O cantor e compositor quis homenagear Luiz Melodia, uma de suas maiores referências musicais. Primeiro montou um show apresentando novas versões para as músicas do clássico Pérola Negra, álbum de 1973 que revela o grande compositor e intérprete que já tinha sido gravado por Gal Costa e Maria Bethânia. Pedro ficou tão feliz com o resultado da homenagem que pensou em gravar um álbum. Encontrou o produtor Rafael Ramos, que se animou com o projeto e, logo em seguida, os dois começaram a trabalhar no estúdio.

O álbum, lançado pela gravadora Deck e batizado de Vale Quanto Pesa – Pérolas de , saiu no finalzinho de 2018 e está disponível em todos as plataformas.

A ideia de Pedro Luís era de fato revisitar as obras. “(Quis) fazer reverência e referência aos detalhes dos arranjos originais tão marcantes, mas sem que isso soasse como cover. Para isso convoquei uma banda com formação eficiente, criativa, mas diferente das que foram usadas nas versões originais”, conta. Assim, ele chamou o baterista Élcio Cáfaro, que tocou com o próprio Melodia por muitos anos, o tecladista Pedro Fonseca e Miguel Dias para o contrabaixo. A mesma banda que gravou o disco participa do show de lançamento.

Gravado em dez dias no Estúdio Tambor, da Deck, Vale Quanto Pesa – Pérolas de Luiz Melodia traz oito das dez músicas do original: “Pérola Negra”, além de “Fadas”, “Congênito”, “Cara a Cara” e outras canções do homenageado. Os arranjos de cordas foram feitos por Felipe Ventura e os de sopros, por Marlon Sette.

Pedro Luís também lançou um clipe de “Vale Quanto Pesa”.

Ouça o disco:

Sem mais artigos