Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Categoria: Cinema

“Mundo dos Super-Heróis” explica fracasso de “Quarteto Fantástico” no cinema

Mundo dos Super-Heróis 70

Do Press-Release

Quarteto Fantástico, a terceira incursão no cinema da equipe de super-heróis dos quadrinhos, vem amargando nas bilheterias. No fim de semana de estreia nos Estados Unidos, faturou US$ 26 milhões, muito abaixo da expectativa dos executivos da 20th Century Fox e menos da metade arrecadada pelas produções anteriores, em 2005 e 2007.

A revista Mundo dos Super-Heróis 70 (agosto 2015) publica reportagem de capa que tenta explicar o fracasso do filme por motivos de vão muito além da falta de fidelidade aos quadrinhos que serviram de matéria-prima. A equipe da publicação assistiu ao filme antes da estreia e faz uma crítica em que aponta os piores momentos e aqueles (poucos) que se salvam.

A matéria traz ainda informações de bastidores que já davam indícios de que o resultado viria a ser frustrante tanto para o público como também para o estúdio. Como complemento para os fãs que não estão habituados à leitura dos quadrinhos de super-heróis, a revista explora alguns dos elementos de ficção científica presentes nas tramas do Quarteto Fantástico e um pôster central destacável de página dupla, ilustrado pelo brasileiro Joe Bennett, com arte final de Nelson Pereira e cores de Ellis Carlos.

O verso do pôster oferece uma “linha do tempo” com os principais fatos que marcaram o Quarteto Fantástico nos quadrinhos, TV e cinema desde sua criação em 1961 pelos lendários Stan Lee (roteiro) e Jack Kirby (arte), até a estreia do filme neste ano.

Outras matérias

O desenhista Jae Lee deu uma entrevista exclusiva para a Mundo dos Super-Heróis em que fala da carreira e limitações artísticas. Conhecido por seu estilo realista, Lee vem ao Brasil em dezembro para participar como convidado especial da Comic Con Experience, evento de cultura pop que acontece de 3 a 6 de dezembro, em São Paulo.

Para os colecionadores e fãs do Batman, a seção Action Figures faz um passeio pelas figuras de ação, estátuas e miniaturas baseadas na série do Homem-Morcego exibida na TV nos anos 1960. Apesar da enorme legião de fãs, produtos relacionados ao programa foram impedidos de chegar ao mercado por conta de um enrosco contratual entre a Fox e a Warner. Alguns desses bonecos receberam tratamento de luxo e custam mais de R$ 1.000,00.

Completam esta edição: Peneira Pop, com a cobertura da Fest Comix, notícias e curiosidades sobre os super-heróis; quiz para testar os conhecimentos dos leitores; o renascimento dos X-Men nos quadrinhos na década de 1970; linha do tempo do herói Luke Cage, que chega numa série exclusiva da Netflix no ano que vem; a trajetória da First Comics, editora independente que encarou as gigantes Marvel e DC nos anos 1980; análise da série O Longo Dia das Bruxas, uma das mais icônicas do Batman nos quadrinhos; resenhas, dicas de leitura e cartas dos leitores.

Sobre a revista

A Mundo dos Super-Heróis é a única revista brasileira especializada no universo dos super-heróis nas mais diferentes mídias: quadrinhos, livros, séries de TV, desenhos animados, internet e cinema. É também a mais duradoura publicação sobre o gênero, distribuída em bancas desde 2006 e com 70 edições lançadas.

SERVIÇO:

Mundo dos Super-Heróis 70

68 páginas / Formato 20,5 x 27,5 cm / Preço: R$ 12,50.

À venda em bancas de jornal, livrarias e lojas especializadas de todo o país. Assinaturas e compra de números atrasados podem ser feitas pelos telefones (11) 3038-5050 e 0800-888508 ou pelo site www.europanet.com.br/superheroi. Disponível também em versão digital na Apple Store (assinantes da revista impressa têm acesso gratuito ao conteúdo digital). Conheça também a revista nas redes sociais: facebook.com/revistaMSH e Twitter @superherois.

