Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: Turma da Mônica Jovem

Livro: Das pinturas rupestres de Lascaux: uma viagem pelo universo dos quadrinhos

LIVRO-PARA-DaspinturasrupestresHQs

A Marca de Fantasia foi criada em 1995 e está ligada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPB. A editora se especializou na publicação de livros, revistas, e-books e estudos acadêmicos com temas sobre HQs, Artes, Comunicação, Linguística e à Cultura Pop (expressões da Indústria Cultural, como séries televisivas, ficção científica, rádio, música popular etc.).

Mas em 2013 foi criada a Associação Marca de Fantasia que além de publicações, também promove seminários, exposições, produções audiovisuais, o Memorial da História em Quadrinhos da Paraíba (www.memorialhqpb.org) e outros eventos afins.

A editora possui um extenso catálogo de bons livros lançados que merecem atenção.

O mais recente é “Das pinturas rupestres de Lascaux: uma viagem pelo universo dos quadrinhos” (Marca de Fantasia, 218 páginas, R$ 5,00 ebook em formato pdf).

Com a organização de Arnaldo Pinheiro Mont’Alvão Júnior e Edgar Cézar Nolasco, o livro reúne uma gama diversificada de pesquisadores que analisam temas variados sobre as HQs. A coletânea é muito boa e três textos se destacam:

Caracterizando o “estilo mangá” no contexto brasileiro: hibridização cultural na Turma da Mônica Jovem de Adriana Amaral e Giovana S. Carlos; A quinta história: três versões de As metamorfoses de Edgar Cézar Nolasco, discutindo uma aproximação entre o livro A metamorfose (1913), de Franz Kafka, e sua adaptação em quadrinhos recriada pelo artista gráfico Peter Kuper (2003); e Quadrinhos em The Big Bang Theory: a construção de um imaginário nerd de Arnaldo Pinheiro Mont’Alvão Júnior.

O livro pretende contribuir com futuras pesquisas acadêmicas sobre cultura pop e dar um novo olhar aos fãs e estudiosos do universo das HQs.

 

Mauricio de Sousa lança concorrente da “Capricho”

Tina_capa

O quadrinhista-empresário e sua equipe não brincam em serviço. Chegou neste mês às bancas a revista Tina, estrelada pela personagem criada na década de 1970, em roupagem nova, e voltada para meninas pré-adolescentes e adolescentes.

Mauricio já abocanhou uma parte deste segmento com o bem sucedido projeto Turma da Mônica Jovem. A inovação, agora, são as 19 páginas (de um total de 64) de conteúdo editorial, com matérias de interesse do público-alvo: personalidade (Jennifer Lawrence), namoro, blogueiras, produção de moda e beleza, teste de comportamento, amizade, pets e saúde da mulher.

Com Tina, os Estúdios Mauricio de Sousa passam a disputar um nicho editorial relevante, hoje dominado pela revista Capricho, seguida de publicações como Toda Teen, Atrevida, Yes Teen e outras.

A parte dedicada aos quadrinhos também apresenta inovações. Tina ganha visual descolado, cursa Jornalismo (parece que a profissão ainda tem seu charme entre os jovens), é apaixonada por moda e entra numa nova fase da vida adulta: morar sozinha (ou quase). A arte é totalmente digital e abre caminho para animações e games no futuro.

Outra investida não declarada, mas provável, é na área de licenciamento. Do logo da revista ao visual da personagem, Tina nasce pronta para estampar cadernos, bolsas e camisetas para adolescentes.

Com o lançamento, ganham todos: as jovem leitoras, que passam a ter mais uma opção e, quem sabe, até peguem gosto por histórias em quadrinhos; o mercado anunciante, com mais um veículo para explorar; Mauricio de Sousa, que consolida e até mesmo amplia sua penetração nesta faixa etária; e a Panini, que ganha um produto de combate num segmento em que até então não atuava.

Tina tem 64 páginas, capa e miolo coloridos, formato revista (19,5 x 27,5 cm), periodicidade mensal e preço de R$ 6,50.

“Chico Bento Moço” vende 150 mil exemplares

chicobentomoço

A Panini anunciou hoje que a primeira edição do novo título da linha “jovem” da Turma da Mônica segue para reimpressão.

