Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Tag: Bienal do Livro RJ

Quadrinhos e afins na Bienal do Livro RJ: WMF Martins Fontes

wmf_bienal

Responsável por trazer grandes obras do quadrinho mundial para o Brasil, a WMF Martins Fontes anuncia dois lançamentos para o evento literário, que começa na próxima 5ª feira (31).

Maria chorou aos pés de Jesus (Chester Brown): Em Pagando por Sexo, Brown partiu de sua experiência pessoal para desenvolver um tratado em defesa da prostituição. Agora, o autor leva o tema para uma paragem inusitada: a Bíblia. Nesse novo livro, Brown oferece sua versão sobre histórias do Antigo e do Novo Testamento e as representações bíblicas da prostituição.

Rosa Vermelha (Kate Evans): A biografia em quadrinhos de Rosa Luxemburgo promete tornar o pensamento da filósofa marxista – que divide opiniões mesmo entre os intelectuais de esquerda – acessível a um novo público.

Quadrinhos e afins na Bienal do Livro RJ: Novo Século

 

novoséculo_bienal

Para quem é leitor de quadrinhos, a lista de expositores da Bienal do Livro do Rio de Janeiro, que começa na próxima 5ª feira (31), não é muito animadora. São poucas as editoras especializadas com estande no evento.

Mas claro que se tem Bienal, tem lançamentos. A partir de hoje, vamos publicar o que essas editoras estão levando de novidade para o evento literário.

Começamos com a Novo Século, que vem investindo bastante no segmento e até criou um selo, o Geektopia, apresentado na Bienal de São Paulo no ano passado.

The Wicked + The Divine 2 (Kieron Gillen e Jamie Mckelvie)

A saga dos deuses que caminham entre nós e se assemelham a ícones pop continua. A Novo Século lançou o primeiro volume, que reúne as edições 1 a 5 originais, no final do ano passado. O segundo volume traz as edições 6 a 11. O álbum está em pré-venda na Amazon por R$ 49.

Na linha de romances inspirados/adaptados nos quadrinhos da Marvel, a editora apresenta dois novos títulos:

Homem de Ferro Extremis (Marie Javins)

A trama é conhecida de quem acompanha os quadrinhos: a Dra. Maya Hansen, antiga colega de Tony Stark, desenvolve um processo biológico batizado de Extremis, desenhado para reescrever o corpo humano de fora para dentro. A HQ representou um grande salto na cronologia do Homem de Ferro e serviu de inspiração para o filme Homem de Ferro 3 (2013).

Demolidor – O Homem sem medo (Paul Crilley)

Novelização da famosa minissérie de Frank Miller e John Romita Jr. (2003), que reconta a origem do Demolidor.

Os dois romances já estão à venda na Amazon por R$ 34,80.

Pixel lança HQs de Tarzan e Witcher na Bienal do Livro

pixelbienal

O selo de quadrinhos do Grupo Ediouro tem se notabilizado pela publicação de clássicos como Fantasma, Mandrake, Popeye, Hagar, Recruta Zero e outros. O mais legal é que a editora optou por um formato para bancas, mais baratos e acessíveis do que um tratamento de luxo que poderia afastar novos leitores.

Todos estes títulos, já lançados, estarão no estande da editora na Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro de 3 a 13 de setembro.

As novidades mesmo são dois álbuns de capa dura: Tarzan – Contos da Selva e The Witcher – A Casa de Vidro.

O primeiro apresenta a releitura moderna, feita por 12 artistas, de elementos da mitologia criada por Edgar Rice Burroughs. São eles: Diana Leto, Pablo Marcos, Lowell Isaac, Will Meugniot, Nik Poliwko, Steven E. Gordon, Jamie Chase, Terry Beatty, Mark Wheatley, Tomás M. Aranda, Carlos Arguello e o brasileiro Sérgio Cariello.

Tarzan – Contos da Selva tem 152 páginas, capa dura, formato 17 x 26 cm e preço de R$ 34,90.

