Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: CCXP

CCXP Tour Nordeste: lançamentos da Panini

paniniccxptour

A Panini participa da CCXP Tour Nordeste (que começa hoje, dia 13, em Recife, e vai até domingo) e anuncia novidades. Confira:

Valente – Para onde você foi?, de Vitor Cafaggi: quinto volume da série Valente, a nova compilação de tiras inéditas retoma a história do jovem cãozinho com muito humor e sensibilidade (120 páginas, R$ 16).

Dodô, de Felipe Nunes: versão colorida da HQ publicada de forma independente em 2015, apresenta uma história sobre solidão, família, inconformismo e novas amizades (80 páginas, R$ 36).

Chico Bento – Arvorada, de Orlandeli: no 15º volume do selo Graphic MSP, Chico Bento aprende que nem tudo pode ser deixado pra depois, numa reinterpretação do clássico personagem cheia de momentos de amor, dor, humor, mistério e aprendizado (96 páginas, R$ 26,90 capa cartonada e R$ 36,90 capa dura).

Clássicos do Cinema Turma da Mônica nº 1 Horacic Park: compilação em capa dura de histórias da série Clássicos do Cinema – Turma da Mônica, com paródias de filmes de sucesso. Este primeiro volume – que deve ganhar periodicidade quadrimestral – reúne as HQs Horacic Park, Imundo Perdido e Horacic Park III (144 páginas, R$ 38,90).

Turma da Mônica Jovem 4 – Mônica e o Cavaleiro: Segundo encontro da Turma da Mônica com personagens de Osamu Tezuka, cinco anos depois da publicação da história que uniu pela primeira vez a obra dos dois ícones dos quadrinhos mundiais. Esta edição mostra o reencontro de Mônica e seus amigos com a Princesa Safiri na Terra de Prata (128 páginas, R$ 8,50).

Universo DC: Renascimento, de Geoff Johns, Gary Frank, Ethan Van Sciver e Ivan Reis: Edição única que dá início à nova fase da DC no Brasil. A partir daí, todos os títulos da editora serão zerados e novos serão lançados, como Mulher-Maravilha, Action Comics e Detective Comics. Na CCXP Tour, o estande da Panini vai estampar a caracterização dos personagens da DC nessa nova fase (116 páginas, R$ 13,90).

Como parte da programação da editora no evento, estão agendadas sessões de fotos com Mauricio de Sousa (dia 14, 13h30), autógrafos com Orlandeli (dia 15, às 14h30) e um painel com editores da Panini para apresentar as novidades e anunciar outros lançamentos (dia 16, ás 17h).

CCXP Tour Nordeste: lançamentos da editora Leya

leyaccxptour

A ideia era fazer uma prévia dos lançamentos na CCXP Tour Nordeste (13 a 16 de abril, em Recife), como fazemos em todos os grandes eventos e no começo de cada ano.

Mas sem a lista de expositores, ficou difícil consultar as editoras. Então, vamos divulgando aqui o que elas espontaneamente estão enviando para nós.

Começamos pela Leya. A editora reservou para o evento o terceiro volume da série Alien – Rio de Sofrimento; o romance de ficção científica de George R.R. Martin, Gardner Dozois e Daniel Abraham, Caçador em Fuga; as edições de colecionador de Batman: Os Arquivos Secretos do Homem-Morcego e Superman: Os Arquivos Secretos do Homem de Aço; o terceiro e último volume da trilogia A Sombra do Corvo: A Rainha do Fogo; e o box da primeira era de Mistborn, de Brandon Sanderson.

Outras obras de George R.R. Martin estarão em destaque no estande da Leya: a coleção Wild Cards (volumes 1 a 7), o recém-lançado Mulheres Perigosas e, claro, a série As Crônicas de Gelo e Fogo.

Entre os nacionais, destaque para os dois volumes de O Espadachim de Carvão, de Affonso Solano, com direito a sessão de autógrafo do autor junto com os demais integrantes do podcast Matando Robôs Gigantes (MRG), Didi Braga e Beto Estrada.

A editora também participa da programação oficial com apresentações em seu estande e no auditório Ultra, vai levar o Trono de Ferro para os visitantes tirarem fotos e fará a cobertura da CCXP Tour Nordeste em suas redes sociais.

Editora Draco lança Space Opera em Quadrinhos na CCXP Tour Nordeste

spaceoperahq

A coletânea reúne oito HQs sobre raças alienígenas, intrigas políticas, naves, blasters e muita ação.

Com edição de Raphael Fernandes, as histórias foram produzidas por Jun Sugiyama, Tiago P. Zanetic, Larissa Palmieri, Luís Carlos Sousa, Rafael Levi, Alessio Esteves, Fernando Barone e Angelo Dias, e os desenhistas Kazuo Miyahara, Eder Santos, Rocher Knight, Braziliano, MJ Macedo, Carlos Sekko, Giovanni Pedroni e Ioannis Fiore, que também fez a capa.

