Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Autor: Tarsis Salvatore

O filme de Tintin tem data para estrear

“O Segredo do Licorne”, primeiro filme do herói Tintin, faz parte de uma trilogia pensada por Steven Spielberg e Peter Jackson e estreará mundialmente em 26 de outubro.

Pouca coisa tem surgido na mídia sobre o projeto, mas a dupla de cineastas fãs do personagem já trabalha discretamente desde 2005.

Tintin é o clássico personagem das HQs criado por por Hergé (Georges Remi) em 1929.
O ator Jamie Bell viverá Tintin e Andy Serkis será o Capitão Archibald Haddock.

A espectativa é grande por parte dos fãs, embora muitos torçam o nariz por conta do projeto ser realizado em computação gráfica e não como filme live action.

Para quem não sabia, Tintin já teve dois filmes rodados na década de 1960: Tintin et les oranges bleues (Tintin e as Laranjas Azuis) e Tintin et le mystère de la Toison d’Or (Tintin e o Mistério do Tosão de Ouro).
O resultado ficou interessante, pelo menos na caracterização, como vemos no caso do ator Jean-Pierre Talbot. Vale para matar a curiosidade:

Particularmente este editor, como grande fã do personagem, está ansioso para ver o trabalho final e aposta que o trabalho da Spielberg e Jackson tenha êxito

O belo site oficial do personagem com todas as informações sobre o herói merece uma visita: http://www.tintin.com/

Mais um trailer do desenho do Thor

A animação “Thor & Loki: Blood Brothers” ganhou um segundo trailer. Confira abaixo!
http://c.brightcove.com/services/viewer/federated_f9?isVid=1

O Oscar das HQs já tem seus indicados

O prêmio Eisner conhecido como o “Oscar das HQs”, já tem seus indicados para 2011.

Entre eles, estão os brasucas Rafael Albuquerque (ilustrador de “American Vampire” – Vertigo/DC), que concorre na categoria “Best New Series” e a prestigiada dupla Fábio Moon e Gabriel Bá (com a série Daytripper – Vertigo/DC), que concorre na categoria “Best Limited Series”.

Confira abaixo todos os indicados:

Will Eisner Comic Industry Awards Nominees, 2011

Best Short Story

“Bart on the Fourth of July,” by Peter Kuper, in Bart Simpson #54 (Bongo)
“Batman, in Trick for the Scarecrow,” by Billy Tucci, in DCU Halloween Special 2010 (DC)
“Cinderella,” by Nick Spencer and Rodin Esquejo, in Fractured Fables (Silverline Books/Image)
“Hamburgers for One,” by Frank Stockton, in Popgun vol. 4 (Image)
“Little Red Riding Hood,” by Bryan Talbot and Camilla d’Errico, in Fractured Fables (Silverline Books/Image)
“Post Mortem,” by Greg Rucka and Michael Lark, in I Am an Avenger #2 (Marvel)

Best Single Issue (or One-Shot)
The Cape, by Joe Hill, Jason Ciaramella, and Zack Howard (IDW)
Fables #100, by Bill Willingham, Mark Buckingham, and others (Vertigo/DC)
Hellboy: Double Feature of Evil, by Mike Mignola and Richard Corben (Dark Horse)
Locke & Key: Keys to the Kingdom #1: “Sparrow,” by Joe Hill and Gabriel Rodriguez (IDW)
Unknown Soldier #21: “A Gun in Africa,” by Joshua Dysart and Rick Veitch (Vertigo/DC)

Best Continuing Series
Chew, by John Layman and Rob Guillory (Image)
Echo, by Terry Moore (Abstract Studio)
Locke & Key, by Joe Hill and Gabriel Rodriguez (IDW)
Morning Glories, by Nick Spencer and Joe Eisma (Shadowline/Image)
Naoki Urasawa’s 20th Century Boys, by Naoki Urasawa (VIZ Media)
Scalped, by Jason Aaron and R. M. Guéra (Vertigo/DC)

Best Limited Series
Baltimore: The Plague Ships, by Mike Mignola, Christopher Golden, and Ben Stenbeck (Dark Horse)
Cinderella: From Fabletown with Loveby Chris Roberson and Shawn McManus (Vertigo/DC)
Daytripper, by Fábio Moon and Gabriel Bá (Vertigo/DC)
Joe the Barbarianby Grant Morrison and Sean Murphy (Vertigo/DC)
Stumptown, by Greg Rucka and Matthew Southworth (Oni)

