Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: Independente

Com lançamento no FIQ, independente “Múltipla Escolha” está em pré-venda

Múltipla Escolha

A HQ é uma produção de Marcel Ibaldo (roteiro) e Max Andrade (arte), com cores de capa de Rainer Petter. O posfácio é assinado por Alexandre Nagado (Revista Herói, Sushi Pop).

Segundo a sinopse, Jeff é um vestibulando prestes entrar na faculdade de Medicina, depois de quatro anos de tentativa. Arrogante e egoísta, terá que aprender o que realmente importa na vida por meio de transformações em seus relacionamentos afetivos e familiares.

Múltipla Escolha tem 20,5 x 13,5 cm, 40 páginas e preço de R$10. Até o dia 5 de novembro, é possível comprar a HQ em pré-venda (aqui), com frete grátis. O lançamento oficial acontece no Festival Internacional de Quadrinhos – FIQ (11 a 15 de novembro) e Comic Com Experience – CCXP (3 a 6 de dezembro).

Coletânea nacional reverencia quadrinhos clássicos de terror

Capa_3historiasmenor

Do Press-Release

Os leitores de quadrinhos que já passaram da casa dos 40 certamente se lembram com saudade de revistas como Kripta e Calafrio. Numa época de governo militar e censura no Brasil, ler às escondidas aquelas histórias em preto e branco e papel jornal, recheadas de sangue e sensualidade, assumia um caráter quase transgressor.

O quadrinhista Flávio Luiz, autor de obras premiadas como Aú, O Capoeirista e o Fantasma do Farol e O Cabra (Troféu HQ Mix de 2015 e 2011, respectivamente), e a roteirista e produtora cultural Lica de Souza uniram seus talentos e memórias para reverenciar os quadrinhos de terror do passado na coletânea 3 Histórias de Terror e Uma Nem Tanto (Editora Papel A2, 42 páginas, R$ 30). A HQ tem lançamento marcado para o dia 22 de outubro, na Monkix Livraria, em São Paulo.

Da mesma forma que nos clássicos dos anos 1970 e 80, os quadrinhos de Flávio e Lica alternam terror explícito e psicológico, verborragia e silêncio, onde personagens incautos sucumbem frente a zumbis, forças da Natureza e aos próprios demônios interiores.

Como o título entrega, o lançamento reúne quatro histórias: três publicadas anteriormente em HQs independentes – “Inocentes” (Imaginários 2), “A Velha Mina” (Máquina Zero 1) e “O Último Cigarro” (Fronteira Livre 1) – e a inédita “Banquete”.

Em comum, todas elas trazem o estilo inconfundível de Flávio Luiz. Fã de mestres como o belga Hergé e o francês Uderzo, seu traço limpo, influenciado pela ligne claire europeia, pode causar estranheza ao leitor acostumado com a arte carregada de pretos e sombras que caracteriza os quadrinhos de terror. Mas não se engane: por trás deste estilo cartunesco escondem-se trevas capazes de gelar o coração.

Os autores

Flávio Luiz e Lica de Souza são casados e residem atualmente na capital paulista. Ele é autor de Aú, O Capoeirista, O Cabra, Jayne Mastodonte e Rota 66. Vencedor por duas vezes do Salão Internacional de Humor de Piracicaba, premiado em diversos salões de Humor no Brasil e no exterior, já foi programador visual, diretor de arte em agências de publicidade, ilustrador do extinto jornal Bahia Hoje e do Correio da Bahia, e ilustrador da agencia África.

Lica é bacharel e Mestre em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia, tem longa carreira na publicidade e especializou-se em produção gráfica. Nos últimos 15 anos, atuou em produção cultural de espetáculos teatrais, CDs, shows, livros e exposições.