“Quarteto Fantástico” fracassa na estreia americana

THE FANTASTIC FOUR

É triste, mas previsível. Um diretor inexperiente, mudanças desnecessárias na mitologia dos quadrinhos, um reiterado desdém com os fãs. Isso tudo e mais alguns ingredientes acenderam a luz amarela quanto ao sucesso de Quarteto Fantástico nos cinemas.

A resposta veio rápida e implacável: no fim de semana de estreia nos Estados Unidos, a produção dirigida por Josh Trank (Poder sem Limites) faturou apenas US$ 26,2 milhões nas bilheterias.

É pouco, muito pouco para uma produção milionária que se propunha a devolver a dignidade à superequipe dos quadrinhos depois de duas tentativas relativamente frustradas, em 2005 e 2007.

Para se ter uma ideia, a abertura de Quarteto Fantástico ocupa a 32ª segunda posição numa lista de 40 filmes estrelados por personagens da Marvel – isso em valores nominais, sem correção pela inflação.

Os filmes anteriores – Quarteto Fantástico e Quarteto Fantástico e O Surfista Prateado – faturaram, no primeiro final de semana, US$ 56 milhões e US$ 58 milhões, respectivamente. No site agregador de resenhas Rotten Tomatoes, o filme detém a incrível marca de 8% de críticas positivas, contra 27% e 37% de seus antecessores.

Nesta semana, à medida que as críticas negativas viralizavam na internet, Josh Trank publicou no seu Twitter (e depois apagou) que sua versão do filme seria muito melhor do que a que foi parar nas telas.

Boatos dão conta de que houve, sim, interferência de executivos da Fox, mas só porque o diretor parecia perdido, sem saber o que fazer com o filme e que mal se comunicava com elenco e equipe.

É previsível, mas ainda assim triste. A Fox perde dinheiro e os fãs perdem a oportunidade de assistir a um bom filme de uma das equipes de super-heróis mais bacanas dos quadrinhos.

O melhor que o estúdio tem a fazer é assumir sua incompetência, seguir os passos da Sony e chegar a um acordo para devolver os personagens à Marvel Studios. Quem sabe, assim, todos voltam a ganhar.

Assista ao trailer de Quarteto Fantástico:

Pixels e a Turma da Mônica

E já que o tema do mês é a Turma da Mônica, dá para entender porque seus personagens são um case de sucesso, sempre se renovando e estabelecendo conexões com produtos divertidos.

A Mauricio de Sousa Produções está lançando uma parceria inédita com a Sony Pictures Entertainment para promover o lançamento do filme PIXELS, nova comédia de Adam Sandler (que esse editor ADORA – me julguem!).

A sinopse de Pixels é hilária: seres intergalácticos interpretam um arquivo em vídeo com imagens de jogos de arcade clássicos como uma declaração de guerra. A Terra é atacada usando esses jogos como modelos para suas várias ofensivas.

O presidente Will Cooper (Kevin James) busca ajuda de seu melhor amigo de infância Sam Brenner (Adam Sandler), um campeão de competições de vídeo-games nos anos 1980 – e agora um instalador de home theater – para liderar uma equipe de jogadores veteranos (Peter Dinklage e Josh Gad), derrotar os alienígenas e salvar o planeta. Eles ainda vão contar com a ajuda da tenente-coronel Violet Van Patten (Michelle Monaghan), uma especialista em tecnologia que irá fornecer aos arcaders as armas exclusivas para lutar contra os aliens.

Pixels, é uma produção da Sony que evoca a memória afetiva de toda uma geração que aprendeu a gostar de games nos primeiros consoles “pré-históricos” dos anos 1980.

pixel

O site dessa parceria é o http://turmadamonica.uol.com.br/monicapixel/ com informações do filme e com o imperdível “Limoeiro Invaders”, jogável aqui.  O novo longa de Adam Sandler estreia no dia 23 de julho, um dia antes da estreia nos Estados Unidos, com cópias dubladas e legendadas em 2D e 3D.

