Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: Marvel

Jack Kirby ganha biografia nacional por ocasião do seu centenário

kirby_capa

Se estivesse vivo, Jack Kirby completaria 100 anos no próximo dia 28 de agosto. Dono de um traço marcante e personalidade idem, Kirby deixou uma marca insuperável na história das histórias em quadrinhos.

Seu centenário não passou em branco, mesmo aqui no Brasil. De um livro de luxo com ilustrações de brasileiros (editado por Edson Diogo, do site Guia dos Quadrinhos) até uma série de matérias especiais na publicação especializada Mundo dos Super-Heróis, Kirby vem sendo lembrado – como se algum dia tivesse sido esquecido – por artistas, leitores, jornalistas, pesquisadores.

Eis que chega mais uma obra para engrossar o coro de homenagens. Nas próximas semanas, será lançado, pela novíssima Editora Noir, O Criador de Deuses – Jack Kirby, escrito pelo pesquisador, roteirista e escritor Roberto Guedes.

Autor da primeira biografia brasileira de Stan Lee, em 2012, Guedes repete o feito e garante que, assim como o outro, também este livro traz informações inéditas para os leitores.

Nesta entrevista para o Papo de Quadrinho, ele conta como este projeto nasceu e algumas curiosidades.

Seu livro está sendo lançado numa data bem próxima ao aniversário de 100 anos de Jack Kirby. Esse era um projeto que você já vinha gestando ou foi produzido especialmente para a ocasião?

No final do segundo semestre de 2016, um editor da Noir entrou em contato comigo para saber se eu tinha vontade de escrever algum livro para a editora. Comentei que gostaria de escrever sobre a carreira de Kirby, cujo centenário seria no ano seguinte. Os editores adoraram a ideia, e fechamos o negócio.

Muito se tem falado sobre Kirby nas últimas décadas e em especial neste ano. Que tipo de informação inédita o leitor poderá encontrar nessa biografia?

A vida particular de Kirby é um objeto praticamente inexistente para o grande público, mas no livro há uma radiografia abrangente do cidadão Kirby. Desde seus dias no Lower East Side (o bairro pobre e barra-pesada onde cresceu), com seus pais, seu quase desconhecido irmão mais novo, seu namoro e casamento com Rosalind. Conta bastante também sobre sua amizade e parceria com Joe Simon. Enfim, o livro apresenta as várias facetas de Kirby, que antes de ser um artista genial, era também um ser humano, com suas falhas e qualidades. Alguém que transmutava sua fúria interior em obras de arte sequencial.

Além, claro, da participação imprescindível de Kirby na gênese do Universo Marvel nos anos 1960, que outros momentos da vida do “Rei” mereceram mais atenção em seu livro?

 Acredito que os anos que antecederam a criação do Universo Marvel, bem como sua carreira posterior em Hollywood também têm um bom destaque na obra. E não tenho dúvidas que muita gente vai se admirar com a quantidade de coisas que ele fez para a DC, além do Quarto Mundo.

Como você tratou um dos temas mais polêmicos da biografia de Kirby, a desavença com o parceiro Stan Lee?

Procurei registrar o maior número possível de depoimentos de outras pessoas que testemunharam aqueles momentos, e que acompanharam de perto a carreira daqueles dois incríveis autores. São pontos de vistas distintos de colegas de profissão, amigos e familiares que, quando entrecruzados com a visão particular de Stan e Jack para certos tópicos, oferecem uma nova e surpreendente perspectiva para o que realmente foi a Era Marvel. Nem teorias sobre a real utilidade do charuto do Kirby ficaram de fora.

Na sua visão, qual é a percepção que os jovens leitores de quadrinhos têm de Jack Kirby? Eles reconhecem sua importância?

Acho que a grande maioria ainda não soube mensurar a real importância de Kirby para os quadrinhos de super-heróis. Espero que a leitura do livro ajude a esclarecer isso.