Segundo a editora, a tiragem inicial de 150 mil cópias está esgotada e serão providenciadas mais 50 mil.

Chico Bento Moço 1 foi lançada oficialmente durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, no início do mês, e ocupou o lugar de revista mais vendida no estande da Panini durante o evento literário.

O resultado não surpreende. Apesar de este blog ter ressalvas quanto à mesmice que o título representa em relação à já consagrada linha “jovem”, o sucesso era previsto.

O que surpreende mesmo é a Panini divulgar números de vendas…

Crítica: Um Chico, dois universos

chicobento

“Em time que está ganhando não se mexe” não é um ditado que se aplica a Mauricio de Sousa. Com personagens cinquentenários e enraizados na memória de seguidas gerações, o editor-empresário não hesita em abrir caminhos alternativos para suas criações.

Prova disso são dois de seus mais recentes e bem sucedidos projetos: Turma da Mônica Jovem e Graphic MSP.

O primeiro adianta a cronologia da Turma da Mônica e se posiciona para leitores pré-adolescentes e adolescentes, com uso do “estilo mangá” e tramas típicas da idade.

Graphic MSP traz a visão de autores de fora dos estúdios de Mauricio de Sousa sobre personagens consagrados, com acabamento de luxo e enredos essencialmente – mas não só – adultos.

Coincidência ou não, novidades dos dois projetos chegaram simultaneamente às bancas pela Panini, ambas estrelados pelo caipira Chico Bento.

Pavor Espaciar

Terceiro volume da série Graphic MSP, Chico Bento – Pavor Espaciar, de Gustavo Duarte, mantém a qualidade artística e gráfica dos anteriores Astronauta – Magnetar e Turma da Mônica – Laços.

Duarte parte de um costume das cidades do interior – a contação de “causos” – e cria uma aventura em que Chico Bento, seu primo Zé Lelé, o porco Torresmo e a galinha Giselda são abduzidos por alienígenas. A esperteza dos garotos – e dos bichos – prevalece sobre a avançada tecnologia e garante o final feliz – pena que ninguém acredita neles.

Gustavo é conhecido por suas HQs “mudas”: , Táxi, Birds e Monstros. O autor compensa a ausência da palavra escrita com uma arte expressiva (corporal e facial) acima da média.

Mesmo sendo “quase muda” – 33 páginas das 68 de história não têm balão de fala – Pavor Espaciar herda essa técnica. Uma das diversões da leitura é acompanhar as sutis reações dos personagens; outra é procurar as várias referências à cultura pop, ao universo de Mauricio de Sousa e aos personagens do próprio Gustavo Duarte.

Dos três volumes de Graphic MSP publicados até agora, Pavor Espaciar é o mais simples. Não se propõe a dissecar o DNA dos personagens como Danilo Beyruth fez com a solidão do Astronauta, e os irmãos Cafaggi, com a amizade da Turma da Mônica.

Em vez disso, conta uma aventura divertida, magnificamente desenhada e com potencial para agradar um leque etário mais amplo de leitores.

Chico Bento Moço

A outra novidade é Chico Bento Moço, a versão “jovem” da turma da Vila da Abobrinha. Chico, Zé Lelé, Rosinha, Zé da Roça e Hiro estão todos com 18 anos, e prestes a trocar a vida pacata do campo pela agitação da faculdade nos grandes centros (a exceção é Zé Lelé, único a optar por se manter presos às raízes).

Se o ditado “em time que está ganhando…” não se aplica à Turma da Mônica Jovem, o mesmo não se pode dizer de Chico Bento Moço. O novo título carrega todas as características do outro: mesmo “estilo mangá”, mesmo tipo de humor, mesmos dilemas, mesmo sistema de flashbacks.

É mais que uma extensão; é como se fosse a própria revista da Turma da Mônica Jovem com outros protagonistas.

Faltou ousadia e sobrou confiança que Chico Bento Moço vai repetir o sucesso comercial da sua antecessora – o que é muito provável, já que a equipe que faz as revistas sabe trabalhar muito bem com as emoções adolescentes.

Para completar, o visual do Chico recebeu um tratamento “sertanejo universitário”. Não falta nem a cena em que ele exibe o novo físico sarado.

