Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: X-Men (Page 1 of 2)

Papo de Quadrinho viu: X-men – Fênix Negra

A convite da produtora Espaço Z e Sony Pictures, nosso jornalista Andrey Czerwinski dos Santos assistiu X-men – Fênix Negra, última aventura dos mutantes pelas mãos da Fox.

A franquia dos mutantes pelas mãos da Fox termina no mais recente filme X-Men: Fênix Negra, que entra em cartaz nesta quinta feira (6) nos cinemas. O filme, que mais uma vez traz às telas a transformação de Jean Grey na Fênix é o ato final de uma sequência de filmes do supergrupo mutante que começou em 2000 e passou por pontos altos (X-Men 2, Logan) e algumas bombas (X-Men 3: O confronto final) e teve até mesmo um reboot (X-Men: Primeira Classe de 2011).

Dirigido e roteirizado por Simon Kinberg, a história se inicia em forma de flashback, contando a história de Jean Grey (a atriz Sophie Turner, a “Sansa Stark”, de Game of Thrones), que ao passar por um trauma de infância acaba sendo convidada pelo Professor Charles Xavier a se unir aos X-Men na sua escola para superdotados.

Anos depois, em 1992, os X-Men são considerados heróis nacionais. Durante uma missão de resgate de astronautas, que coloca a equipe em perigo no espaço, Jean Grey acaba utilizando seus poderes para salvar todos de uma explosão solar. Porém esse fato acaba alterando os poderes e emoções da telepata que acaba se tornando uma ameaça para seus companheiros e para o planeta à medida que essa recém adquirida força Fênix vai emergindo sem controle através dela.

Em relação às participações do longa temos Mística (Jennifer Lawrence), visivelmente cansada do papel, fazendo o link racional da equipe; Charles Xavier (James Mcavoy) , como o mentor da equipe, que durante o enredo se deixa levar pelo ego e mostra que mesmo os mais experientes podem errar; Ciclope (Tye Sheridan), o mutante de rajadas óticas e namorado de Jean,  além do teletransportador Noturno (Kodi Smit-McPhee), o velocista Mercúrio (Evan Peters), a deusa do clima Tempestade/Ororo (Alexandra Shipp) e o acrobata azul Fera/Hank McCoy (Nicholas Hoult). A trama também conta com a participação de Magneto (Michael Fassbender) e sua irmandade de mutantes, além de Jessica Chastain como uma alienígena que busca a força Fênix, num papel praticamente sem carisma algum e com uma motivação clichê.

Entre altos e baixos do filme, um destaque fica para a trilha grandiosa e competente de Hans Zimmer (Homem de Aço), que consegue segurar o enredo, principalmente da segunda metade da história.

De forma geral, o filme procura trazer questões contidas nos quadrinhos, como a batalha interna de Jean com as tentações da força Fênix e sua relação familiar com a equipe de mutantes. As semelhanças com a saga dos gibis terminam aí (com exceção da breve aparição de uma cantora mutante), ou seja, nada de Clube do Inferno, Mestre Mental ou Shiars. Num primeiro momento isso pode decepcionar os fãs da franquia, que desde o fadado X-Men: O Confronto Final (2006) ficaram na promessa de uma adaptação à altura dessa fase dos mutantes.

Parece impossível, talvez inviável, que uma adaptação cinematográfica de duas horas seja 100% fidedigna à trama original dos quadrinhos. Vale lembrar que a série animada do início dos anos 1990 conseguiu fazer isso usando quase uma temporada completa, mas lembremos: é uma série animada.

Ainda assim, detalhes bacanas que fazem dessa saga algo especial foram limados, tirando a grandiosidade que existe no original. Por essas e outras,  X-Men: Fênix Negra, acaba deixando a desejar no quesito adaptação – simplifica demais a trama – deixando um final agridoce e uma sensação de que “faltou algo a mais” para consagrar a franquia dos mutantes nos cinemas.