O Criador de Deuses – Jack Kirby tem 220 páginas e preço de R$ 49,90. A Comix Book Shop vai vender uma edição limitada do livro com essa capa exclusiva abaixo, que retrata Night Fighter, personagem criado por Joe Simon e Jack Kirby nos anos 1950, e que jamais foi lançado.

kirby_capa_comix

Autor e editora ainda não definiram quando será o evento de lançamento seguido de sessão de autógrafos. Fiquem ligados nas redes sociais do Papo de Quadrinho para não perder a data!

2017: O que vem por aí pela Novo Século

Impressiona a quantidade e qualidade de lançamentos da Novo Século neste ano. A editora anuncia HQs de vários estilos e gostos por meio de seu selo Geektopia, criado por ocasião da Bienal do Livro de SP do ano passado, e continua firme com as novelizações da Marvel.

Confira (alguns títulos ainda estão com o nome e inglês e capa original gringa):

Selo Geektopia

The few and the cursedOs poucos e os amaldiçoados, de Felipe Cagno e Fabiano Neves

O álbum, a ser lançado no final do ano, vai reunir as seis edições da série criada por Felipe e Fabiano. Duas já foram publicadas via Catarse (em 2015 e 2016) e as demais vão entrar em campanha de financiamento ao longo do ano (duas edições por campanha).

Em um mundo pós-apocalíptico, no qual 90% da água simplesmente desapareceu da noite para o dia, a humanidade teve que aprender a sobreviver às piores condições possíveis. Setenta anos já se passaram e os poucos que chegaram até ali mal se lembram do que é ter água em abundância. A Ruiva vaga de cidade em cidade caçando maldições e tesouros, sussurros quietos na calada da noite. Desde que a água desapareceu, a humanidade perdeu sua bússola moral; nada é mais crucial que a própria sobrevivência. Maldições, monstros e lendas voltam dos confins do inferno a cada novo pacto selado com o mundo de lá por alguém desesperado, e cabe a apenas uma pessoa balançar essa cadeia alimentar.

EscolhasEscolhas, de Felipe Cagno (roteiro), Cris Peter (cores) e Gustavo Borges (arte)

A HQ foi financiada por meio do Catarse em novembro de 2016 e está em fase final de produção. O lançamento da edição independente (capa cartonada) será simultâneo à da Novo Século (capa dura).

A graphic novel narra a história de João Humberto, simpático garotinho que cresce com um sonho impossível: se tornar o primeiro super-herói do mundo. A história se passa no mundo real, onde super-heróis estão na TV, nos cinemas e nos quadrinhos, mas não nas ruas. Desde garotinho, João Humberto alimenta o sonho de que tudo nessa vida é possível, até se tornar um super-herói. E é a busca deste sonho que influencia todas as escolhas de sua vida, desde o curso da faculdade até o primeiro emprego e seu primeiro amor.

 Alex + Ada_capa provisóriaAlex+Ada, de Jonathan Luna e Sarah Vaughn

Alex, um jovem que ainda está sofrendo após o fim de um relacionamento, passa muito do seu tempo deprimido e vivendo a mesma rotina, sem fazer muito esforço para mudar. Cansada de vê-lo infeliz, sua avó lhe dá de presente de aniversário uma Tanaka X-5 – a mais recente e avançada tecnologia em androides para companhia, com capacidade para interação humana inteligente.

Batizada por ele de Ada, a androide não possui consciência, por questões de segurança, e seu comportamento “robótico” demais começa a incomodar Alex. Então ele se vê frente a um dilema: seria melhor se Ada tivesse o livre-arbítrio ou isso seria arriscado demais?

YouYou, de Austin Grossman

Quando Russell se junta à Black Arts, empresa de games idealizada por dois designers visionários que já foram seus amigos mais próximos, depara-se com uma excêntrica tripulação de nerds desafiando as fronteiras da tecnologia e do entretenimento. Russell finalmente parece ter encontrado um estímulo, depois de sucessivas insatisfações por caminhos mais convencionais. Mas o principal motivo que o leva até ali é saber o que aconteceu com Simon, seu amigo mais estranho e genial, que morreu em circunstâncias misteriosas logo após o sucesso da Black Arts.