3 Histórias de Terror e Uma Nem Tanto

Autores: Flávio Luiz e Lica de Souza

Editora: Papel A2 Texto & Arte

Páginas: 42

Formato: Brochura 20 x 26 cm

Preço: R$ 30,00

Lançamento: dia 22 de outubro (quinta-feira), a partir das 18h, na Monkix Livraria (rua Harmonia, 150 – loja 3, Vila Madalena – São Paulo – SP)

Felipe Nunes, de “Klaus”, lança a independente “Dodô”

CapaDodo

O que tem de jovem, Felipe Nunes tem de talentoso. Aos 20 anos, acaba de ser premiado com o HQ Mix de Melhor Talento Desenhista por seu primeiro trabalho profissional, Klaus, lançado em 2014 pela Balão Editorial. Antes, ele já havia publicado por conta própria SOS (2011) e Orome vol. 1 (2013).

Agora, Felipe volta às origens e lança uma nova HQ independente, Dodô. Assim como em Klaus, esse novo trabalho usa a infância da protagonista para levantar temas complexos como abandono, solidão e separação dos pais.

A sinopse diz que “Laila é uma garota de seis anos que está se acostumando com o fato de ter uma mãe ausente e de ficar fora da escola por tempo indeterminado. Em uma de suas mirabolantes e solitárias brincadeiras, faz amizade com um misterioso pássaro, um dodô, que surge do interior do parque municipal vizinho de sua casa”.

Dodô tem 80 páginas, capa colorida, miolo em preto e branco, e preço de R$ 28. Pode ser adquirida em livrarias, lojas especializadas ou no e-commerce do autor.

Luciano Salles divulga primeira imagem do seu novo trabalho: “Limiar: Dark Matter”

Teaser_LDM_PB_Preview_logo

Do Press-Release

Sinopse: Amerício, Carino e Nádio: três amigos tentando quebrar uma ordem estabelecida entram por uma lendária porta em um processo de vingança que trará consequências em que o universo conspira

Notas:

Limiar: Dark Matter será lançada no dia 12/10/2015 e vendida a partir da 00h deste dia pelo blog do autor, com autógrafo: http://dimensaolimbo.com.

Ainda não há um valor definido para a HQ

As cores são de Marcelo Maiolo

Página no Facebook: https://www.facebook.com/limiardarkmatter?fref=ts

CCXP 2015: Inscrições para o Artists’ Alley serão encerradas neste domingo (10)

ccxp

O Artists’ Alley, ou Beco dos Artistas, é a área da convenção dedicada aos quadrinhistas independentes. Segundo a organização, 75% dos artistas que ocuparam as mesas na edição de 2014 não são ligados às grandes editoras. Mesmo os 25% restantes estavam lá para divulgar e vender seus trabalhos autorias.

Em que pese os estandes luxuosos dos grandes estúdios e editoras de quadrinhos presentes à CCXP do ano passado, não há dúvida de que o Artists’ Alley foi a grande atração do evento.

Prova do seu sucesso é que os organizadores estão ampliando o espaço para 160 mesas (contra 125 da edição anterior). O tamanho das mesas também aumentou em 20 cm no comprimento.

Artistas interessados podem concorrer a uma delas até o dia 10, próximo domingo. O investimento é de R$ 600 para os quatro dias da CCXP 2015, e os selecionados têm a opção de dividir a mesa – e os custos – com mais um colega.

De acordo com o regulamento, no processo de seleção será dada preferência àqueles com produtos diretamente ligados aos quadrinhos, em especial com trabalhos a serem lançados no evento.

Quem participou da edição anterior não tem lugar garantido na deste ano (3 a 6 de dezembro). Para conhecer todas as regras e fazer sua inscrição, clique aqui.

Humor incorreto de “Cianeto & Felicidade” chega ao Brasil pela Leya

cianeto

Numa época em que grupos organizados colocam de joelhos artistas e editoras mainstream, é um alento saber que tem gente nadando contra a maré, pelo menos no cenário independente.

Consta que as tirinhas online de Cyanide & Happiness surgiram quando o jovem Kris Wilson ficou de molho para se recuperar de uma amigdalite. Para passar o tempo, usou seu parco conhecimento de desenho para colocar bonecos palitos em situações politicamente incorretas.