Nosso veredito é que para o espectador que busca um cinema pipoca de super-heróis mutantes sem grandes pretensões, o filme cai bem, tentando passar uma mensagem bacana sobre o conceito de uma família adotiva e de como essas relações se dão entre os X-Men. Já quem é muito fã da franquia X, principalmente os iniciado nos quadrinhos, talvez se frustre ao notar que a tentativa de trazer a “Saga da Fênix Negra” em toda sua grandeza para os cinemas não tenha sido bem sucedida.  São mídias diferentes, mas o gostinho de quero mais permanece. Quem sabe, futuramente, seja um trabalho para a Disney resolver?

Uma dica final: a revista Mundo dos Super-heróis deste mês se debruça sobre o filme e faz uma comparação sobre a adaptação, relembrando os grandes momentos dos quadrinhos e falando detalhes do filme para quem não está tão familiarizado com os quadrinhos.

Quadrinhos na Bienal do Livro SP: Panini

A grande novidade da Panini para o evento literário é o primeiro volume do selo Millarworld, O Legado de Júpiter, anunciado na Comic Con Experience do ano passado.

Marvel e DC ganham alguns encadernados de luxo, e o selo de mangá anuncia dois lançamentos.

Pela Mauricio de Sousa Produções, a Panini lança um novo volume do selo Graphic MSP e um livrão com passagens da vida do criador da Turma da Mônica retratadas por vários autores nacionais. Confira:

Mauricio de Sousa

Veja detalhes aqui.

Millarwolrd

paninijupiterO Legado de Júpiter, de Mark Millar e Frank Quitely (140 páginas, capa dura, R$ 45): Chloe e Brandon são os filhos dos maiores heróis do mundo. Eles conseguem ficar à altura de seus pais? Era um tempo mais simples para os super-heróis, uma época em que, apesar das dificuldades, era fácil distinguir o objetivo principal dos heróis: o bem da comunidade. Hoje, o mundo mudou, novas crises o ameaçam e super seres diferentes cuidam dele. Entretanto, certos valores são difíceis de morrer… Edição original: Jupiter’s Legacy 1-5.

Marvel

paninixmenFabulosos X-Men – Destroçados, de Brian Bendis e Irving Bachalo (148 páginas, capa dura, R$ 28,90): De volta às aulas, os Fabulosos X-Men, que já sentiram na pele o que acontece quando seus poderes estão fora de controle, decidem que isso não pode se repetir. Um deles aprende que, após deixar a equipe, o mundo “lá fora” pode ser um lugar cruel; outro, por sua vez, aprende o que significa ser um x-man de verdade. Ciclope e Magneto finalmente acertam suas contas e um antigo membro da equipe se junta à SHIELD para vigiar os X-Men. Edição original: Uncanny X-Men 12-17.

paninidemolidorDemolidor – O Rei da Cozinha do Inferno, de Brian Bendis e Alex Maleev (Coleção Marvel Deluxe – 356 páginas, capa dura, R$ 99): O segredo mais obscuro de Matt Murdock vem à tona e ele trava uma batalha legal contra o veículo responsável pela bombástica revelação de sua identidade secreta como Demolidor. O Escritório de Advocacia Nelson & Murdock se torna o alvo perfeito, dentro e fora dos tribunais, para todos os vilões e patifes. A Cozinha do Inferno está em ebulição e o Homem Sem Medo terá de adotar uma nova e ousada postura para lidar com o submundo nova-iorquino. Edição original: Daredevil 41-50 e 56-60.