Como o próximo e revolucionário lançamento da empresa é ameaçado por uma falha de software, Russell se encontra em uma corrida para salvar seu trabalho, o legado da Black Arts e as pessoas com quem ele cresceu. Quanto mais profundo escava, mais perigosos os obstáculos se apresentam – e logo Russell percebe que há muito mais em jogo.

Something newSomething New – Tales of a Makeshift Bride, de Lucy Knisley

Em 2010, Lucy e seu namorado de longa data, John, se separaram. Três longos e solitários anos mais tarde, John volta a Nova York, entra no apartamento de Lucy e pede sua mão. Esta não é essa história. É a história do que veio depois: o casamento.

Especialista em DIY (Faça Você Mesmo), Lucy ficou fascinada pela cultura americana do casamento – mas também meio que horrorizada por ela. E assim ela começou a planejar e executar seu adorável casamento DIY. Esta graphic novel – com quase 300 páginas de humor, desespero e juras de amor eterno – é a história de como Lucy construiu um celeiro, inventou um novo tipo de cabine fotográfica e conseguiu transformar um casamento em um dia chuvoso num feliz (embora enlameado) triunfo.

Back to the future untoldBack to The Future: Untold Tales and Alternate Timelines, de Bob Gale e John Barber

Os criadores e roteiristas de De Volta Para o Futuro retornam com contos inéditos das voltas e reviravoltas da linha do tempo que fez da franquia um fenômeno atemporal da cultura pop. Viaje de volta a 1985 e esteja lá quando Doc Brown e Marty McFly se encontram pela primeira vez, e depois saltam ainda mais no passado, para 1945, a fim de testemunharem o envolvimento de Doc no projeto supersecreto Manhattan. O encadernado reúne as cinco primeiras edições da série publicada pela IDW a partir de 2015.

Star Trek Planet of the ApesStar Trek/Planet of The Apes: The Primate Directive, de Scott Tipton, David Tipton e Rachael Stott

Star Trek representa a esperança da humanidade por um futuro melhor; Planeta dos Macacos é um olhar arrepiante para a queda da humanidade. Como esses mundos podem colidir? O que poderia fazer com que o Capitão Kirk e a tripulação da Enterprise se unissem ao Dr. Zaius para proteger a Cidade dos Macacos? E o que o coronel George tem a dizer sobre isso?

The cute girl networkThe Cute Girl Network, de Greg Means, Mk Reed e Joe FLOOD

Jane é nova na cidade. Quando derrapa de seu skate bem em frente ao carrinho de sopa de Jack, ela se vê concordando em sair com ele. Jane está empolgada com essa possível guinada em sua vida amorosa, mas acontece que Jack tem um histórico romântico um tanto manchado. Alertada pelo The Cute Girl Network – um grupo de informação partilhada entre as mulheres solteiras da cidade –, a pobre Jane está prestes a descobrir cada detalhe das desventuras passadas de Jack…

Friends with boysFriends With Boys, de Faith Erin Hicks

Friends With Boys conta a história de Maggie, uma menina comum, educada em casa pela mãe durante toda a sua vida, que se vê muito nervosa no momento de iniciar o ensino médio em uma escola pública. Para ajudá-la com seus novos desafios, a jovem contará com três irmãos mais velhos, dois novos amigos e a fantasma que a persegue aonde quer que vá desde criança e nunca fala nada.

Locke and keyLocke & Key, de Joe Hill e Gabriel Rodriguez

Os filhos de Rendell Locke – Tyler, Kinsey e Bode – tentam se recuperar de um ato de violência que atinge sua família mudando-se para a residência ancestral dos Locke, em Massachusetts, uma antiga e enorme mansão numa pequena península. Os irmãos enfrentarão os terríveis segredos da mansão Lovecraft, em que muitas portas têm chaves que as abrem para o mistério, o fantástico e o horror. O encadernado reúne as seis edições com o primeiro arco da série, Welcome to Lovecraft, publicado pela IDW em 2008.

