Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: FIQ (Page 2 of 3)

“Coelho Nero”, de Omar Viñole, terá lançamento no FIQ

Capa HQCoelhoNero divulga

O Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte, de 13 a 17 de novembro, será palco mais uma vez de um grande número de lançamentos de HQs nacionais, algumas delas fruto de financiamento coletivo pelo site Catarse.

Criação do desenhista, arte-finalista e colorista Omar Viñole (Yeshuah, Clube da Esquina, História do Brasil em Quadrinhos), o Coelho Nero finalmente sai do blog onde é publicado desde 2009 e ganha as páginas impressas, numa produção independente.

A coletânea Coisas que um coelho pode te dizer, com 16 páginas coloridas e preço de R$ 5, reúne 48 dessas tiras, sendo sete inéditas. O Coelho Nero retrata a visão crítica do autor sobre temas como costumes, política e comportamento.

O lançamento oficial com sessão de autógrafos acontece no dia 15, a partir das 17h, no estande do coletivo Petisco.

Nero 118

Valente e Duo.tone: sensibilidade em forma de quadrinhos

Meu primeiro contato, rápido, com o trabalho do mineiro Vitor Cafaggi foi por meio das tirinhas online Punny Parker. Por falta de tempo e de hábito, não acompanhei as publicações da forma que deveria.

Mas foi sua história na primeira edição da coletânea MSP 50, Minha Visão Preferida, que me arrebatou. Em meio a tantos artistas consagrados que prestavam homenagem aos 50 anos dos estúdios de Mauricio de Sousa, o traço delicado e sua visão sensível do Chico Bento gritavam que ali havia algo especial. Foi uma das mais belas histórias em quadrinhos que já li até hoje.

Depois veio outra coletânea, Pequenos Heróis. Amparado pelo singelo roteiro de Estevão Ribeiro, Vitor deu uma graça toda especial ao menino cadeirante que queria ser mais rápido que o Flash!

Eis que finalmente me deparo não com um, mas com dois trabalhos solos deste talentoso artista: Valente para Sempre e Duo.tone, sensação no estande do coletivo mineiro Pandemônio no Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte de 2011.

Valente para Sempre é uma compilação das 72 tiras publicadas no jornal O Globo. Num mundo habitado por animais, Valente é o cãozinho apaixonado e idealista, numa busca ansiosa pela garota disposta a receber todo o amor que ele tem para dar.

Apesar do tom de fábula, o mundo de Valente é o mundo real, com sua cota de dissabores, dúvidas, angústias e aquela insegurança típica da pré-adolescência, que o protagonista não sem importa em compartilhar com sua melhor amiga Bu e com todos os leitores.

Ao entrar na cabeça de Valente, torcer por ele, rir dele, cada leitor, a seu modo e de acordo com a própria história de vida, vai fatalmente identificar-se com uma ou outra desventura.

Em Duo.tone, primeiro Vitor Cafaggi nos brinda com um fantástico mundo da fantasia infantil para, em seguida, nos jogar de volta, sem dó, ao mundo real. O nó na garganta é inevitável.

Tim é um garoto da fazenda, um “bichinho do mato”, como diz sua mãe, com uma incrível imaginação. Ele nos faz lembrar nossos próprios amigos imaginários. Quem não os teve?

Trocar tudo isso pela cidade grande e um mundo de concreto funciona como uma analogia para o inevitável amadurecimento – e de tudo que precisamos deixar para trás, literal e metaforicamente, mesmo contra a vontade.

Nos dois trabalhos, impressiona a naturalidade com que Vitor Cafaggi passeia pela mais singela fantasia e a facilidade com que transmite sentimentos por meio de seus personagens de cabeça grande e olhos miúdos. A paleta de cores – no caso de Duo.tone apenas – é aquela mesma da história do Chico Bento e dispensa comentários.

Valente para Sempre e Duo.tone são duas HQs que honram a produção nacional de quadrinhos. Têm uma qualidade que, felizmente, vem se tornando regra por aqui, não exceção.