DC Comics

paninigothamGotham DPGC: Alvos Fáceis, de Ed Brubaker e Greg Rucka (292 páginas, capa dura, R$ 80): O Coringa está aterrorizando Gotham City na época de Natal e executando pessoas aleatoriamente com um rifle. E ninguém, do prefeito ao cidadão mais comum, está a salvo. A caçada começa, mas uma atitude desconcertante do Palhaço do Crime deixa todos perplexos. E ainda nesse volume: a história da garota que tem como trabalho ligar o batsinal; uma série de assassinatos que acaba chamando a atenção da Caçadora; e um velho caso que ameaça piorar a vida do detetive Harvey Bullock.

paninisuicidaEsquadrão Suicida: Chute na Cara, de Adam Glass, Federico Dallocchio e Clayton Henry (164 páginas, capa dura, R$ 29,90): Eles são supervilões recrutados em prisões e enviados em missões secretas e potencialmente mortais em troca de redução em suas penas. Nanobombas são instaladas em seus pescoços para mantê-los sob controle e cada um ali é inteiramente dispensável. Sua primeira missão consiste em enfrentar uma horda de sessenta mil pessoas completamente descontroladas. Primeiro arco da equipe no universo de Os Novos 52.

Planet Mangá

paniniyokaiYo-kai Watch 1, de Noriyuki Konishi (104 páginas, R$ 8,90. Acompanha adesivo exclusivo): Natham Adams era um estudante normal, que levava uma vida pacata até o dia em que acabou libertando um Yo-kai e ganhando um estranho objeto chamado Yo-kai Watch. Com ele, Natham passou a enxergar seres fantásticos normalmente invisíveis aos humanos, e resolveu fazer amizade com eles. Série mensal em andamento no Japão, onde tem 10 volumes publicados até o momento.

paniniajinAjin – Demi-Human 1, de Tsuina Miura e Gamon Sakurai (232 páginas, R$ 17,90): Kei Nagai está focado nos seus estudos para entrar em uma Faculdade de Medicina, e vive uma vida mediana com falsos amigos enquanto pensa apenas em como vencer na vida, até o dia em que descobre ser um Ajin, uma entidade imortal. Encurralado pela polícia e pela sociedade, que sai à sua caça para submetê-lo a experiências científicas, seu único aliado é Kai, um antigo amigo de infância com quem havia cortado relações. Série bimestral em andamento no Japão, com 8 volumes publicados até o momento.

Coleção de livros da Marvel cresce no Brasil

homemformigagrande

Via de regra, leitores de quadrinhos gostam de ler, e isso se aplica a outras plataformas, inclusive … livros!

A Marvel, que de besta não tem nada, há alguns anos vem lançando adaptações e histórias originais em prosa de seus personagens. No Brasil, parte deste acervo chega às livrarias pela editora Novo Século.

O primeiro deles foi Guerra Civil, no final do ano passado. O livro gerou alguns comentários entre as comunidades nerds, mas depois esfriou. Uma visita rápida às livrarias mostra que a coleção cresceu, e muito. Veja os títulos já lançados pela editora:

guerracivil2Guerra Civil (Stewart Moore)

Quando uma trágica batalha deixa um buraco na cidade de Stamford, matando centenas de pessoas, o governo americano exige que todos os super-heróis revelem sua identidade e registrem seus poderes. Para Tony Stark – o Homem de Ferro – é um passo lamentável, porém necessário, o que o leva a apoiar a lei. Para o Capitão América, é uma intolerável agressão à liberdade cívica (313 páginas, R$ 39,90).

homemaranha

Homem Aranha: Entre Trovões (Christopher L. Bennett)

Enquanto Manhattan é devastada por frequentes ataques, o Cabeça de Teia tem de enfrentar a engenhosidade de robôs movidos por um só intuito: acabar com sua vida. Como se não bastasse, o sentido-aranha alerta que o aracnídeo não pode confiar nem mesmo em Mary Jane e na adorável tia May, e tudo aponta somente em uma direção: J.Jonah Jameson (264 páginas, R$ 24,90).

xmen

X-Men: O Espelho Negro (Marjorie M. Liu)