“Vingadores – Era de Ultron” já é o terceiro filme mais assistido da Marvel Studios

M

O mais recente filme da principal equipe de super-heróis da editora faturou US$ 77,2 milhões entre os dias 8 e 10 de maio, de acordo com estimativa do site Box Office Mojo. O valor representa queda de 59% em relação ao fim de semana de estreia, entre os dias 1 e 3.

O resultado invejável continua abaixo do primeiro Os Vingadores. O longa de 2012 registrou queda menor, de 50%, entre os dois primeiros finais de semana, e acumulou US$ 373 milhões nos 10 primeiros dias de exibição – contra US$ 312,5 de Vingadores – Era de Ultron.

Na bilheteria mundial, Era de Ultron acumula US$ 876 milhões. Com isso, em apenas 10 dias superou as várias semanas de exibição dos ótimos Capitão América 2 – O Soldado Invernal (US$ 714,8 milhões) e Guardiões da Galáxia (US$ 774,2 milhões), e já se posiciona como o terceiro filme mais rentável da Marvel Studios, atrás apenas de Homem de Ferro 3 (US$ 1,21 bilhão) e Os Vingadores (US$ 1,5 bilhão).

Leia nossa crítica do filme aqui.

“Capitão América 3” vai juntar (quase) todos os heróis do cinema da Marvel

captain-america-3-art

Para em seguida separá-los…

Com o fim da expectativa pela estreia de Vingadores – Era de Ultron, os olhos dos fãs do universo cinematográfico da Marvel estão voltados para a produção seguinte, Homem-Formiga, que estreia no dia 16 de julho no Brasil.

“Estavam voltados”, seria mais correto dizer. O estúdio aproveitou o início das filmagens de Capitão América 3 – A Guerra Civil, que só chega aos cinemas em maio do ano que vem (28 de abril, no Brasil), para soltar novas informações e continuar dominando o noticiário nerd.

O que mais chama atenção é o extenso elenco de super-heróis, o que já rendeu ao longa o apelido de Vingadores 2.5: Capitão América (Chris Evans), Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Viúva Negra (Scarlett Johansson), Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Visão (Paul Bethany), Máquina de Combate (Dan Cheadle), Falcão (Anthony Mackie), Soldado Invernal (Sebastian Stan) e Agente 13 (Emily VanCamp).

Como se já não fosse o bastante para arrancar lágrimas de qualquer fã, a Marvel confirmou hoje (7) que o Homem-Formiga (Paul Rudd) participa da produção, assim como o general Thaddeus “Thunderbolt” Ross (William Hurt), que não era visto desde O Incrível Hulk, de 2008.

Ainda não está bom? Então vamos lá: outras aparições previstas são do Pantera Negra (Chadwick Boseman), antes de estrelar seu próprio filme em 2018, e do Homem-Aranha, em sua mais que aguardada estreia no universo cinematográfico da Marvel depois do acordo com a Sony. É certo que Martin Freeman, da série de TV Sherlock e da trilogia O Hobbit, também estará no filme, mas ainda não se sabe em qual papel.

Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Nick Fury (Samuel L. Jackson) e Maria Hill (Cobie Smulders) ainda não foram mencionados (ênfase no “ainda”). No time dos vilões estão Ossos Cruzados (Frank Grillo, visto em Capitão América 2) e Barão Zemo (Daniel Brühl).

De que lado você está?

Para quem leu a série em quadrinhos que deu origem ao título do novo filme do Capitão América – Guerra Civil, de Mark Millar e Steve McNiven, 2006 –, essa proliferação de heróis não assusta. Afinal, para ocorrer uma cisão na comunidade super-heroica antes é preciso que haja uma comunidade super-heroica!