Série Marvel Novo Século

Homem-Aranha_KravenHomem-Aranha: A Última Caçada de Kraven, de Neil Kleid

Nascido em uma rarefeita raça da aristocracia russa, Kraven perseguiu e matou todos os animais conhecidos pelo homem, se autodenominando o melhor caçador do mundo. Foi essa confiança que o levou a Nova York, anos atrás, em uma busca obsessiva para caçar o que ele considerava a maior presa da cidade: o Homem-Aranha.

Mas seu alvo lhe escapava sucessivamente, zombando dele todas as vezes. Agora, depois de anos de derrotas esmagadoras contra o lançador de teias, Kraven maquinou um último plano para superar o Homem-Aranha.

Homem de Ferro_Capa_Page_1Homem de Ferro: Extremis, de Marie Javins

O Homem de Ferro foi forjado por uma avançada tecnologia, mas agora essa mesma tecnologia de ponta ameaça condenar Tony Stark. Um perigoso terrorista ingeriu um vírus tecno-orgânico chamado Extremis, transformando-o em super-humano, uma verdadeira máquina de matar. Agora extremamente poderoso, mas levado à loucura pelos efeitos do vírus, a criatura Extremis parece incontrolável.

Para deter a voracidade psicótica deste louco, o Homem de Ferro deve enfrentar o vírus Extremis de frente, em uma batalha de vida ou morte que irá conduzir Tony Stark mais perto do que nunca à tênue linha que separa homem e máquina. Romance adaptado da graphic novel de Warren Ellis e Adi Granov, considerada uma das melhores histórias do Homem de Ferro já produzidas.

DemolidorDemolidor: O Homem Sem Medo, de Paul Crilley

Um pai cheio de culpa. Um mentor rigoroso. Uma paixão. O que motiva o Homem Sem Medo? Matt Murdock foi criado por um pai solteiro, um boxeador decadente que teve uma chance de fazer o certo – uma chance que lhe custou a própria vida. Insultado e atormentado por outras crianças, a vida de Matt é drasticamente alterada depois de ficar cego por causa de materiais radioativos enquanto salvava a vida de um homem idoso.

A recompensa? Uma vontade inabalável por justiça e uma inteligência aguçada. Sua história é de amor, dor, desapontamentos e força. Adaptação inédita dos quadrinhos de Frank Milller e John Romita Jr.

Capitão América Designios SombriosCapitão América: Desígnios Sombrios, de Stefan Petrucha

O Capitão América lutou contra soldados, terroristas e vilões de todos os tipos. Agora ele vai enfrentar um inimigo muito mais complicado: seu próprio corpo. Quando a S.H.I.E.L.D. descobre que o Capitão abriga um patógeno raro escondido em suas células por décadas, o maior medo do Sentinela da Liberdade se concretiza: até que o vírus possa ser curado, ele deverá ficar congelado.

Mas ele não irá sozinho. Anos atrás, o lendário inimigo do Capitão conseguiu o maior feito de sua carreira quando implantou sua mente em um clone do corpo de Steve Rogers – com vírus e tudo. Poderá o Capitão permanecer vivo tempo o bastante para capturar Caveira Vermelha e retornar ao seu pesadelo mais profundo?

Astonishing X-Men GiftedAstonishing X-Men Gifted, de Peter David

Os X-Men têm evoluído. Ciclope e Emma Frost reformam a equipe com o urgente objetivo de “surpreender” o mundo. Mas quando as últimas notícias sobre o gene mutante inesperadamente atingem as ondas de rádio, irão eles desviar-se dos novos planos antes mesmo de começarem? À medida que a ordem de “cura mutante” alcança níveis próximos do motim, os X-Men partem para um confronto direto com o enigmático Ord, com um inesperado aliado – e alguns adversários tão inesperados quanto.

CCXP 2016: Lançamentos da Eaglemoss

Presente desde a primeira edição, a cada ano a Eaglemoss reserva alguma novidade para a CCXP. Neste ano, pelo menos duas novas coleções serão apresentadas ao público.

ccxpeagle1

A primeira é Marvel Fact Files. As figuras em resina metálica têm cerca de 14 cm de altura (um pouco maiores que as miniaturas vendidas atualmente em banca) e vêm acompanhadas de uma revista em português com informações do personagem. Completa em 24 fascículos.

ccxpeagle2

A outra é Star Trek – The Official Starship Collection, que reúne naves da icônica série espacial acompanhadas de uma revista em inglês. Coleção completa em 21 edições mais um box oficial com quatro mininaves.