Jean Grey acorda em um quarto desconhecido. Sentindo-se fraca e desorientada, está sem seus poderes telepáticos e telecinéticos – e aprisionada no corpo de outra pessoa. Seus companheiros de equipe Ciclope, Wolverine, Vampira e Noturno também são cativos – suas mentes estão presas dentro de corpos de estranhos. Quem os teria trazido àquele lugar, e com que finalidade? (308 páginas, R$ 39,90).

homemdeferro

Homem de Ferro: Vírus (Alex Irvine)

Tony Stark está prestes a alcançar um novo sistema de controle imediato hiperinteligente, que poderia evitar tragédias. Ao mesmo tempo, Arnim Zola se infiltrou na segurança das Indústrias Stark a fim de assumir a armadura blindada e usá-la contra Tony e a S.H.I.E.L.D. O inimigo lança um engenhoso vírus de computador e sua arma secreta definitiva: um exército de clones assassinos inspirado no amigo mais confiável de Stark. Zola está prestes a mergulhar a cidade numa guerra que ameaça devastar tudo o que estiver em seu caminho (368 páginas, R 39,90).

vingadoresVingadores: Todos Querem Dominar o Mundo (Dan Abnett)

No clima de Vingadores: Era de Ultron, a superequipe enfrenta em uma série de batalhas ao redor do mundo os seus maiores inimigos de uma única vez. Em Berlim, Capitão América mede forças com a Hidra. Numa ilha desconhecida, Gavião Arqueiro e Viúva Negra tentam despistar a I.M.A. (Ideias Mecânicas Avançadas). Em Washington, Homem de Ferro luta contra Ultron. Thor enfrenta um exército inteiro na Sibéria. E, em Madripoor, Bruce Banner e Nick Fury travam uma batalha contra o Alto Revolucionário. Qual será a verdadeira e grande ameaça que está por trás desses ataques simultâneos na Terra? (320 páginas, R$ 39,90).

homemformigaHomem-Formiga: Inimigo Natural (Jason Starr)

Quando um antigo cúmplice da época de crimes vai a julgamento, Scott Lang e sua filha Cassie veem-se às voltas com guarda-costas enviados pelo governo a fim de protegê-los. Scott acha isso desnecessário, mas ele desconsidera algo de fundamental importância: o fator adolescência. Pai e filha talvez estejam lutando contra algo muito maior do que eles imaginam (256 páginas, R$ 34,90).

O lançamento de Homem-Formiga: Inimigo Natural aproveita a chegada do longa-metragem do herói aos cinemas e desde o dia 15 realiza uma promoção em parceria com o Cinemark Mania, em que os clientes ganham um minilivro com o primeiro capítulo na compra de um ingresso. A promoção é válida até o dia 29 de julho.

Para os próximos meses, a Novo Século promete dar continuidade à coleção com o lançamento de Guardiões da Galáxia e Guerras Secretas. Em 2016 e 2017, devem chegar os livros de Wolverine, Deadpool, Capitão América e Novos Vingadores.

Crítica: X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

x1

Atenção: contém doses leves de spoilers

A decisão do diretor Bryan Singer de unir duas gerações de heróis mutantes do cinema – os da primeira trilogia e os da franquia iniciada em 2011 em X-Men: Primeira Classe – foi, no mínimo, inusitada. E acertada, como os fãs poderão comprovar nesta sequência que entrou em cartaz na última sexta-feira (23) no Brasil.

O roteiro é adaptado da HQ homônima produzida por Chris Claremont e John Byrne nos anos 1980: num futuro sombrio dominado por robôs caçadores de mutantes, os Sentinelas, os poucos sobreviventes dos X-Men mandam um dos seus integrantes ao passado a fim de remodelar a História.

Neste futuro estão os personagens mais conhecidos do público – as versões mais velhas do Professor Xavier (Patrick Stewart), Tempestade, Homem de Gelo, Kitty Pride, Colossus e Magneto (Ian McKellen) – e também alguns rostos novos: Bishop, Blink, Mancha Solar e Apache.