O lançamento acontece na CCXP Tour: Recife (13 a 16 de abril) e contará com a presença de Raphael Fernandes na mesa F04 do Artists’s Alley.

Space Opera em Quadrinhos tem 160 páginas em preto e branco, formato 17 x 24 cm, capa cartonada, papel pólen e preço de R$ 39,90.

Nova HQ de Mario Cau a caminho

piecespartesdotodo

Nos últimos dias, o premiado quadrinhista Mario Cau (Dom Casmurro, Terapia) vem divulgando teasers de seu novo trabalho. Hoje finalmente ele revelou o título e logo: Partes do Todo.

Assim como um de seus mais recentes trabalhos, Morphine, Partes do Todo está relacionada à série autoral Pieces, a primeira da carreira do autor.

O lançamento está marcado para a CCXP, de 1 a 4 de dezembro. Cau promete liberar a capa, sinopse e primeiras imagens nos próximos dias.

CCXP 2015 em números!

ccxp2015

A organização da Comic Con Experience divulgou os números oficiais da segunda edição, realizada de 3 a 6 de dezembro, e comprova que o evento, de fato, cresceu.

Confira:

Estandes: 120 (+60% em relação a 2014)

Área de exposição: 55 mil metros quadrados (+41%)

Quadrinhistas no Artist’s Alley: 265 (+23%)

Público: 142 mil (+46% – a expectativa para esta edição era de 120 mil pessoas)

Outros números impressionantes:

135 horas de painéis

600 horas de conteúdos simultâneas, incluindo programações dentro dos estandes

3 pré-estreias exclusivas: O Bom Dinossauro (Disney Pixar), Creed: Nascido para Lutar (Warner) e The Ridiculous 6 (Netflix)

(Leia aqui como foi nosso sábado na CCXP 2015)

A edição 2016 está confirmada para 1 a 4 de dezembro.

#foiépico

Um sábado na CCXP 2015

ccxp2015

A foto acima ilustra bem como foi o sábado (5) dessa segunda edição da Comic Con Experience (CCXP). Pavilhão lotado e filas para todo lado. E isso é bom.

Por melhor que seja a organização oficial e dos expositores, não há como evitar filas e aglomerações num evento que seguramente atingiu a expectativa de 120 mil visitantes (média de 30 mil pessoas por dia).

O lado positivo nem é pelo sucesso da CCXP 2015, mas o quanto ela serve de termômetro do mercado de cultura pop.

A maioria dos visitantes foi de consumidores de produtos geek; os que ainda não são, certamente o serão, impactados que foram pela exuberância exibida pelas empresas. Não importa que não tenham comprado nada durante o evento, pois é quase certo que comprarão em algum momento depois dele.

Foi a crença nesse mercado aquecido e seu potencial de crescimento que levou um grupo de empreendedores a investir num evento brasileiro capaz de atrair os grandes estúdios mundiais de entretenimento, as principais editoras de quadrinhos e ficção científica do País, uma quantidade recorde de quadrinhistas nacionais, um grande número de astros internacionais dos quadrinhos, cinema e TV, e mais de 100 mil visitantes.

Há poucos anos, algo assim parecia inimaginável.

Falhas

Sim, houve problemas. O acesso era difícil: pelo menos meio quilômetro de caminhada entre o credenciamento e o pavilhão, a maior parte dela por meio de uma passarela estreita. É impraticável para pessoas com algum tipo de problema de locomoção.

Visitantes e jornalistas especializados narram problemas sérios na organização dos painéis e sessões de autógrafos mais concorridos, em especial os dos astros da série Jessica Jones, Krysten Ritter e David Tennant.

Não se deve minimizar essas e outras queixas, mesmo num evento com a complexidade da CCXP. As falhas precisam ser divulgadas e corrigidas. Quero acreditar que os organizadores estarão atentos às reclamações e evitarão que os mesmos problemas se repitam na próxima edição.

Artists’ Alley

A área reservada aos artistas era um oásis no pavilhão. Menos muvucada e repleta de gente talentosa apresentando e vendendo seus trabalhos. Não é exagero dizer que o Artists’ Alley da CCXP 2015 reuniu o melhor da atual produção nacional de quadrinhos.

Até lá havia filas, concentradas nas mesas de artistas internacionais como Kevin Maguire, Mark Waid e David Finch, e nas de alguns nacionais mais conhecidos do grande público.

