Cena de Era Uma Vez Eu, Verônica, estrelado por Hermila Guedes e João Miguel (Divulgação)

O Festival de Brasília divulgou nesta quarta (18) os filmes selecionados para sua 45º edição. A mostra oficial de longas de ficção tem seis filmes e todos são de Pernambuco e Rio de Janeiro, confirmando a efervescente cena cinematográfica destas duas cidades. Um outro pernambucano concorre na competição de documentários. O maior destaque é Era Uma Vez Eu, Verônica, de Marcelo Gomes.

Este é o primeiro longa de Gomes desde o elogiado Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo, de 2009. Os outros dois filmes de Pernambuco indicados são Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão e Eles Voltam, de Marcelo Lordello. Ambos são estreantes em longas de ficção e Aragão ainda concorre com esta mesma produção no festival de Locarno, na Suíça.

Do Rio de Janeiro a mostra traz tem A Memória Que Me Contam, de Lucia Murat, Noites de Reis, de Vinícius Reis e Esse Amor Que Nos Consome, de Alan Ribeiro. Perbambuco ainda terá mais um filme em competição, na mostra de documentários, com Doméstica, de Gabriel Mascaro.

Quem abre o festival, fora de competição, é A Última Estação, de Márcio Curi, que fala sobre a imigração libanesa por aqui. O evento acontece entre os dias 17 a 24 de setembro.

Veja a lista completa dos longas

Mostra competitiva de longas de ficção
A Memória que me Contam, de Lucia Murat (RJ)
Boa sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão (PE)
Eles Voltam, de Marcelo Lordello (PE)
Era Uma Vez Eu, Verônica, de Marcelo Gomes (PE)
Esse Amor que Nos Consome de Allan Ribeiro (RJ)
Noites de Reis, de Vinicius Reis (RJ)

Mostra competitiva de longas de documentários
Doméstica, de Gabriel Mascaro (PE)
Elena, de Petra Costa (SP)
Kátia, de Karla Holanda (PI)
Olho Nu, de Joel Pizzini (RJ/MT)
Otto, de Cao Guimarães (MG)
Um filme para Dirceu, de Ana Johann (PR)

Cena de Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão (Divulgação)

Entre os curtas, mais pernambucanos e cariocas. Pedro Severien traz o seu Canção Para Minha Irmã, enquanto Mascaro chega com A onda traz, o vento leva e Marcelo Pedroso compete com Câmara escura. Entre os cariocas, destaque para Menino peixe, de Eva Randolph. A mostra dos curtas ainda traz surpresas como A guerra dos gibis, de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins e Vestido de Laerte, de Claudia Priscilla e Pedro Marques, de São Paulo.

Curtas em competição
A Mão que afaga, de Gabriela Amaral Almeida, 19min, SP
Canção para minha irmã, de Pedro Severien, 18min, PE
Eu nunca deveria ter voltado, de Eduardo Morotó, Marcelo Martins Santiago e Renan Brandão, 15min, RJ
Menino peixe, de Eva Randolph, 17min, RJ
Vereda, de Diego Florentino, 20min, PR
Vestido de Laerte, de Claudia Priscilla e Pedro Marques, 13min, SP

Curtas de animação em competição
Destimação, de Ricardo de Podestá, 13min, GO
Linear, de Amir Admoni, 6min, SP
Mais Valia, de Marco Tlio Ramos Vieira, 4min22, MG
O Gigante, de Luís da Matta Almeida, 10min35, SC
Phantasma, de Alessandro Corrêa, 10min20, SP
Valquíria, de Luiz Henrique Marques, 8min32, MG

Curtas de documentário em competição
A cidade, de Liliana Sulzbach, 15min, RS
A ditadura da especulação, de Zé furtado, 10min20, DF
A guerra dos gibis, de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins, 19min30, SP
A onda traz, o vento leva, de Gabriel Mascaro, 24min47, PE
Câmara escura, de Marcelo Pedroso, 25min, PE
Empurrando o dia, de Felipe Chimicatti, Pedro Carvalho e Rafael Bottaro, 25min, MG

Sem mais artigos