É a época em que têm lugar as melhores cenas de ação. As batalhas contra os Sentinelas, avançadas máquinas de extermínio capazes de replicar qualquer poder mutante, são pura narrativa de quadrinhos.

No passado, vive o que sobrou do elenco de Primeira Classe: a versão jovem de Xavier (James McAvoy) e Magneto (Michael Fassbender), Fera e Mística. Aqui fica concentrada a parte mais dramática do filme. A pouca ação é compensada pela breve, porém marcante, participação do velocista Mercúrio.

Hugh Jackman é o único ator a interpretar o mesmo personagem, Wolverine, nas épocas distintas. É ele quem faz a viagem mental no tempo e tem a missão de impedir o assassinato que vai desencadear a supremacia dos Sentinelas.

Uma vez que a trama se desenrola quase toda no passado, o resultado de Dias de um Futuro Esquecido é muito mais um drama sobre pessoas do que uma aventura de super-heróis.

Mudança de foco

Pela primeira vez, um filme dos X-Men não coloca a intolerância como tema principal. Claro, a questão continua lá; a criação dos Sentinelas pelo cientista Bolivar Trask (Peter Drinklage) e sua aceitação por parte do governo têm como base o preconceito contra os mutantes e o temor de que venham a se tornar a raça dominante.

Mas X-Men: Dias de um Futuro Esquecido prefere concentrar-se numa questão mais humana: as escolhas que pessoas fazem todos os dias, e que modelam seu futuro e o de outras. Os protagonistas – Wolverine, Xavier, Magneto e Mística – precisam fazer suas escolhas, e sobre esta última recai a maior responsabilidade em relação ao futuro.

Paradoxo

Viagens no tempo sempre criam paradoxos. Ao final, muitos fãs podem se perguntar quanto da trilogia anterior ainda vale, o que se repetiu e o que deixou de acontecer na nova linha temporal.

Esse parece um nó difícil de desatar, e é provável que não se resolva. Ao corrigir o futuro, Bryan Singer aproveitou para consertar também a cronologia dos X-Men no cinema. Não foi 100% bem sucedido, mas amarrou algumas pontas soltas.

Ao que tudo indica, o diretor passa agora a olhar para frente e não deve investir mais energia em questões antigas. A cena pós-credito confirma o que ele revelou meses atrás: o próximo filme da franquia terá como focos o vilão Apocalipse e a origem da raça mutante.

A nova aventura dos X-Men no cinema deve agradar e desagradar partes iguais de fãs. Nesta última categoria estão os desapontados com a ação comedida, os que não aceitam as mudanças em relação à HQ original ou os que se incomodam com o protagonismo de Wolverine.

Bobagem. Dias de um Futuro Esquecido é um filmaço. Está mais alinhado com Primeira Classe do que com a primeira trilogia, tanto em termos de densidade do roteiro, quanto nas pequenas doses de humor. Mais alinhado com a proposta de Capitão América 2 – O Soldado Invernal do que com a de Homem-Aranha 2 – A Ameaça de Electro. E isso diz muito sobre o tipo de fã que deseja agradar.

“X-Men: Dias de um Futuro Esquecido” tem ótima estreia nos EUA

D

O filme fez US$ 90,7 milhões entre os dias 23 e 25 de maio, segundo estimativa do site Box Office Mojo. Apesar do ótimo resultado, está abaixo dos US$ 100 milhões estimados por conta do fim de semana prolongado nos Estados Unidos – amanhã é comemorado o “Memorial Day”.

O primeiro fim de semana de Dias de um Futuro Esquecido ficou abaixo da estreia de outros filmes de super-heróis deste ano: Capitão América 2 (US$ 95 milhões) e Espetacular Homem-Aranha 2 (US$ 91,6 milhões), e também de Godzilla (US$ 93,2 milhões). Ou seja: perdeu só para os campeões e é a quarta maior abertura americana de 2014.