Na CCXP, serão vendidos kits com duas edições cada; entre elas, a Entreprise e a nave Klingon.

Papo de Quadrinho entrou em contato com a Eaglemoss, que disse ainda não ter informações sobre o preço dos fascículos de cada coleção.

A editora destaca também, em sua participação na CCXP 2016, coleções e itens que já estão à venda em bancas ou em seu site: DC Comics Graphic Novels, Batmóveis, The Walking Dead, O Hobbit e as caixas especiais e Master Piece Collection da DC.

CCXP 2016: Lançamentos da Hasbro

A Hasbro reservou uma série de itens exclusivos trazidos especialmente da San Diego Comic Con para a CCXP 2016. Prepare o bolso e confira:

Transformers: novidade na linha Generations que celebra a volta do Sentinel Prime a Cybertron. O colecionável Transformers Titan Force (R$ 999,99) vem com uma figura na escala Voyager (aproximadamente. 15 cm) do Sentinel Prime, duas na escala Deluxe (Class Brainstorm e Windblade, com aproximadamente. 13 cm) e duas figuras Titan Master (Autobot Teslor e Autobot Infinitus).ccxptransfhasb

A figura do Sentinel Prime, líder dos Autobots, converte em 3 modos: robô, jato espacial e trem. As figuras Brainstorm e Windblade têm duas formas: robô e jato.

Star Wars: São dois itens exclusivos da linha Black Series. O primeiro recria a icônica cena de Uma Nova Esperança, com uma figura de aproximadamente 15 cm de Obi-Wan Kenobi assistindo à mensagem holográfica da Princesa Leia. O conjunto emite luzes e sons e é rico em detalhes (R$ 399,99).

ccxpswars1

O segundo item traz uma figura detalhada e articulada de aproximadamente 15 cm de Kylo Ren (R$ 299,99) sem a máscara, com sabre de luz, as adagas laterais, bandeira da Primeira Ordem e o capacete do Darth Vader visto no filme O Despertar da Força.

ccxpswars2

Marvel: o estande vai vender três lançamentos da linha Marvel Legends. O primeiro deles recria a batalha entre Homem de Ferro, Capitão América e Homem Aranha do filme Capitão América: Guerra Civil (R$ 479,99). As três figuras articuladas têm aproximadamente 15 cm e vêm com acessórios.

ccxpmarvel1

Outro produto exclusivo é o Breakout do Homem-Aranha (R$1.199,99), com 6 figuras articuladas e detalhadas de aproximadamente 15 cm: o Homem-Aranha e 5 vilões de sua galeria. A embalagem imita a prisão da Ilha Ryker.

ccxpmarvel2

ccxpmarvel3

O terceiro lançamento da Marvel pela Hasbro é um conjunto de figuras que celebra o excêntrico Colecionador (R$ 699,99). O conjunto de 5 figuras de aproximadamente 10 cm inclui o próprio personagem e alguns “itens” de sua coleção: Howard o Pato, Cosmo, Dentinho, Menino da Lua, a Chave do Zodíaco, o Cofre dos Antigos Invernos e o Bastão de Watoomb.

ccxpmarvel5 ccxpmarvel4

A origem dos Novos Vingadores é recontada no romance “Motim”

Novos Vingadores_Motim_CAPA.indd

A Novo Século Editora traz ao Brasil mais uma história do Universo Marvel no formato romance. Novo Vingadores: Motim (240 páginas, R$ 39,90), escrito por Alisa Kwitney, é baseado no arco que deu origem aos Novos Vingadores, criado pelo roteirista Brian Michael Bendis, em 2005.