As tiras foram publicadas na internet e chamaram a atenção dos sócios Rob, Matt e Dave, que hospedaram o material, passaram a contribuir na produção e transformaram o passatempo num negócio.

Hoje, Cyanide & Happiness tem 10 milhões de curtidas no Facebook, 133 mil seguidores no Twitter, quase 80 mil no Instagram, e 1 milhão de visitas diárias no site oficial.

Parte deste material chega agora em versão impressa aos leitores brasileiros pela editora Leya, em dois volumes: Cianeto & Felicidade e Sorvete e Depressão. Cada álbum reúne 100 tiras selecionadas pelos autores, algumas delas inéditas.

A boa notícia que vem acompanhada deste lançamento é que a Leya diminuiu, mas não abandonou, a publicação de quadrinhos depois que desfez a parceria com a editora Barba Negra.

No final do ano passado, a Leya lançou dois volumes da série O Cavaleiro dos Sete ReinosA Espada Juramentada e O Cavaleiro Andante –, adaptados da obra de George R.R. Martin e que funcionam como uma espécie de prelúdio de Guerra dos Tronos.

Apesar disso, a editora afirma que não tem outros lançamentos em quadrinhos previstos para este ano.

Cianeto & Felicidade (160 páginas) e Sorvete e Depressão (176 páginas) têm formato 21 x 14 cm e preço de R$ 39,90 cada.

Cianeto e Felicidade

Apoie esse projeto: “Vampiros Independentes”

Catarse_Vampiros

Até onde vai nosso conhecimento, é a primeira vez que uma campanha de financiamento coletivo de quadrinhos no Catarse contempla dois projetos ao mesmo tempo.

Trata-se de Ozman: Harpocrates e Draconian: Viva Las Vegas! Em comum, os projetos têm a temática de vampiros e a arte de Paulo Cesar Santos. O primeiro tem roteiro de André Freitas e o segundo, de André Farias.

Harpocrates é ambientada em São Paulo, e apresenta a volta do vampiro grego Ozman (já visto na publicação independente Nemesis), em duas histórias “sem muita conversa, mas com bastante sangue”.

Viva Las Vegas! narra mais aventuras da turma de vampiros contemporâneos apresentados na ótima Draconian. Agora, o vampiro Lenny vive suas desventuras na Cidade do Pecado, numa trama que mistura, nas palavras do autor, Se beber não case, Um drink no inferno e A morte lhe cai bem.

FICHA:

Link do projeto: https://www.catarse.me/pt/vampiros#

 Data limite: 02 de abril

Meta: R$ 11 mil

Atingido até o momento: R$ 2.010 (18%)

Colaboração mínima: R$ 10

Colaboração máxima sugerida: R$ 500

Recompensas: de versão impressa de um dos livros entregue em mãos até páginas originais e presença como personagem nas próximas histórias.

Previsão de entrega: Abril de 2015

Papo de Quadrinho escolhe as Melhores HQs nacionais de 2014

Depois de eleger algumas das melhores HQs estrangeiras publicadas no ano recém-encerrado, chegou a vez de revelar nossa lista de obras nacionais.

O critério é o mesmo – apenas HQs inéditas – e sujeito à mesma falha: foram selecionados os títulos preferidos entre aqueles lidos pelos editores do Papo de Quadrinho.

Conheça nossa lista de Melhores HQs nacionais de 2014.

lizzie10. Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço (Germana Viana – Jambô Editora)

Uma grata surpresa do ano que passou. Em seu primeiro trabalho em quadrinhos, a veterana ilustradora Germana Viana destila um humor nonsense, inteligente, anárquico. São histórias curtas, publicadas originalmente na internet, sobre um grupo pouco comum de amigas que viajam pelo espaço. Quem quiser, pode acompanhar o trabalho da autora neste endereço.

Veja matéria completa aqui.