Best New Series
American Vampire, by Scott Snyder, Stephen King, and Rafael Albuquerque (Vertigo/DC)
iZombie, by Chris Roberson and Michael Allred (Vertigo/DC)
Marineman, by Ian Churchill (Image)
Morning Glories, by Nick Spencer and Joe Eisma (Shadowline/Image)
Superboy, by Jeff Lemire and Pier Gallo (DC)

Best Publication for Kids
Amelia Earhart: This Broad Ocean, by Sara Stewart Taylor and Ben Towle (Center for Cartoon Studies/Disney/Hyperion)
Amelia Rules!: True Things (Adults Don’t Want Kids to Know), by Jimmy Gownley (Atheneum/Simon & Schuster)
Binky to the Rescue, by Ashley Spires (Kids Can Press)
Scratch9, by Rob M. Worley and Jason T. Kruse (Ape Entertainment)
Tiny Titans, by Art Baltazar and Franco (DC)
The Unsinkable Walker Bean, by Aaron Renier (First Second)

Best Publication for Teens
Ghostopolis, by Doug TenNapel (Scholastic Graphix)
Hereville: How Mirka Got Her Sword, by Barry Deutsch (Amulet Books)
Return of the Dapper Men, by Jim McCann and Janet Lee (Archaia)
Smile, by Raina Telgemeier (Scholastic Graphix)
Yummy: The Last Days of a Southside Shorty, by G. Neri and Randy DuBurke (Lee & Low)

Best Humor Publication
Afrodisiac, by Jim Rugg and Brian Maruca (Adhouse)
Comic Book Guy: The Comic Book, by Ian Boothby, John Delaney, and Dan Davis (Bongo)
Drinking at the Movies, by Julia Wertz (Three Rivers Press/Crown)
I Thought You Would Be Funnier, by Shannon Wheeler (BOOM!)
Literature: Unsuccessfully Competing Against TV Since 1953, by Dave Kellett (Small Fish Studios)
Prime Baby, by Gene Luen Yang (First Second)

Best Anthology
The Anthology Project, edited by Joy Ang and Nick Thornborrow (Lucidity Press)
Korea as Viewed by 12 Creators, edited by Nicolas Finet (Fanfare-Ponent Mon)
Liquid City, vol. 2, edited by Sonny Liew and Lim Cheng Tju (Image)
Mouse Guard: Legends of the Guard, edited by Paul Morrissey and David Petersen (Archaia)
Trickster: Native American Tales, edited by Matt Dembicki (Fulcrum Books)

Best Digital Comic
Abominable Charles Christopher, by Karl Kerschl, www.abominable.cc
The Bean, by Travis Hanson, www.beanleafpress.com
Lackadaisy, by Tracy Butler, www.lackadaisycats.com
Max Overacts, by Caanan Grall, http://occasionalcomics.com
Zahra’s Paradise, by Amir and Khalil, www.zahrasparadise.com

Best Reality-Based Work
It Was the War of the Trenches, by Jacques Tardi (Fantagraphics)
Picture This: The Nearsighted Monkey Book, by Lynda Barry (Drawn & Quarterly)
Special Exits: A Graphic Memoir, by Joyce Farmer (Fantagraphics)
Treasury of XXth Century Murder: The Terrible Axe Man of New Orleans, by Rick Geary (NBM)
Two Generals, by Scott Chantler (McClelland & Stewart)
You’ll Never Know Book 2: Collateral Damage, by Carol Tyler (Fantagraphics)

Best Graphic Album—New
Elmer, by Gerry Alanguilan (SLG)
Finding Frank and His Friend: Previously Unpublished Work by Clarence ‘Otis’ Dooley, by Melvin Goodge (Curio & Co.)
Market Day, by James Sturm (Drawn & Quarterly)
Return of the Dapper Men, by Jim McCann and Janet Lee (Archaia)
Wilson, by Daniel Clowes (Drawn & Quarterly)

Best Graphic Album—Reprint
The Amazing Screw-on Head and Other Curious Objects, by Mike Mignola (Dark Horse)
Beasts of Burden: Animal Rites, by Evan Dorkin and Jill Thompson (Dark Horse)
Motel Art Improvement Service, by Jason Little (Dark Horse)
The Simpsons/Futurama Crossover Crisis, by Ian Boothby, James Lloyd, and Steve Steere Jr. (Abrams Comicarts)
Tumor, by Joshua Hale Fialkov and Noel Tuazon (Archaia)
Wednesday Comics, edited by Mark Chiarello (DC)