Na comparação com os demais filmes dos X-Men, perde apenas para O Confronto Final, de 2006 (US$ 102,7 milhões). Isso em termos nominais; em valores atualizados, fica atrás também de X-Men 2, de 2003 (US 112 milhões) e praticamente empata com X-Men: Origens: Wolverine, de 2009 (US$ 90,7 milhões).

A estimativa é que nos demais países, Dias de um Futuro Esquecido já faturou outros US$ 171 milhões.

Leia aqui nossa crítica de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido.

Veja o primeiro trailer de “X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido”

Saiu! Numa palavra: emocionante!

X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido estreia dia 23 de maio no Brasil.

“Wolverine: Imortal” mantém boa bilheteria no Brasil

Wolverine-Imortal-poster

Na segundo semana de exibição no País (2 a 4 de agosto), o filme do mutante canadense arrecadou R$ 7,7 milhões (US$ 3,4 milhões) e ficou em segundo lugar, atrás apenas da estreia Os Smurfs 2.

A queda em relação ao ótimo fim de semana de estreia (26 a 28 de julho) foi de 38%, abaixo do que é considerado normal.

No Brasil, Wolverine: Imortal acumula bilheteria de US$ 13 milhões e, no mundo todo, US$ 256,3 milhões.

“Wolverine: Imortal” supera “O Homem de Aço” na estreia brasileira

T

O site Box Office Mojo liberou hoje a bilheteria mundial do novo filme do mutante canadense.

No Brasil, Wolverine: Imortal arrecadou R$ 12,4 milhões (US$ 5,5 milhões) entre os dias 26 e 28 e desbancou Meu Malvado Favorito 2, em sua quarta semana.

Quando estreou no País, no final de semana de 12 a 14 de julho, a bilheteria de O Homem de Aço foi de R$ 9 milhões (US$ 3,9 milhões).

O filme do Wolverine teve estreia mediana nos Estados Unidos, US$ 53,1 milhões, mas um ótimo rendimento nos demais países: US$ 91,9 milhões.

“Wolverine: Imortal” derrapa na estreia norte-americana

T

O filme fez apenas US$ 55 milhões de bilheteria entre os dias 26 a 28 nos Estados Unidos, segundo estimativa do site Box Office Mojo.

Não é o pior dos mundos. Wolverine: Imortal ficou em primeiro lugar no ranking do fim de semana representa a nona melhor abertura neste ano.

Na comparação com os demais filmes da franquia X-Men, em termos absolutos fica à frente do primeiro filme (X-Men, de 2000) e quase empatado com Primeira Classe, de 2011. Se os valores forem atualizados pela inflação, é a pior estreia americana da série.

Fica evidente que o resultado foi influenciado pela péssima repercussão do primeiro filme solo do personagem. X-Men: Origens – Wolverine conseguiu uma boa bilheteria de estreia em 2009, mas o boca a boca negativo provocou uma queda de 70% na arrecadação já no final de semana seguinte.

Wolverine: Imortal pode seguir o caminho inverso. Apesar da estreia modesta, o filme tende a manter uma boa média nas semanas seguintes e, ao final, ultrapassar a bilheteria de seu antecessor.

Revista com casamento gay da Marvel chega ao Brasil

X-MEN EXTRA 136_1

Há quase um ano, a editora norte-americana sacudiu o mercado ao anunciar que o x-man Estrela Polar e seu namorado Kyle iam se casar. Foi a primeira união formal entre pessoas do mesmo sexo da Marvel (veja preview aqui).

A história original, publicada no dia 20 de junho, chega agora ao Brasil no especial X-Men Extra 136.1, pela Panini. A edição vai reunir as edições X-Men 48 a 51, X-Men Legacy 261 e New Mutants 37 e 38.

A previsão para chegar às bancas é 18 de abril, com distribuição nacional. X-Men Extra 136.1 tem 156 páginas e preço de R$ 16,20.

Page 1 of 2

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019