A primeira edição trata da transição; as próximas devem explorar as dificuldades de adaptação de um caipira na cidade grande e deixar as coisas um pouco mais agitadas. Mesmo sem inovar, Chico Bento Moço tem tudo para agradar o público-alvo.

SERVIÇO

Chico Bento – Pavor Espaciar: 84 páginas coloridas, formato 27,5 x 19 cm, e duas opções de capa: cartonada (R$ 19,90) e dura (R$ 29,90).

Chico Bento Moço 1: 100 páginas, capa colorida, miolo em preto e branco, formato 21 x 16 cm e preço de R$ 7,50.

Resenha TMJ 50: “O Casamento do Século”

Chega amanhã (27) às bancas de todo o País a edição comemorativa de número 50 da Turma da Mônica Jovem. Lançado na Bienal do Livro de SP, em agosto de 2008, o título se tornou um fenômeno editorial, com algumas edições atingindo a espantosa circulação de 500 mil exemplares.

Para comemorar a marca, a Mauricio de Sousa Produções preparou uma história especial com o casamento de Mônica e Cebolinha – em junho do ano passado, o casal deu início a algo parecido com um namoro numa edição que mereceu até comercial de TV.

Por motivos que não cabem aqui para não estragar a surpresa, a história mostra Mônica e Cebolinha atravessando todas as fases do casamento: pedido, preparativos, cerimônia, festa, primeiros dias da vida a dois, rotina, brigas, reconciliações…

É difícil explicar… são cenas que mexem com o emocional dos leitores que cresceram lendo os gibis da Turma da Mônica clássica. O roteiro soube explorar muito bem aspectos da “infância” dos personagens e criar uma história de amor verossímil, com suas alegrias e dificuldades.

Uma das qualidades da Turma da Mônica Jovem – e não apenas desta edição – é o humor. Não há uma página sem uma gag, uma piada, muitas delas com referências à fase clássica – e é nesses momentos que a arte mais lança mão do tal “estilo mangá”, um dos apelos promocionais da revista.

São 132 páginas de leitura agradável e divertida. E a história ainda termina com um gancho que abre a possibilidade de Mauricio de Sousa retornar à fase adulta de seus personagens em mais uma edição bombástica.

É bem provável que este número 50 supere o sucesso comercial do 34, que mostrou o primeiro beijo entre Mônica e Cebolinha e deu início ao namoro. A revista custa R$ 7,50 e traz encartado um minipôster colorido com a cerimônia de casamento. Vale muito o investimento.

Mônica e Cebolinha vão se casar

Em mais uma genial jogada de marketing, a Mauricio de Sousa Produções revelou hoje (22) o que reservou para a comemoração da 50ª edição da revista Turma da Mônica Jovem.

Depois do sucesso da edição 34, que mostrou o primeiro beijo entre as versões adolescentes de Mônica e Cebolinha – a revista teria vendido mais de 500 mil cópias – agora o casal vai se unir até que a morte os separe.

A história completa, chamada de “O Casamento do Século”, será publicada na edição que chega às bancas no dia 27 de setembro.

As imagens reveladas dão impressão de que se trata de uma versão mais adulta do que as contrapartes do universo Jovem. Consultada, a assessoria da Panini disse não ter autorização para explicar se a história se passa num futuro alternativo ou é apenas um sonho – ou algo que o valha.

Turma da Mônica Jovem 50 tem capa colorida, miolo preto e branco, formato 16 x 21,3 cm e preço de R$ 7,50.

HQs na Bienal do Livro de SP: Lançamentos de Mauricio de Sousa

Mauricio de Sousa não é só o mais bem sucedido quadrinhista do País, mas também o mais prolífico. Durante o evento literário, seu estúdio vai lançar 17 títulos, entre HQs inéditas, coletâneas e livros, por meio de nove editoras (veja as capas na galeria abaixo).

Ouro da Casa (Panini, 200 páginas, R$ 49,90 e R$ 64)

Livro que reúne histórias autorais da Turma da Mônica criadas pelos colaboradores do Estúdio Mauricio de Sousa (mais informações aqui).

Chico Bento 50 anos (Panini, 160 páginas, R$ 58)

Coletânea de histórias publicadas nos últimos 50 anos, marca também a estreia da versão adolescente do personagem numa HQ inédita em estilo mangá.