Valente tem 96 páginas, capa colorida e miolo preto e branco em papel chamois; Duo.tone, 48 páginas, capa e miolo coloridos em papel pólen. Cada uma custa R$ 12 mais despesa de postagem e podem ser adquiridas no site da Pandemônio ou diretamente com o autor pelo e-mail vitorcafaggi@gmail.com – neste último caso, com direito a dedicatória.

Se quiser aproveitar para conhecer outro trabalho do “clã”, recomendo também Mix Tape, de Lu Cafaggi. Suas historietas têm a mesma pegada lúdica e autoral do irmão Vitor – e também usam as lembranças de infância como matéria-prima, só que de forma um pouco mais “onírica”, na falta de palavra melhor. Mix Tape é formado de quatro livretros encartados numa caixinha do tamanho de uma fita cassete (R$ 9,60 mais postagem).

Alguém duvida do bom momento do quadrinho brasileiro?

A organização da Rio Comicon divulgou no início deste mês a relação das HQs mais vendidas nos quatro dias do evento (20 a 23 de outubro):

1. Daytripper (Panini), de Fábio Moon e Gabriel Bá

2. Necronauta – O almanaque dos mortos (Zarabatana Books), de Danilo Beyruth

3. Kardec (Barba Negra/LeYa), de Carlos Ferreira e Rodrigo Rosa

4. Asterios Polyp (Quadrinhos na Cia.), de David Mazzucchelli

5. Eu, Wolverine (Panini), de Chris Claremont e Frank Miller

6. Luluzinha (Pixel)

7. Macanudo 1 (Zarabatana Books), de Liniers

8. Noturno (Zarabatana Books), de Salvador Sanz

9. Bando de dois (Zarabatana Books), de Danilo Beyruth

10. Macanudo Agenda 2012 (Eku), de Liniers

Dos 10 títulos mais vendidos, 5 são brasileiros, 3 argentinos e 2 norte-americanos, sendo apenas um do gênero de super-heróis.

Soma-se a isto a excelente análise feita pelo jornalista Paulo Ramos ao final do Festival Internacional de Quadrinhos sobre os quadrinhos independente (leia a íntegra aqui), da qual destaco alguns pontos:

– Entre 40 e 50 lançamentos independentes e nacionais

– Maior número de estandes destes títulos

– Produções graficamente bem editadas e com conteúdo à altura

Entre os lançamentos do FIQ divulgados aqui no Papo de Quadrinho, nota-se também a importância que editoras estabelecidas dedicaram ao quadrinho nacional (caso da Nemo e da Barba Negra, por exemplo), sem falar do anúncio do selo Graphic MSP, a ser lançado em 2012 com produções de artistas de fora dos Estúdios Mauricio de Sousa.

Dito isto, a quem interessa uma lei que imponha cotas de produção nacional às editoras que publicam quadrinhos?

Incentivos fiscais, obviamente, são bem-vindos. Alguns dos bons quadrinhos brasileiros que li ultimamente foram projetos aprovados pelo ProAC, do governo paulista.

Agora: não confundir “bem-vindos” com “essenciais”. Tem muita gente boa, fazendo quadrinho de qualidade e, melhor ainda, vendendo suas revistas sem a benção do Estado.

O quadrinho brasileiro vive um bom momento. A hora é de avançar nesta questão, resolvendo o calcanhar de Aquiles que é a distribuição para fazer com que toda esta produção chegue a um número maior de leitores.

A imposição de cotas em nada ajuda este processo.

Mauricio de Sousa vai produzir graphic novels

O anúncio foi feito na tarde de hoje (9), na abertura do Festival Internacional de Quadrinhos pelo coordenador editorial do estúdio, o jornalista Sidney Gusman.

As graphic novels serão publicadas a partir do ano que vem sob o selo Graphic MSP, em edições one shot com 72 páginas, formato 19 x 27,5 cm e autores de fora do estúdio.

Os quatro primeiros títulos são: Astronauta, por Danilo Beyruth (Bando de Dois); Chico Bento, por Gustavo Duarte (Táxi); Piteco, por Shiko (Blue Note); e a Turma da Mônica, pelos os irmãos Vitor e Lu Cafaggi (Punny Parker/Lady’s Comics). A seleção não poderia ser melhor.