E isso a Marvel conseguiu. Em sete anos – desde o primeiro Homem de Ferro, em 2008 – o estúdio construiu um universo cinematográfico integrado e com heróis suficientes para promover sua Guerra Civil.

Pela sinopse do filme, também divulgada hoje, a trama deve acompanhar de perto os quadrinhos:

Capitão América 3 – A Guerra Civil retoma onde Vingadores – Era de Ultron parou, com Steve Rogers liderando o novo time de Vingadores em seu contínuo esforço para proteger a humanidade. Após outro incidente internacional envolvendo os Vingadores resultar em danos colaterais, políticos pressionam para implantar um sistema de prestação de contas e um órgão governamental para determinar quando os serviços da equipe são necessários. A nova situação divide os Vingadores enquanto eles tentam proteger o mundo de um novo e nefasto vilão”. Uau!

A direção de Capitão América 3 – A Guerra Civil é dos irmãos Joe e Anthony Russo, os mesmos do ótimo Capitão América 2  – O Soldado Invernal. A dupla já foi anunciada para substituir Joss Whedon nos próximos dois filmes dos Vingadores, Guerra Infinita – Partes 1 e 2.

“Vingadores – Era de Ultron” fatura US$ 187 milhões na estreia americana

vingadores_eradeultron

Depois de estrear com ótimo resultado em mais de 40 mercados, Vingadores – Era de Ultron desembarcou nos Estados Unidos na última sexta-feira (1). A bilheteria ficou quase 10% menor que a do primeiro Os Vingadores (US$ 207 milhões), em 2012.

Leia nossa crítica do filme aqui.

Mesmo assim, a Marvel não tem do que reclamar, pois detém os três maiores faturamentos em fins de semana de estreia todos os tempos nos Estados Unidos – os dois Vingadores e Homem de Ferro 3 (2013), este último com US$ 174 milhões.

No total, o segundo longa-metragem da superequipe acumula US$ 626 milhões nos 10 dias da estreia mundial. Com isso, o universo cinematográfico da Marvel já conquistou o posto de franquia mais rentável ao superar Harry Potter: US$ 7,78 bilhões contra US$ 7,27 bilhões.

Vingadores – Era de Ultron ainda não estreou em dois importantes mercados: China (dia 12) e Japão (só dia 4 de julho). É quase certo que a sequência empate ou até supere os US$ 1,5 bilhão faturados pelo primeiro filme.

Star Wars em dose dupla em São Paulo

Todos os fãs se agitaram com os recentes trailers divulgados do novo filme da franquia mais famosa do cinema: Star Wars.

Se você ainda não conferiu o novo trailer, o que é muito improvável… bom, dê uma olhada agora e se emocione com uma nova história que deve honrar a saga e conta com o retorno dos personagens clássicos.

Um bate papo e uma exposição abrem a temporada de divulgação do filme no Brasil.

Exposição (02 a 10 de maio)

trooper2015O Shopping VillaLobos recebe entre 2 e 10 de maio, uma exposição que promete encantar nerds de todas as idades.

O público poderá ver de perto o novo capacete dos Stormtroopers que despertou a curiosidade de milhões de fãs da franquia e cujo design é reconhecido no mundo todo e se tornou um dos símbolos mais icônicos da Cultura Pop. O capacete ficará exposto no segundo piso do Shopping Villa Lobos com outros 25 capacetes customizados por artistas brasileiros. A entrada é franca.

O Shopping VillaLobos fica na Avenida das Nações Unidas, 4.777 – São Paulo

Bate-Papo no Dia de Star Wars (4 de maio)

may_4th_teaser

Dia 4 de maio é o dia de celebrar o sucesso da franquia mais amada dos cinemas e prestar homenagens aos seus amados personagens. A data é conhecida como Dia de Star Wars, por causa da popularidade de um trocadilho com as palavras “4 de maio” em inglês (“May the Fourth”, que soa como “May the Force”). 