Pela sinopse, a trama do romance parece afastar-se da dos quadrinhos: Clint Barton, o Gavião Arqueiro, recebe ordens para levar a Viúva Negra para a Balsa. Ao chegarem ao presídio, o agente independente da S.H.I.E.L.D. e a notável espiã russa se deparam com um cenário inimaginável: luzes apagadas e celas escancaradas.

Uma espetacular fuga em massa acabara de ser feita. A improvável situação deixou Gavião Arqueiro e Viúva Negra confinados ao lado de Jessica Drew, ex-Mulher Aranha, e Luke Cage, o indestrutível herói de aluguel. É neste cenário que Capitão América e Homem de Ferro têm a missão de reaproximar os principais super-heróis do mundo e decidir quem serão os integrantes dos Novos Vingadores.

A Série Marvel Novo Século conta com os seguintes títulos já publicados: Guerra Civil, Homem-Aranha: entre trovões, X-Men: espelho negro, Homem de Ferro: vírus, Vingadores: todos querem dominar o mundo, Homem-Formiga: inimigo natural; Guardiões da Galáxia: Rocket Raccoon & Groot, Guerras Secretas, Deadpool: Dog Park e A morte do Capitão América

Ainda neste ano, a editora deve lançar uma novelização estrelada pelo Doutor Estranho para pegar carona na estreia do filme do mago supremo no cinema.

Visa e Marvel produzem HQ sobre educação financeira

Visa-Marvel-GuardiõesDo Press-Release

Visa e Marvel lançaram o gibi educativo Guardiões da Galáxia: O Poderoso Plano de Rocket, que ensina princípios de finanças pessoais a leitores de todas as idades. De forma divertida e cativante, o gibi combina alguns dos super-heróis icônicos da Marvel e a expertise da Visa em educação financeira para apresentar aos leitores conceitos básicos de gestão financeira, tão importantes nos dias de hoje.

Considerado um item de colecionador, a HQ foi produzida em 16 idiomas. Em um enredo dinâmico, os personagens aprendem a importância de poupar e gerenciar suas finanças pessoais, ao mesmo tempo em que derrotam o diabólico Colecionador e os Insetos-Robô.

Esta é a segunda vez que a Marvel Comics e a Visa se unem para criar um gibi com foco em educação financeira. O primeiro, Os Vingadores: Salvando o Dia, foi lançado em 2012 em nove idiomas, e mais de 497 mil cópias foram distribuídas mundialmente.

Como parte de seu programa de educação financeira, o Finanças Práticas a Visa criou um conjunto de ferramentas educativas para ajudar a ensinar conceitos de gestão de finanças pessoais aos consumidores de todas as idades.  A empresa entende que ensinar conceitos deste tipo por meio do entretenimento educativo ou da gameficação, é uma forma eficaz de desmistificar um tópico complicado; a ideia é usar veículos cativantes e familiares – como videogames e gibis – para que os consumidores aprendam enquanto se divertem.

Além da versão impressa, Guardiões da Galáxia: O Poderoso Plano de Rocket está disponível gratuitamente em formato digital neste link. A HQ faz parte do Finanças Práticas, programa de educação financeira gratuito, premiado, testado e aprovado por professores e diversos outros públicos, atingindo milhões de pessoas no mundo todo a cada ano.

O programa foi lançado no Brasil em 2005 e está disponível hoje em 16 idiomas, em 42 países. No site do programa Finanças Práticas, educadores, pais e alunos têm acesso grátis a diversos recursos educativos, entre os quais, artigos sobre finanças pessoais, calculadoras, planos de aula entre outros recursos.

Deadpool chega ao Brasil em livro antes da estreia do filme

DeadpoolDogPark

A Novo Século continua publicando por aqui a série de livros com personagens da Marvel. Sinal de que os fãs de super-heróis estão aceitando bem este formato, e isso é ótimo.

O mais recente título anunciado pela editora é Deadpool: Dog Park, que aproveita todo o barulho em torno da estreia do Mercenário Tagarela nos cinemas. Por aqui, o filme chega no dia 11 de fevereiro, um dia antes de nos Estados Unidos.