Klaus9. Klaus (Felipe Nunes – Balão Editorial)

O jovem autor, de apenas 19 anos, criou uma fábula instigante para retratar a passagem da adolescência para a vida adulta. O personagem-título é o único humano numa terra de animais antropomórficos. Por ser diferente, passou a vida como vítima de preconceito, até que a verdade se revela e ele precisa fazer uma escolha: manter a convivência com os pais-tigres amorosos ou dar um salto no escuro rumo à maturidade.

Vigor Mortis Comics8. Vigor Mortis Comics 2 – Sangue, Suor e Nanquim (José Aguiar, Paulo Biscaia, DW Ribatski e André Dulci – Quadrinhofilia)

Segundo volume das HQs que adaptam obras multimídia da Cia. Vigor Mortis. Neste caso, a história fundiu o filme Nervo Craniano Zero e a peça Seance – As Algemas de Houdini. O resultado é uma trama ambientada em 1969 repleta de repressão política, assassinatos em série e viagens alucinógenas, misturada à vida miserável da enfermeira Lavínia, personagem fictícia da protagonista Bruna Bloch. Destaque para a mudança de estilo artístico a cada aspecto diferente da narrativa.

Beladona7. Beladona (Ana Recalde e Denis Mello – Avec Editora)

A personagem Samantha nasceu na internet, em páginas semanais publicadas no site Petisco. Graças ao financiamento coletivo, ganhou este belo álbum de terror sobre uma menina assombrada por pesadelos. Parte da história se passa nesse mundo de sonhos terríveis, em que Samantha é perseguida e atormentada por espíritos malignos; outra parte, menor, se dá no mundo real. Ana Recalde é uma das grandes roteiristas da atual geração, e o traço nervoso de Denis Mello faz jus à trama.

Click6. Click (Samanta Flôor – Independente)

Outra grata surpresa de 2014: apesar de curto – pouco mais de 30 páginas –, é o trabalho mais longo até agora da jovem, porém veterana, ilustradora. Sem diálogos, a história combina uma câmera misteriosa, zumbis, um artista de rua e uma garota amável.

 

 

Helena5. Helena (Montserrat e Simone Beatriz – New Pop)

Mangá produzido no Brasil, adapta a obra homônima de Machado de Assis. Da fase romântica do autor, a história tem todos os ingredientes daquela escola literária: a heroína trágica, o herói nobre, um amor impossível. Como outros livros deste período, é possível identificar elementos do Realismo, em especial a crítica social.

Leia resenha completa aqui.

bidu4. Bidu – Caminhos (Eduardo Damasceno e Luís Felipe Garrocho – MSP/Panini)

Ao longo da trama, o famoso cãozinho azul criado por Mauricio de Sousa precisa fazer uma série de escolhas: encarar ou não um cão maior para proteger seu território; deixar-se ou não capturar pelos donos do canil; ajudar ou não um companheiro em dificuldade. À medida que enfrenta novos desafios, suas escolhas amadurecem de uma atitude instintiva e autocentrada para outra mais generosa. Tudo isso antes de encontrar seu dono e eterno amigo Franjinha. Mais uma obra-prima da série Graphic MSP.

Leia resenha completa aqui.

Jonas3. A Vida de Jonas (Magno Costa – Zarabatana Books)

Envolvido em problemas com álcool e recém-separado de Júlia, Jonas tem uma existência solitária e sem perspectiva. Só mesmo uma grande perda para fazê-lo por fim à autoindulgência e encontrar um novo sentido para a vida. A grande sacada de Magno Costa é a caracterização dos personagens como fantoches de pano.

Leia resenha completa aqui.

Yeshuah2. Yeshuah volume 3 – Onde tudo está (Laudo Ferreira e Omar Viñole – Devir)

Depois de uma longa espera, Laudo concluiu a trilogia com sua visão personalíssima da vida de Jesus. Baseados em textos apócrifos de diferentes origens, este volume concentra-se na etapa final do Novo Testamento: a viagem a Belém para a comemoração da Páscoa, a prisão, calvário e execução. Ao longo dessa trajetória, Laudo reforça, de forma sensível e assertiva, a base dos ensinamentos de Jesus: o amor acima de tudo. Valeu a espera. Uma HQ emocionante.

