. As conversas entre as três mulheres da vida de Person (Marina, a mãe, Regina Jehá e a irmã, Domingas) são um dos pontos altos do filme. Da mesma forma que é interessante ver o próprio Person falar das desventuras de se fazer cinema no Brasil.

Person nasceu como curta-metragem, ao vencer um concurso da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, em 1998. Convencida de que tinha muito material, Marina transformou-o em média-metragem e, posteriormente, em longa. Agora, o filme é lançado no circuito comercial revelando ao Brasil não só a personalidade e a obra de um grande artista que se foi precocemente, mas também o talento e a sensibilidade de uma nova cineasta que, ao procurar seu passado, encontrou um futuro.

PERSON
Marina Person
[Brasil, 2007]

NOTA: 8,0

Sem mais artigos