Lançado originalmente como uma série de 18 contos escrita pelo polonês Andrzej Sapkowski, The Witcher fez sucesso no mundo todo e em diferentes mídias: cinema, TV, jogos de tabuleiro e eletrônicos, e quadrinhos. É esta última, publicada nos Estados Unidos pela Dark Horse, que a Pixel traz para o Brasil.

Com roteiro de Paul Tobin e arte de Joe Querio, a edição brasileira de Witcher – A Casa de Vidro reúne as cinco primeiras edições originais e introduzem o leitor no universo de Geralt de Rívia, que viaja pela Floresta Negra e encontra um labirinto mal assombrado. As histórias são repletas de cenas de lutas, com intrigas políticas envolvendo diversas raças e espécies de animais.

The Witcher – A Casa de Vidro tem 144 páginas, capa dura, formato 17 x 26 cm e preço de R$ 34,90.

Após a Bienal do Livro, ambos os lançamentos poderão ser encontrados em bancas e livrarias.

Jambô lança álbum argentino na Bienal do Livro

HQ-Ich - Capa.indd

Com pequeno intervalo em relação ao lançamento no país de origem (15 de agosto), a Jambô traz para o Brasil Ich, dos consagrados Luciano Saracino e Ariel Olivetti.

A trama se passa no século XVI, quando os conquistadores espanhóis são atacados por criaturas poderosas e assustadoras nas florestas do Novo Mundo. Para garantir os interesses da Coroa, é chamado um temido inquisidor, conhecido pela crueldade. O que os conquistadores não sabem é que o responsável pelos ataques trava uma batalha particular contra o destino de seu povo.

O álbum será lançado oficialmente na Bienal Internacional do Livro , que acontece no Rio de Janeiro de 3 a 13 de setembro. A Argentina é o país homenageado desta edição.

Ich tem formato brochura 17 x 24 cm, capa cartão colorida e miolo colorido, 96 páginas e preço de R$ 35.

O Boxeador: Relato emocionante de um sobrevivente

boxeador capa frente real

Reinhard Kleist fez seu nome ao produzir uma série de biografias em quadrinhos (veja abaixo agenda do autor no Brasil). Depois de Elvis Presley, Johnny Cash e Fidel Castro, chega agora ao Brasil, novamente pela editora gaúcha 8Inverso, a história de vida de um personagem bem menos famoso.

O Boxeador relata o drama de Hertzko Haft, judeu polonês enviado aos campos de concentração nazistas quando ainda era adolescente.

Ajudou muito o fato de Haft ser um cara durão. Ele se destacou nas lutas de boxe improvisadas pelos militares alemães e ganhou a simpatia de um oficial. Se isso não lhe trouxe privilégios, pelo menos adiou a viagem sem volta para as câmaras de gás.

Com o final da guerra, Haft mudou-se para os Estados Unidos e deu início à carreira de pugilista profissional. Seu maior feito foi ter enfrentado um dos grandes nomes daquele esporte à época, Rocky Marciano.

Tudo isso é contado em primeira pessoa por Haft, num relato que fez perto do final da vida ao seu filho Alan – e que rendeu a biografia Um dia, eu contarei tudo, na qual se baseia a graphic novel de Kleist.

O pano de fundo do relato comovente de um sobrevivente de Auschwitz, entre outros campos por que passou, é o horror que o nazismo representou na história da Humanidade.

Quando esse panorama político é trazido para a vida cotidiana das pessoas é que se percebe com mais clareza a crueldade da política de Hitler. Foi o caso de Haft, arrancado de sua amada Leah às vésperas do casamento. Em grande parte, a esperança de reencontrá-la foi o que o manteve vivo.

O final, que não será revelado neste texto para não estragar a surpresa, traz o leitor de volta à primeira página e provoca aquele nó na garganta.

A grande ironia da história de Hertzko Haft é que se por um lado a guerra destroçou seu sonho, por outro trouxe a ele a fama que jamais poderia almejar se tivesse tocado sua vida como filho de um mercador numa cidade industrial do interior da Polônia.