Rafaela1. Aos Cuidados de Rafaela (Marcelo Saravá e Marco Oliveira – Zarabatana Books)

Rafaela, moça rebelde e independente, se passa por cuidadora de idosos e conquista a confiança da velha atriz Aurelita e os desejos secretos de seu filho, Nicolas. Aos poucos, ela domina a rotina de casa e tem início uma espiral de luxúria e submissão que só poderia terminar em tragédia. Tão perturbador quanto o roteiro de Saravá é a arte de Marco Oliveira, repleta de rostos disformes, planos ousados e uma intencional ausência de perspectiva.

Leia resenha completa aqui.

Editora independente lança coletânea de Laudo Ferreira Jr.

monstros3

Para os leitores que só vieram a conhecer o trabalho do quadrinhista Laudo Ferreira Jr. a partir de seus trabalhos mais recentes – como Yeshuah, Memórias do Clube da Esquina, Auto da Barca do Inferno – eis aí uma boa oportunidade de correr os olhos numa mostra de sua produção de mais de 20 anos.

A editora indenpendente Atomic Quadrinhos, de Porto Alegre, lança neste mês o terceiro volume de Monstros dos Fanzines, com uma coletânea de histórias selecionadas pelo próprio autor.

Entre elas estão a clássica Tianinha e uma HQ inédita com roteiro original de José Mojica Marins, o Zé do Caixão. O lançamento traz também ilustrações, pin-ups e uma entrevista com Laudo. O prefácio é de Júlio Shimamoto.

Monstros dos Fanzines – Laudo tem 180 páginas e dois formatos: 15 x 23 cm (R$ 32) e 21 x 30 cm (R$ 62). Informações para adquirir o livro estão no blog da Atomic Quadrinhos.

Vale o investimento – “Draconian”: Vampiros descolados

draconian-011

A trajetória de Draconian começou no final dos anos 1990, na extinta revista Dragão Brasil. Com adaptações e adição de histórias inéditas, a criação de Paulo Cesar Santos ganhou publicação própria, independente, em outubro de 2012.

Draconian reúne histórias curtas centradas num grupo de amigos vampiros. A exemplo dos modernos seriados de TV do gênero, eles têm aparência jovem, são descolados e convivem entre os vivos em harmonia e mais ou menos ocultos.

Tocam sua vida da mesma forma que os humanos, frequentam galerias de arte, baladas e trabalham. Uma das melhores frases vem de um atendente de loja: “Mano, nem todo vampiro tem um ‘conde’ antes do nome, tá ligado?”.

Como costuma acontecer nesse tipo de coletânea, o resultado é irregular. Alguns roteiros são mais consistentes e interessantes que outros. Por envolver o mesmo grupo de personagens, as histórias melhoram com a evolução da leitura na medida em que se dão as interligações e a troca de referências entre eles. Atenção para as muitas referências ao rock e à cultura pop.

O elemento que se mantém regular todo o tempo é o traço firme e elegante de Paulo Cesar. Seu estilo clássico faz bom uso do claro e escuro; a diagramação é arrojada e a narrativa, fluida. Destaque para a splash page da história Você deve se lembrar e sua reprodução da França ocupada pelos nazistas em 1941.

Para quem ainda não teve oportunidade de ler, vale a pena uma conferida nesta obra, que conta também com roteiros de André Farias.

Draconian é uma edição caprichada, com 128 páginas, capa colorida e miolo em preto e branco em papel couché. O preço é justo, R$ 20, e a HQ pode ser adquirida nas lojas físicas e virtuais da Gibiteria, Monkix e Comix, ou diretamente com o autor pelo e-mail draconianhq@gmail.com. Vale o investimento.

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017