Tirando isso, as mesas eram bastante acessíveis, assim como os artistas. Foi uma oportunidade única não só para comprar ótimas HQs, mas também interagir e conhecer melhor estes profissionais – para quem ainda não conhecia – ou simplesmente reencontrar os amigos.

Panini

O único painel a que assisti reservou uma agradável surpresa: a aparição sem aviso do artista americano Jim Lee, hoje um dos chefões criativos da DC Comics. Simpático o tempo todo em que permaneceu lá (uns 15 minutos), ainda presenteou um aniversariante da plateia com um desenho exclusivo.

Lee elogiou a produção brasileira de quadrinhos e citou nominalmente alguns artistas. Disse que apesar da “vibe” por quadrinhos de super-heróis no Brasil, conheceu e elogiou os trabalhos de outros gêneros que vêm sendo feitos por aqui.

A editora anunciou alguns títulos da Marvel, DC, Vertigo e Mauricio de Sousa que serão lançados no próximo ano. Revelou duas parcerias que estão sendo desenhadas: com a editora Stout Club, de Rafael Albuquerque, e outra com o humorista e apresentador Danilo Gentili. Sem muitos detalhes, no momento.

O auditório quase veio abaixo mesmo com o anúncio de dois lançamentos da linha de mangás da Panini: Vagabond, que será republicado desde o número 1, e o muito aguardado One Punch Man. A editora também vai relançar a série interrompida A Face Oculta, da Bonelli, num megaencadernado.

Em resumo

O fato é que a CCXP cresceu muito em relação à primeira edição, em todos os sentidos: expositores, área, atrações, quantidade e notoriedade dos convidados.

Mas o que mais cresceu mesmo foi o interesse do público, e a impressão que fica é que foi ainda maior do que estimado pelos organizadores. Agora eles têm o chamado “bom problema” nas mãos: adaptar a estrutura do evento a esse público, que tende a continuar aumentando.

Uma alternativa – complexa e cara, admito – seria esticar a CCXP numa maior quantidade de dias, dos atuais quatro para pelo menos seis.

Claro que o final de semana continuaria concentrando a maior parte do público, mas mais dias podem ajudar na distribuição dos visitantes e minimizar parte das filas e aglomerações. Só para lembrar, as Bienais do Livro do Rio e São Paulo duram 11 dias.

CCXP 2015: Começa hoje!

ccxp

#vaiserépico. A hashtag criada pelos organizadores da Comic Con Experience (CCXP) não tem nada de pretensiosa.

Muito pelo contrário. O adjetivo cabe perfeitamente numa convenção de cultura pop, realizada em terras brasileiras, que atrai as gigantes mundiais de entretenimento, reúne as principais editoras nacionais de quadrinhos e ficção científica, abre espaço para mais de 260 artistas nacionais e consegue trazer estrelas da magnitude de Frank Miller, Mark Waid, Jim Lee, Kevin Maguire, Scott McCloud, José Luís García-Lopez, David Tennant e Evangeline Lilly, entre muitos, muitos outros.

Na primeira edição, no ano passado, os organizadores – Grupo Omelete, Chiaroscuro Studios e Pizii Toys – anunciaram que queriam fazer no Brasil um evento nos moldes dos grandes realizados nos Estados Unidos. Conseguiram.

Tão importante quanto a presença de artistas consagrados e estrelas do cinema, a CCXP 2014 primou pelo profissionalismo. Como resultado, os fãs acolheram a ideia e compareceram em peso. A organização fala em 97 mil pessoas – para este ano, estão previstas 120 mil.

Como sempre é possível melhorar o que já está bom, nesse ano a CCXP vem ainda mais “épica”. O sucesso inicial atraiu ainda mais empresas que enxergaram no crescente filão geek – e no evento – uma forma de continuar lucrando.

Disney, Warner, Netflix, Fox, Sony-Universal, Mattel e Hasbro são algumas das multinacionais que terão estande na edição que começa hoje e se estende até domingo (6). Entre as editoras brasileiras, Panini, Mythos, Devir, JBC, Jambô, Planeta D’Agostini, Novo Século, Leya, Aleph, Eaglemoss, Record. E lojas, muitas lojas de quadrinhos e action figures para os nerds comprometerem o 13º salário.

A programação oficial é extensa e não cabe nesse post. Se quiser, clique no link para ver a grade dos três auditórios. Fora isso, tem um monte de atrações nos estandes que prometem uma grande quantidade de novidades, lançamentos e itens exclusivo. Isso sem contar o show de cosplays.

O Artists’ Alley, que concentra a produção nacional majoritariamente independente, está ainda maior: 265 artistas em 163 mesas – no ano passado, foram 215 artistas e 125 mesas. Junto com o já tradicional Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), a CCXP se converteu muito rapidamente numa das plataformas para lançamento e comercialização do quadrinho nacional.