Segundo a sinopse, nessa trama inédita Deadpool precisa salvar a humanidade de filhotes de cachorro que se transformam em terríveis monstros. Pelo que consta, o autor Stefan Petrucha (das HQs Arquivo-X e Beowulf) transportou para o romance todas as características do anti-herói que conquistaram os fãs de quadrinhos: humor ácido, referências à cultura pop e quebra da quarta parede.

Deadpool: Dog Park tem 228 páginas, formato 16 x 23 cm, capa cartonada e preço de R$ 39,90.

Os livros da Marvel lançados pela Novo Século até o momento são: Guerra Civil, Homem-Aranha: Entre Trovões, X-Men: Espelho Negro, Homem de Ferro: Vírus, Vingadores: Todos Querem Dominar o Mundo, Homem-Formiga: Inimigo Natural; Guardiões da Galáxia: Rocket Raccoon & Groot e Guerras Secretas.

Planos para este ano e o próximo incluem romances protagonizados por Wolverine, Capitão América e Novos Vingadores.

Star Wars: Marvel anuncia série de Poe Dameron

poe-dameron-cover-marvel-comics

Não é exagero dizer que o “melhor piloto da Resistência” roubou a cena nos minutos em que apareceu em Star Wars: Episódio VII – O Despertar da Força.

Portanto, nenhuma surpresa que a Marvel – que vem arrebentando em vendas com sua linha moderna de HQs de Star Wars – tenha decidido lançar uma série estrelada por Poe Dameron.

A dupla criativa será composta por Chales Soule e Phil Noto, ambos com experiência na franquia. Soule já escreveu Lando e Obi-Wan & Anakin, e Noto desenhou Chewbacca.

A trama vai anteceder os acontecimentos de O Despertar da Força, num período posterior a O Retorno de Jedi (Episódio VI). Pelo que foi divulgado até agora, Poe vai enfrentar sua primeira ameaça da Primeira Ordem e também um novo vilão. O androide BB-8 é presença confirmada.

Star Wars – Poe Dameron chega às comic shops americanas em abril.

poedameron_marvel

Crítica: “Jessica Jones” (com spoilers)

A esta altura, quem aderiu ao espírito de “maratona” já terminou de assistir aos 13 episódios da primeira temporada de Jessica Jones, que estreou na Netflix na última sexta-feira (20).

Antes desse dia, deixamos aqui nossa impressão dos 7 primeiros episódios com informações que não estragavam a surpresa. O texto que segue agora contém spoilers; então, se você ainda não assistiu a toda a série, é melhor voltar em outra hora.

jessicajonesnetflix

Jessica Jones alarga a via aberta por Demolidor: é ainda mais adulta, realista e violenta.

Na essência, a série trata do Poder. Não no sentido de força ou superpoder. As habilidades sobre-humanas de Jessica são um mero acessório na trama – o que não deixa de ser uma opção interessante da showrunner Melissa Rosenbenrg em se tratando, em tese, de um programa de super-heróis.

Poder, aqui, é no sentido de Controle, de quem está no comando, quem dá as cartas. Isso se manifesta na constante troca de papéis entre dominador e dominado que alimenta o jogo de gato-e-rato de Jessica (Krysten Ritter) e seu adversário Kilgrave (David Tennant).

É explorado também nos abusos cometidos pela mãe da então celebridade mirim Trish Walker e até mesmo nas cenas de sexo entre Jessica e Luke Cage (Mike Colter) e Trish (Rachel Taylor) e Will Simpson (Wil Traval).

A questão do Poder é tão relevante que, na reta final, a prioridade de Kilgrave é aumentar suas capacidades mentais não para dominar o mundo, como faria qualquer vilão clichê, mas para recuperar o controle perdido sobre Jessica.

O impacto do embate final está no empate: naquele momento, nem Jessica nem Kilgrave nem o espectador sabem quem está realmente no comando.

Mais ação

A série dá uma guinada a partir dos primeiros 7 episódios liberados para a imprensa pela Netflix. Se na primeira metade da temporada o confronto é predominantemente cerebral, a segunda ganha mais cenas de ação – como nas lutas de Jessica com Simpson (que finalmente se revela o psicopata Bazuca dos quadrinhos) e o descontrolado Luke Cage. Até mesmo contra Kilgrave o confronto se torna presencial, tátil.