As Tiras Clássicas do Pelezinho (Panini, 128 páginas, R$ 19,80)

Primeiro volume da coleção que reedita as tiras e histórias curtas do personagem ordem cronológica. Cada volume vem com 360 tiras).

Pelezinho Coleção Histórica (Panini, 160 páginas, R$ 7,50)

Primeiro número da série com a republicação, em ordem cronológica, das histórias publicadas na revista Pelezinho, entre agosto de 1977 e maio de 1982. Periodicidade quadrimestral.

A Peleja do Violeiro Chico Bento com o Rabequeiro Zé Lelé (Melhoramentos, 48 páginas, R$ 35)

Em estilo de literatura de cordel e xilogravura, desenvolve uma peleja em forma de versos entre os dois personagens. Acompanha CD com a narração da história gravada por Almir Sater.

Outros lançamentos: Pelezinho para Colorir (Panini), 120 Tirinhas da Turma da Mônica e Pintou Sujeira (L&PM), Descobrindo o Valor das Coisas (Editora Gente), Turma da Mônica Jovem – Escolha Profissional, Uma Aventura Olímpica e Álbum de Figurinhas Oficial do Campeonato Brasileiro (Panini), Brincando de Folclore (Planeta DeAgostini), O cãozinho sem nome (Globo), Turma da Mônica visita Aparecida (Editora Santuário).

Todos estes lançamentos podem ser conferidos nos estandes das respectivas editoras ou na Livraria da Turma da Mônica, um espaço de 120 metros quadrados com mais de 100 títulos do autor.

Mauricio de Sousa participa, em companhia de Pelé, de um papo com leitores no espaço Salão de Ideias, dia 18, às 18h30. Além disso, vai promover uma série de sessões de autógrafos nos estandes:

Dia 11 – Sábado

Ed. Santuário – 13h

Livraria TM / Ed. Girassol – 15h30

Panini – 18h30

Dia 12/08 – Domingo

Ed. Gente – 15h30

Ed. Ave Maria – 18h30

Dia 18/08 – Sábado

Ed. Globo – 13h

Livraria TM / Ed. Girassol – 15h30

Panini – 20h

Dia 19/08 – Domingo

Ed. Record – 13h

Ed. Melhoramentos – 15h

Ed. Escala – 17h30

SERVIÇO:

A Bienal do Livro de São Paulo acontece de 9 a 19 deste mês no pavilhão do Anhembi. O ingresso custa R$ 12 — professores, bibliotecários, profissionais do livro, maiores de 60 anos e crianças com até 12 anos não pagam.

Para chegar, prefira o metrô. Há traslado gratuito para o pavilhão nas estações Barra Funda e Tietê. O estacionamento costuma ser caro e lotado.

Mais informações aqui.

Veja as primeiras imagens do novo projeto de Mauricio de Sousa

A primeira vez que se ouviu falar de Ouro da Casa – livro em quadrinhos autorais produzidos pelos artistas e roteiristas da Mauricio de Sousa Produções – foi em fevereiro deste ano.

O evento nem se prestava a isso. Era um encontro com blogueiros para divulgar as edições especiais de Turma da Mônica Jovem com personagens de Osamu Tezuka.

Mas o Mauricio é assim. Como todo apaixonado pelo que faz, não se prende às estratégias de marketing e sai falando do que gosta para quem quiser ouvir.

A exemplo do que fez em projetos anteriores do estúdio, o coordenador editorial e jornalista Sidney Gusman começou a publicar nas redes sociais os previews de Ouro da Casa.

As primeiras imagens, que o leitor confere na galeria acima, foram postadas na tarde de hoje (17) e rapidamente a hashtag #OuroDaCasaMSP entrou na lista de tópicos mais comentados do Twitter no Brasil.

Os demais previews serão postados semanalmente, sempre às quartas-feiras, 17h.

Turma da Mônica Jovem 43 garante boa diversão

A expectativa era grande. Não é todo dia que dois dos maiores criadores de países tão distantes produzem uma obra conjunta. Mauricio de Sousa chegou a abrir um espaço na sua disputada agenda para se encontrar com blogueirosem São Pauloe falar sobre o projeto (e outras novidades de seu estúdio para 2012).