A esta altura, a venda de ingressos pela internet já está esgotada, bem como os ingressos para sábado (5) e domingo (6) e o passaporte para os quatro dias. Quem quiser aparecer na quinta e sexta-feira (dias 3 e 4) vai ter que pegar a fila da bilheteria e desembolsar R$ 120 – isso se levar um livro ou tiver direito à meia entrada (a inteira custa R$ 240).

A dica é ir de metrô para economizar a grana do estacionamento. Haverá traslado gratuito da estação Jabaquara até o São Paulo Expo.

Vai ser MUITO épico!  A gente se vê lá!

SERVIÇO:

Comic Con Experience – CCXP 2015

De 3 a 6 de dezembro, no São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – Água Funda – SP)

Horários:

Dia 3, das – 12h às 22h

Dias 4 e 5, das 10h às 22h

Dia 6, das 10h às 20h

SUPER nº1 ganhará versão impressa

SuperCapa_800px

SUPER nº1  está ganhando uma versão impressa. A história tem roteiro de Douglas MCT, arte de Fabiano Ferreira, e é uma das várias produções impressas do Lamen, portal de webmangás nacionais que estreou em julho deste ano.

De 23 a 30 de novembro, o mangá está em pré-venda promocional, de 20 por apenas R$ 14,00, com frete grátis para todo o Brasil. E extras como um marcador e um card autografado, exclusivo dessa promoção. As revistas serão enviadas após a CCXP, ou poderão ser retiradas no próprio evento. A compra antecipada pode ser feita aqui.

SUPER nº1 foi criado e editado pelo selo Lamen e tem capa colorida cartonada, brochura, 14 x 19,2 cm, com 68 páginas em PB, recheado de extras!

Sinopse:
O garoto Edrik Everton sempre sonhou em se tornar um super-herói. Depois de passar por uma grande reviravolta na vida, ele faz de tudo para ingressar na Excelsior, uma escola onde ele poderá estudar e treinar para se tornar um SUPER, fazendo muitos amigos e inimigos pelo caminho.

Serviço:
Lançamento em São Paulo: 3 a 6 de dezembro, na CCXP 2015, mesa 31 do artist´s alley (São Paulo Expo Exhibition & Convention Center) e também no estande do Social Comics no dia 05/12, das 10h30 às 11h30.

Com lançamento no FIQ, independente “Múltipla Escolha” está em pré-venda

Múltipla Escolha

A HQ é uma produção de Marcel Ibaldo (roteiro) e Max Andrade (arte), com cores de capa de Rainer Petter. O posfácio é assinado por Alexandre Nagado (Revista Herói, Sushi Pop).

Segundo a sinopse, Jeff é um vestibulando prestes entrar na faculdade de Medicina, depois de quatro anos de tentativa. Arrogante e egoísta, terá que aprender o que realmente importa na vida por meio de transformações em seus relacionamentos afetivos e familiares.

Múltipla Escolha tem 20,5 x 13,5 cm, 40 páginas e preço de R$10. Até o dia 5 de novembro, é possível comprar a HQ em pré-venda (aqui), com frete grátis. O lançamento oficial acontece no Festival Internacional de Quadrinhos – FIQ (11 a 15 de novembro) e Comic Com Experience – CCXP (3 a 6 de dezembro).

CCXP 2015: Inscrições para o Artists’ Alley serão encerradas neste domingo (10)

ccxp

O Artists’ Alley, ou Beco dos Artistas, é a área da convenção dedicada aos quadrinhistas independentes. Segundo a organização, 75% dos artistas que ocuparam as mesas na edição de 2014 não são ligados às grandes editoras. Mesmo os 25% restantes estavam lá para divulgar e vender seus trabalhos autorias.

Em que pese os estandes luxuosos dos grandes estúdios e editoras de quadrinhos presentes à CCXP do ano passado, não há dúvida de que o Artists’ Alley foi a grande atração do evento.

Prova do seu sucesso é que os organizadores estão ampliando o espaço para 160 mesas (contra 125 da edição anterior). O tamanho das mesas também aumentou em 20 cm no comprimento.

Artistas interessados podem concorrer a uma delas até o dia 10, próximo domingo. O investimento é de R$ 600 para os quatro dias da CCXP 2015, e os selecionados têm a opção de dividir a mesa – e os custos – com mais um colega.

De acordo com o regulamento, no processo de seleção será dada preferência àqueles com produtos diretamente ligados aos quadrinhos, em especial com trabalhos a serem lançados no evento.

Quem participou da edição anterior não tem lugar garantido na deste ano (3 a 6 de dezembro). Para conhecer todas as regras e fazer sua inscrição, clique aqui.

Página 0 de 2

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017