Kleist tem traço preciso e narrativa fluida. Capricha nos enquadramentos e ousa na diagramação. Isso tudo aliado a uma história sensível faz de O Boxeador uma leitura para lá de agradável. O livro traz, como extras, esboços do autor, fotos de Haft e um posfácio sobre o esporte nos campos de concentração.

A 8Inverso mais uma vez fez um ótimo trabalho editorial. O único reparo é quanto ao tipo e tamanho do letreiramento que, especialmente no papel pólen, dificultam a leitura em alguns momentos.

O Boxeador tem 200 páginas, capa colorida, miolo em preto e branco, e preço de R$ 51.

Kleist no Brasil

Para divulgar o lançamento de O Boxeador, a 8Inverso está trazendo o autor Reihard Kleist para uma maratona de atividades na Bienal do Livro do Rio de Janeiro:

30 de agosto

14h30: Oficina de quadrinhos aberta ao público, com Reinhard Kleist.

31 de agosto

15h30: Oficina de quadrinhos com dez jovens da Rocinha, com Reinhard Kleist e mediação do editor Cássio Pantaleoni.

17h: Palestra “Um panorama da produção de quadrinhos na Alemanha”, com Reinhard Kleist e o tradutor Augusto Paim.

1º de setembro

12h: Reinhard Kleist no Café Literário discute “O traço e a escrita na produção do narrar”, com Daniel Pelizzari e Rodrigo Rosa; mediação de Bruno Dorigatti.

13h: Lançamento da obra O Boxeador e sessão de autógrafos com Reinhard Kleist. Mediação de Augusto Paim e Cássio Pantaleoni.

15h: Palestra “Castro, Cuba – como é a criação de uma novela gráfica?”, com Reinhard Kleist e Augusto Paim.

HQs na Bienal: lançamento da Gal Editora

A mais recente publicação da jovem editora, Combate Inglório, estará à venda no estande da Comix na Bienal Internacional do Livro por R$ 42.

Trata-se de uma obra antológica e antiguerra publicada em plena guerra do Vietnã e que reúne consagrados artistas, como Alex Toth, Gene Colan, Wally Wood, Russ Heath, John Severin e Al Williamson.

A série sofreu censura e boicote à época de seu lançamento até ser cancelada, e chega pela primeira vez ao Brasil reunida em edição única e extras como entrevistas com os criadores e galeria de capas originais desenhadas por Frank Frazetta.

HQs na Bienal: Lançamentos da Panini

Além dos já citados lançamentos do estúdio de Mauricio de Sousa, três outros merecem destaque.

O primeiro é Daytripper, dos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Ba, lançada nos Estados Unidos pelo selo Vertigo (da DC Comics) e premiada com o Eisner Awards como a melhor minissérie de2010. APanini lança por aqui em versão única encadernada, com capa dura e 256 páginas (R$ 62,00).

No sábado (3), os autores estarão no estande da editora na Bienal do Livro do Rio de Janeiro para uma sessão de autógrafos a partir das 15h.

O outro é Batman: Ano Um, aclamada HQ de Frank Miller e David Mazzucchelli publicada originalmente no final dos anos 1980 e que reconta a origem do Homem-Morcego na fase pós-Crise nas Infinitas Terras.

O encadernado de luxo traz introdução escrita por Miller, pósfacio ilustrado de Mazzucchelli e mais de 40 páginas de extras (do total de 148) com estudos dos personagens, roteiro e esboços (R$ 37,00).

Por fim, a editora conclui a saga da aclamada série Preacher, de Garth Ennis e Steve Dillon, com o lançamento do nono volume, Alamo. O encadernado tem capa dura, 236 páginas e preço de R$ 60,00.

HQs na Bienal: lançamentos de Mauricio de Sousa

Como não poderia deixar de ser, o quadrinhista brasileiro reservou várias novidades para o evento literário que começa amanhã (1) no Rio de Janeiro. Ao todo, são mais de 20 lançamentos.