Na semana passada, chegou às bancas Turma da Mônica Jovem 43, aedição que marca o encontro entre os personagens de Mauricio e do “pai do mangá”, Osamu Tezuka.

A trama é bem simples: a convite do museu em que Franja trabalha, a turma viaja para uma estação modelo de extração vegetal na Amazônia. Lá, conhecem outras “autoridades” no assunto: os doutores Licurgo (o Louco da versão tradicional), Ochanomizui e Tenma.

A invenção deste último, o robô-menino Astroboy, logo conquista a todos com sua inocência, poderes e tristeza – ele quer ser tratado como um garoto de verdade. Outro visitante ilustre é o príncipe Safiri, do distante reino da Terra de Prata, em “missão diplomática”.

Segundo Mauricio, o tema ecológico foi uma escolha de Tezuka. Não deixa de ser uma boa oportunidade de passar ao público alvo da publicação, majoritariamente pré-adolescente, conceitos como manejo sustentável, biodiversidade e outros, de forma bastante lúdica.

Não há como negar que os roteiristas de Turma da Mônica Jovem sabem o que fazem. Diferentemente de Luluzinha Teen – em que os protagonistas poderiam ser quaisquer personagens e não só os criados por Marjorie Henderson –a versão adolescente da turma resgata muitas das piadas e situações vistas na linha regular de revistas: Cebola e Cascão se provocando mutuamente, ambos provocando a Mônica, e por aí vai.

A trama deixa dois ganchos interessantes para a conclusão, na edição do mês que vem: a aparição do Kimba, o Leão Branco – famosa criação de Tezuka -, e o segredo de outro de seus mais famosos personagens: Mônica pode ter descoberto que Safiri é uma menina.

A leitura garante boa diversão, mesmo para quem não está na faixa de idade a quem a revista se destina. A história tem consistência, coerência, boas piadas e, claro, os conflitos típicos da adolescência.

Vale destacar que os artistas do estúdio de Mauricio de Sousa emularam muito bem o traço de Tezuka na caracterização dos personagens.

Turma da Mônica Jovem 43 tem 132 páginas, capa cartonada colorida e miolo p&b, e preço de R$ 7,50. Fica a torcida para que a história completa venha a ser publicada no futuro em formato maior, papel de melhor qualidade e totalmente colorida. Tezuka merece.

Mauricio de Sousa vai lançar álbum só com artistas “da casa”

Em encontro com blogueiros realizado na noite de ontem (28) por ocasião do lançamento de Turma da Mônica Jovem 43 – edição que traz o crossover com os personagem de Osamu Tezuka –, Mauricio de Sousa revelou alguns dos projetos para este ano.

Entre as muitas novidades – mais de 100 livros, novos desenhos animados (inclusive para plataformas móveis), as já anunciadas Graphic MSP, Chico Moço (versão jovem do personagem) e a quadrinhização do jogador de futebol Neymar – um dos anúncios que mais chamou atenção foi Ouro da Casa.

Trata-se de um livro em quadrinhos nos mesmos moldes da série MSP 50: a visão pessoal de diferentes artistas sobre os personagens da Turma da Mônica. A novidade é que, diferentemente das três edições anteriores, esta será produzida apenas por roteiristas e artistas do estúdio de Mauricio de Sousa.

“O pessoal está muito contente em poder fazer, pela primeira vez, um trabalho autoral com a Turma da Mônica”, confirmou Mauricio.

E tem mais coisa por aí. O ano que vem marca os 50 anos da Mônica e tudo indica que a data será comemorada em grande estilo. Há planos relacionados aos esportes, por conta da Copa do Mundo e Olimpíadas a serem realizadas no Brasil, e a ideia de publicar um livro em 180 idiomas diferentes.

Especificamente sobre a Turma da Mônica Jovem 43, Mauricio lembrou que é a primeira vez que o universo de Osamu Tezuka interage com personagens de outro estúdio. O projeto só foi possível graças a uma grande amizade surgida entre os dois profissionais nos anos 1960.

De resto, é inspirador ouvir Mauricio de Sousa. Aos 76 anos, ele continua mais incansável, criativo e ousado que muita gente com metade da sua idade.

Página 0 de 2

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017