A Aleph, editora que publica os livros de STAR WARS no Brasil, convida seus leitores para um bate-papo sobre o tema “Um novo despertar para STAR WARS – a história, os livros e a expectativa para o futuro da saga”.

O evento acontece na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, no dia 4 de maio, às 19h30 e contará com o vendedor Fernando Quinteiro, a jornalista Flávia Gasi e o autor e tradutor, Fábio Fernandes. Além do papo, o evento terá a presença do Conselho Jedi de São Paulo, que levará cavaleiros Jedi, Stormtroppers e outros personagem da franquia para a comemoração.

Álbum de figurinhas de “Vingadores – Era de Ultron” já está nas bancas

Vingadores-Ultron-álbum

Boa notícia para quem gosta de colecionar. A Panini lançou neste mês o álbum de figurinhas do blockbuster Vingadores – Era de Ultron, que estreou no Brasil no último dia 23 (leia nossa crítica do filme aqui).

Atenção: não confundir com outro álbum lançado pela Ed. Abril, também nas bancas, baseado no desenho animado Vingadores Unidos.

São mais de 190 cromos, sendo 24 metalizados e 24 com moldura em impressão diferenciada.

Diferentemente do álbum de Guardiões da Galáxia, que só trouxe artes conceituais, este apresenta cenas retiradas do filme, além de informações complementares e um pôster com oito páginas duplas retratando os heróis principais da equipe.

O álbum custa R$ 5,90 e os cromos, R$ 1,00 o pacote com quatro unidades.

Adaptação de “Death Note” tem novo diretor

deathnote

Adam Wingard foi confirmado pela Warner para dirigir a adaptação do cultuado mangá Death Note, de Tsugumi Ohba e Takeshi Obata.

Wingard tem em seu currículo produções menores de terror, como The Guest, Você é o Próximo e um segmento de VHS. Recentemente, ele foi anunciado pelo Cinemax como diretor da série de TV Outcast, adaptada dos quadrinhos de Robert Kirkman (The Walking Dead).

A Warner vem falando da produção de Death Note, baseada nos três primeiros volumes do mangá, desde que adquiriu seus direitos em 2009. Shane Black (diretor de Homem de Ferro 3) chegou a se envolver com o projeto, mas não foi adiante. Jeremy Slater, um dos roteiristas do reboot do Quarteto Fantástico, que chega aos cinemas em agosto, assina a versão final do roteiro.

Death Note já teve três longas-metragens produzidos no Japão: dois em 2006, com a trama principal, e o spin-off L: Change the World, em 2008.

Na trama, o jovem Light Yagami encontra um caderno cujo poder é matar as pessoas que têm o nome escrito em suas páginas. Com isso, ele decide criar um mundo melhor, livre de malfeitores. A polícia começa a investigar a onda de mortes misteriosas e recebe a ajuda do detetive independente L, que trava um embate intelectual com Light na busca de provar sua identidade como o assassino Kira.

“Vingadores – Era de Ultron” fatura mais de US$ 200 milhões na estreia mundial

av291

O filme chegou a 44 países uma semana antes dos Estados Unidos, na próxima sexta-feira (1). Os dados ainda são preliminares: segundo a Disney, os US$ 201,2 milhões de bilheteria de Vingadores – Era de Ultron superam em 44% o primeiro fim de semana mundial do primeiro Os Vingadores e em 24% o de Homem de Ferro 3.

Ainda de acordo com o estúdio, os países em que o filme teve melhor desempenho até o momento foram Coreia do Sul (US$ 28,2 milhões), Reino Unido (US$ 27,3 milhões) e Rússia (US$ 16,2 milhões), seguidos de Brasil e Austrália (US$ 13,1 milhões), França (US$ 12,4 milhões) e Alemanha (US$ 9,3 milhões).

Pelo levantamento, Vingadores – Era de Ultron é a segunda maior bilheteria num fim de semana de estreia de todos os tempos no Brasil, em moeda local.

Leia nossa crítica aqui.

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017