Não à toa, Mauricio de Sousa tem mais da metade de votos numa enquete que o site da Veja Rio está fazendo sobre qual o escritor brasileiro mais aguardado para o evento.

Entre os muitos lançamentos, destaque para um da Melhoramentos, que marca o encontro de dois dos maiores autores de quadrinhos do País: O Maior Anão do Mundo, com textos de Ziraldo e arte de Mauricio de Sousa. A editora anuncia para breve outra obra conjunta, Os Anões do Castelo Perdido, em que os dois autores vão inverter os papéis.

Pela Panini, serão lançados os aguardados MSP Novos 50 e os bonecos colecionáveis Gogo’s da Turma da Mônica. A editora vai apresentar também mais um volume, o sétimo, com as tiras clássicas dos personagens e as novas revistas da Monica Teen e Monica Joven, as versões em inglês e espanhol da Turma da Mônica Jovem.

Para dar conta de todo o catálogo de Mauricio de Sousa (são 12 editoras que publicam seu material em diferentes segmentos), esta edição da Bienal do Livro terá um espaço totalmente dedicado às suas produções.

A Livraria da Turma da Mônica terá todos lançamentos e demais títulos dos personagens e também DVDs com desenhos animados – Cinegibis, A Ilha Misteriosa, A Fonte da Juventude e outros.

Aos lançamentos, segue-se uma longa agenda de compromissos com os fãs em estandes de várias editoras: dia 3 na Versus, Globo e Girassol; dia 4, Ave Maria, Panini e Melhoramentos; dia 10, Girassol, Melhoramentos e Panini; e dia 11, Ave Maria, Globo e Verus.

HQs na Bienal: Lançamentos da Zarabatana Books

Entre os muitos títulos da editora, dois lançamentos chamam a atenção. O primeiro é Saino a Percurá – Ôtra Vez, do ilustrador e cartunista mineiro Marcelo Lelis.

O relançamento amplia a primeira edição, de 2001, com a adição de 10 novas histórias às três publicadas anteriormente – algumas inéditas e outras vistas em coletâneas independentes.  O livro tem 96 páginas e vai custar R$ 56.

Outro destaque da Zarabatana é o livro teórico Faces do Humor, do premiado jornalista Paulo Ramos (veja mais detalhes e entrevista com o autor aqui). Faces do Humor tem 224 páginas e preço de R$ 39.

Durante a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, os dois títulos estarão à venda no estande da Comix Book Shop.

HQs na Bienal: lançamentos da Barba Negra e Leya Brasil

A editora destaca duas novidades para o evento literário: Koko be Good, da coreana Jen Wang, e a HQ francesa Pequeno Pirata.

Nesta última, o autor David B. adapta a fábula infantil do início do século 20, Le Loi Rose, de Pierre Mac Orlan. A trama fala da sombria tripulação pirata da embarcação Holandês Voador em busca do perdão pelos seus crimes e que, subitamente, encontra um bebê.

Pequeno Pirata foi indicada este ano ao Eisner Awards na categoria Melhor Edição Americana de Livro Estrangeiro.

O que significa “ser bom”? É esta questão que a quadinhista coreana Jen Wang, conhecida por suas webcomics, levanta na fábula moderna Koko be Good sobre o jovem Jon, que tem seus planos interrompidos pela chegada da excêntrica, encrenqueira e imprevisível Koko em sua vida.

Pequeno Pirata tem 48 páginas e Koko be Good, 304. Ambas vão custar R$ 29,90.

A editora ainda preparou alguns eventos para a Bienal do Livro do RJ: no dia 4, Arnaldo Brando, de Mundinho Animal, e Daniel Lafayete, de Ultralafa, autografam nos estandes da Saraiva e do Submarino a partir das 14h30; no dia 11, no espaço Café Literário, o quadrinhista André Dahmer, editor da Barba Negra, fala sobre “HQ – Cruzamento e Linguagem”.

Página 0 de 2

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017