O selo surgiu a partir da experiência do projeto MSP 50, com três livros já publicados, em que diferentes artistas, 50 por edição, imprimiram sua visão pessoal dos personagens criados por Mauricio de Sousa.

Agora, é aguardar 2012 para conferir a novidade. Pelos teasers divulgados (clique na galeria acima para ampliar), vem coisa muito boa por aí.

FIQ 2011: Lançamentos da Barba Negra

A editora reservou duas novidades em quadrinhos brasileiros para o Festival Internacional de Quadrinhos.

A primeira é Uma patada com carinho, da cartunista gaúcha Fabiane Bento Langona, a Chiquinha, estrelada pela aliá Elefoa, a girafa Gisbelle e a ursa Janete, em suas desventuras pelo universo feminino.

A sessão de autógrafo no FIQ acontece dia 12, sábado, às 11h, na Praça Sergio Bonelli. Na véspera, Chiquinha participa do bate-papo sobre Mulheres e Quadrinhos na Arena Carlos Trillo junto com Adriana Melo, Erica Awano e Cris Peter.

Uma patada com carinho tem 128 páginas, formato 14 x18 cm e preço de R$ 34,90.

O outro lançamento é Emir Saad – O Monstro de Zazanov, que reúne as tiras publicadas semanalmente por André Dahmer no portal G1. O personagem principal é um ditador à moda antiga, que  só quer governar com mãos de ferro sem ser importunado.

André distribuiu autógrafos no dia 11, às 15h, na Praça Sergio Bonelli. Emir Saad tem 128 páginas, formato 18 x18 cme custa R$ 34,90.

FIQ 2011: Lançamentos de quadrinhos baianos

Já há algum tempo que a Bahia vem ganhando representatividade no mercado de quadrinhos – estou falando aqui de novos talentos, não do consagrado trabalho do professor Antonio Cedraz, a Turma do Xaxado.

Lucas da Vila de Sant’Anna da Feira, de Marcelo Lima, Marcos Franco e Helcio Rogério, foi lançado em 2010. A biografia da figura história do interior da Bahia que viveu no início do século 19 foi premiada com o troféu Angelo Agostini e indicada ao HQ Mix.

Por ser a primeira vez que o título é apresentado fora da Bahia, está recebendo status de lançamento no Festival Internacional de Quadrinhos, aberto hoje (9),em Belo Horizonte.

A sessão de autógrafos acontece nos dias 10, quinta-feira, das 16 às 18 horas, e 12, sábado, das 14 às 16 horas, no estande do Quadro a Quadro/Xaxado.

Nos mesmos dias, horários e local acontece o lançamento da coletânea Antologia de Rabiscos de Desenho e Arte Contemporânea, uma seleção de trabalhos de jovens artistas baianos, do interior e da capital do Estado. O livro traz trabalhos coloridos e em preto e branco e tons de cinza, totalizando mais de 40 ilustrações. A capa é do veterano artista argentino Jorge Abel Galeano.

Lucas da Vila de Sant’Anna da Feira tem 48 páginas em preto e branco, formato 21 x28 cme preço de R$ 10. Rabiscos tem 100 páginas e preço de R$ 15. Quem comprar os dois no FIQ, paga R$ 20 e ganha um brinde.

Em comemoração ao segundo ano do grupo de quadrinhistas baianos Aurora Studios, será lançada, também no FIQ, a primeira edição da revista Aurora Comics com um apanhado das seis primeiras histórias publicadas no site (www.auroracomics.com).

O lançamento acontece hoje (9) e sábado (12), às 19h30, também no estande do Quadro a Quadro/Xaxado. Aurora 1 tem 144 páginas coloridas, formato americano e preço de R$ 35.

FIQ 2011: Lançamento de “O vendedor de esqueletos”

A produção independente do carioca Bruno Rodrigues e do mineiro João Henrique Belo será lançada no Festival Internacional de Quadrinhos, com sessão de autógrafos no dia 12, a partir das 20h, na Praça Sergio Bonelli.