É aí que Jessica Jones perde um pouco de sua força. Não que seja culpa do roteiro ou da atuação de Tennant, muito pelo contrário. O fato é que Kilgrave era um vilão mais assustador enquanto sujeito oculto, que manipulava nas sombras e conduzia Jessica por um labirinto de sangue.

Os melhores momentos da segunda metade da temporada se dão quando o vilão é apresentado em toda sua magnitude. Assim como no Wilson Fisk de Demolidor, o roteiro acerta ao fazer de Kilgrave um vilão multidimensional.

Nos flashbacks do abuso que sofreu na infância, nos momentos em que transpira sinceridade e até quando se mostra capaz de um ato heroico, é impossível não torcer pela felicidade do casal.

Num momento de fragilidade, ele dá a entender que seu poder é ao mesmo tempo um dom e uma maldição: “Eu preciso tomar cuidado o tempo todo com o que eu falo. Uma vez mandei um cara se ferrar. Adivinhe o que aconteceu?”.

Final convencional

O maior senão de Jessica Jones é o final convencional. Numa série com tantas qualidades que a destacam dentro do gênero, o desfecho “herói derrota o vilão” deixa a desejar. Matar Kilgrave é não só óbvio demais, mas também desperdício de um personagem que teria muito a render na mitologia que Marvel e Netflix estão construindo.

Jessica, por sua vez, está mais viva que nunca. Há uma semana, era uma personagem conhecida apenas pelos leitores de quadrinhos – nem todos, diga-se. Treze episódios depois, conquistou seu espaço na galeria de heróis urbanos da Marvel e no coração dos fãs.

Vai deixar saudade. Quem sabe ela retribua a gentileza e faça uma participação especial na série de Luke Cage, prevista para abril. Do contrário, só voltaremos a vê-la em Defensores, ainda sem data de estreia.

Novas HQs de “Star Wars” chegam ao Brasil pela Panini

starwarsmarvel

A editora aproveitou a realização da Bienal do Livro do Rio para anunciar o lançamento em bancas de duas novas revistas mensais: Star Wars e Star Wars Darth Vader. Trata-se de histórias inéditas, produzidas pela Marvel depois que readquiriu os direitos de publicação que estavam com a Dark Horse.

Star Wars foi lançada nos Estados Unidos em janeiro e a vendeu quase um milhão de exemplares naquele mês. Darth Vader saiu no mês seguinte. Desde então, ambos os títulos – mais Princess Leia, ainda não anunciada por aqui – têm se mantido entre as 10 mais vendidas a cada mês, com vendas superiores a 100 mil exemplares.

A trama das duas revistas é ambientada na época da trilogia clássica da saga. Star Wars, com roteiro de Jason Aaron e arte de John Cassaday, se passa logo após a destruição da Estrela da Morte. Luke Skywalker e os rebeldes conquistaram sua mais importante vitória ao destruir a Estrela da Morte, porém o Império Galáctico ainda não foi derrotado.

Luke, Princesa Leia, Han Solo, Chewbacca, C-3PO e R2-D2, junto com o resto da Aliança Rebelde, formam a trupe que enfrenta os desafios de uma galáxia dominada pelo Império em batalhas contra as forças malignas de Darth Vader e seu líder, o Imperador.

Darth Vader, escrito por Kieron Gillen e desenhado por Salvador Larroca, se dá no mesmo momento cronológico e explora como o Lorde Negro dos Sith tenta se redimir da destruição da Estrela da Morte, enquanto busca o jovem rebelde que definiu a batalha de Yavin.

Para comemorar o lançamento, a Panini preparou capas variantes e metalizadas para a primeira edição das duas revistas. Ambas terão 48 páginas, formato 17 x 26 cm e preço de R$ 6,90 (a versão com capa metalizada sai por R$ 11,90). Star Wars e Star Wars Darth Vader começam a chegar às bancas de todo o Brasil neste final de semana, dia 11.

Página 0 de 2

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017