kirby_capa

Se estivesse vivo, Jack Kirby completaria 100 anos no próximo dia 28 de agosto. Dono de um traço marcante e personalidade idem, Kirby deixou uma marca insuperável na história das histórias em quadrinhos.

Seu centenário não passou em branco, mesmo aqui no Brasil. De um livro de luxo com ilustrações de brasileiros (editado por Edson Diogo, do site Guia dos Quadrinhos) até uma série de matérias especiais na publicação especializada Mundo dos Super-Heróis, Kirby vem sendo lembrado – como se algum dia tivesse sido esquecido – por artistas, leitores, jornalistas, pesquisadores.

Eis que chega mais uma obra para engrossar o coro de homenagens. Nas próximas semanas, será lançado, pela novíssima Editora Noir, O Criador de Deuses – Jack Kirby, escrito pelo pesquisador, roteirista e escritor Roberto Guedes.

Autor da primeira biografia brasileira de Stan Lee, em 2012, Guedes repete o feito e garante que, assim como o outro, também este livro traz informações inéditas para os leitores.

Nesta entrevista para o Papo de Quadrinho, ele conta como este projeto nasceu e algumas curiosidades.

Seu livro está sendo lançado numa data bem próxima ao aniversário de 100 anos de Jack Kirby. Esse era um projeto que você já vinha gestando ou foi produzido especialmente para a ocasião?

No final do segundo semestre de 2016, um editor da Noir entrou em contato comigo para saber se eu tinha vontade de escrever algum livro para a editora. Comentei que gostaria de escrever sobre a carreira de Kirby, cujo centenário seria no ano seguinte. Os editores adoraram a ideia, e fechamos o negócio.

Muito se tem falado sobre Kirby nas últimas décadas e em especial neste ano. Que tipo de informação inédita o leitor poderá encontrar nessa biografia?

A vida particular de Kirby é um objeto praticamente inexistente para o grande público, mas no livro há uma radiografia abrangente do cidadão Kirby. Desde seus dias no Lower East Side (o bairro pobre e barra-pesada onde cresceu), com seus pais, seu quase desconhecido irmão mais novo, seu namoro e casamento com Rosalind. Conta bastante também sobre sua amizade e parceria com Joe Simon. Enfim, o livro apresenta as várias facetas de Kirby, que antes de ser um artista genial, era também um ser humano, com suas falhas e qualidades. Alguém que transmutava sua fúria interior em obras de arte sequencial.

Além, claro, da participação imprescindível de Kirby na gênese do Universo Marvel nos anos 1960, que outros momentos da vida do “Rei” mereceram mais atenção em seu livro?

 Acredito que os anos que antecederam a criação do Universo Marvel, bem como sua carreira posterior em Hollywood também têm um bom destaque na obra. E não tenho dúvidas que muita gente vai se admirar com a quantidade de coisas que ele fez para a DC, além do Quarto Mundo.

Como você tratou um dos temas mais polêmicos da biografia de Kirby, a desavença com o parceiro Stan Lee?

Procurei registrar o maior número possível de depoimentos de outras pessoas que testemunharam aqueles momentos, e que acompanharam de perto a carreira daqueles dois incríveis autores. São pontos de vistas distintos de colegas de profissão, amigos e familiares que, quando entrecruzados com a visão particular de Stan e Jack para certos tópicos, oferecem uma nova e surpreendente perspectiva para o que realmente foi a Era Marvel. Nem teorias sobre a real utilidade do charuto do Kirby ficaram de fora.

Na sua visão, qual é a percepção que os jovens leitores de quadrinhos têm de Jack Kirby? Eles reconhecem sua importância?

Acho que a grande maioria ainda não soube mensurar a real importância de Kirby para os quadrinhos de super-heróis. Espero que a leitura do livro ajude a esclarecer isso.

O Criador de Deuses – Jack Kirby tem 220 páginas e preço de R$ 49,90. A Comix Book Shop vai vender uma edição limitada do livro com essa capa exclusiva abaixo, que retrata Night Fighter, personagem criado por Joe Simon e Jack Kirby nos anos 1950, e que jamais foi lançado.

kirby_capa_comix

Autor e editora ainda não definiram quando será o evento de lançamento seguido de sessão de autógrafos. Fiquem ligados nas redes sociais do Papo de Quadrinho para não perder a data!