A história se passa na cidade norte-americana de Minnesota, no final do século 19, quando o entregador de leite Roy Barks se vê envolvido com um misterioso fazendeiro e os segredos da cidade interiorana de Farmville.

O vendedor de esqueletos tem 16 páginas, formato americano e preço de R$ 5.

FIQ 2011: Lançamento de “Ditadura No Ar”

Projeto de Raphael Fernandes e Abel, a série nasceu como um projeto de webcomics publicada no site Contraversão.

Agora, o primeiro arco ganha versão impressa independente, com lançamento marcado para dia 12, às 14h30, no estande coletivo da Café Nanquim no Festival Internacional de Quadrinhos, com presença dos autores.

Trata-se de uma trama policial ambientada durante os anos de ditadura militar no Brasil, estrelada freelancer Felix Panta.

Depois de um hiato de pouco mais de um mês, Raphael e Abel prometem retomar os capítulos semanais a partir deste mês.

Em São Paulo, o lançamento acontece dia 18, às 19h30, na HQMix Livraria (Praça Franklin Rossevelt, 142 – Centro – São Paulo – SP)

Ditadura No Ar 1 tem 22 páginas coloridas, em formatinho, e preçinho de R$ 4.

FIQ 2011: Lançamentos da Editora Nemo

Os principais destaques da editora no Festival Internacional de Quadrinhos são as adaptações feitas por autores brasileiros para a coleção Shakespeare em Quadrinhos.

A primeira delas, Romeu e Julieta ganha um estilo mangá pelas mãos de Marcela Godoy e Roberta Pares; Sonhos de uma Noite de Verão foi produzida por Lillo Parra e Wanderson de Souza; e a trágica Otelo, por Jozz e Akira Sanoki.

Cada volume da coleção tem formato 20 x28 cm, 64 páginas em cores, capa cartonada e preço de R$ 39.

Para não ficar só nos clássicos estrangeiros, a editora apostou numa adaptação para os quadrinhos de Dom Casmurro, de Machado de Assis, com roteiro de Welling Srbek (coordenador editorial da Nemo) e o traço nervoso de José Aguiar. O livro tem 80 páginas em preto e branco e custa R$ 34.

Dando continuidade aos seus lançamentos internacionais, a Nemo apresenta no FIQ Absoluten Calfeutrail & Outras Histórias, segundo volume da Coleção Moebius (24 x32 cm, capa dura, 96 páginas em preto e branco, R$ 49), e Era a Guerra de Trincheiras, de Jacques Tardi, um relato contundente e realista dos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial (22,5 x29,5 cm, 128 páginas em preto, banco e cinza, capa dura, R$ 49)

A Nemo promove sessão de autógrafos com os autores Lillo Parra, Jozz, Wellington Srbek e Will (que publicou Ciranda Coraci pela editora) em seu estande no evento.

FIQ 2011: Lançamentos da Balão Editorial

A editora aproveita o Festival Internacional de Quadrinhos para lançar o segundo volume de tiras Os Passarinhos e Outros Bichos, de Estevão Ribeiro.

Estrelado pelo aspirante a escritor Hector e seu crítico amigo Afonso, este novo volume conta com a participação de desenhistas convidados: Leandro Robles, Danilo Beyruth, Mário César, Mario Cau, Emerson Lopes, Lu Cafaggi, Orlandeli, Ila Fox, Leo Finocchi e Vitor Caffagi.

Os passarinhos do título recebem, ainda, novos personagens, como Patrício, o pato pobre, o joão-de-barro Damião, Agatha Triste e Andre Guinchando, além dos já conhecidos Paulo, o Coelho e Piu Gaiman.

O lançamento vai contar com duas sessões de autógrafos, com presença de Estevão Ribeiro, nos dias 12 e 13, ambas das 16h às 18h, no estande da Balão Editorial.

A editora promoverá sessão de autógrafo de seu outro lançamento, Entrequadros – O Círculo Completo, de Mário César, no dia 11, das 15h às 17h.

Os Passarinhos e Outros Bichos tem 88 páginas, formato de 16 x16 cme preço sugerido de R$ 20.

Page 2 of 3

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019