Best Adaptation from Another Work
Dante’s Divine Comedy, adapted by Seymour Chwast (Bloomsbury)
The Little Prince, by Antoine de Saint-Exupéry, adapted by Joann Sfar (Houghton Mifflin Harcourt)
The Marvelous Land of Oz, by L. Frank Baum, adapted by Eric Shanower and Skottie Young (Marvel)
7 Billion Needles, vols. 1 and 2, adapted from Hal Clement’s Needle by Nobuaki Tadano (Vertical)
Silverfin: A James Bond Adventure, adapted by Charlie Higson and Kev Walker (Disney/Hyperion Books)

Best Archival Collection/Project—Strips
Archie: The Complete Daily Newspaper Strips, 1946–1948, by Bob Montana, edited by Greg Goldstein (IDW)
40: A Doonesbury Retrospective, by G. B. Trudeau (Andrews McMeel)
George Heriman’s Krazy Kat: A Celebration of Sundays, edited by Patrick McDonnell and Peter Maresca (Sunday Press Books)
Polly and Her Pals Complete Sunday Comics, vol. 1, by Cliff Sterrett, edited by Dean Mullaney (IDW)
Roy Crane’s Captain Easy, vol. 1, edited by Rick Norwood (Fantagraphics)

Best Archival Collection/Project—Comic Books
Dave Stevens’ The Rocketeer Artist’s Edition, edited by Scott Dunbier (IDW)
The Horror! The Horror! Comic Books the Government Didn’t Want You to Read!, edited by Jim Trombetta (Abrams Comicart)
The Incal Classic Collection, by Alexandro Jodorowsky and Moebius (Humanoids)
Lynd Ward: Six Novels in Woodcuts, edited by Art Spiegelman (The Library of America)
Thirteen “Going on Eighteen,” by John Stanley (Drawn & Quarterly)

Best U.S. Edition of International Material
It Was the War of the Trenches, by Jacques Tardi (Fantagraphics)
The Killer: Modus Vivendi, by Matz and Luc Jacamon (Archaia)
King of the Flies, Book One: Hallorave, by Mezzo and Pirus (Fantagraphics)
The Littlest Pirate King, by David B. and Pierre Mac Orlan (Fantagraphics)
Salvatore, by Nicolas De Crécy (NBM)

Best U.S. Edition of International Material—Asia
Ayako, by Osamu Tezuka (Vertical)
Bunny Drop, by Yumi Unita (Yen Press)
A Drunken Dream and Other Stories, by Moto Hagio (Fantagraphics)
House of Five Leaves, by Natsume Ono (VIZ Media)
Naoki Urasawa’s 20th Century Boys, by Naoki Urasawa (VIZ Media)

Best Writer
Ian Boothby, Comic Book Guy: The Comic Book; Futurama Comics #47–50; Simpsons Comics #162, 168; Simpsons Super Spectacular #11–12 (Bongo)
Joe Hill, Lock & Key (IDW)
John Layman, Chew (Image)
Jim McCann, Return of the Dapper Men (Archaia)
Nick Spencer, Morning Glories, Shuddertown, Forgetless, Existence 3.0 (Image)

Best Writer/Artist
Dan Clowes, Wilson (Drawn & Quarterly)
Darwyn Cooke, Richard Stark’s Parker: The Outfit (IDW)
Joe Kubert, Dong Xoai, Vietnam 1965 (DC)
Terry Moore, Echo (Abstract Studio)
James Sturm, Market Day (Drawn & Quarterly)
Naoki Urasawa, Naoki Urasawa’s 20th Century Boys (VIZ Media)

Best Penciller/Inker or Penciller/Inker Team

Richard Corben, Hellboy (Dark Horse)
Stephen DeStefano, Lucky in Love Book One: A Poor Man’s Story (Fantagraphics)
Rob Guillory, Chew (Image)
Gabriel Rodriguez, Locke & Key (IDW)
Skottie Young, The Marvelous Land of Oz (Marvel)

Best Painter/Multimedia Artist (interior art)
Lynda Barry, Picture This: The Nearsighted Monkey Book (Drawn & Quarterly)
Brecht Evens, The Wrong Place (Drawn & Quarterly)
Juanjo Guarnido, Blacksad (Dark Horse)
Janet Lee, Return of the Dapper Men (Archaia)
Eric Liberge, On the Odd Hours (NBM)
Carol Tyler, You’ll Never Know Book 2: Collateral Damage (Fantagraphics)

Best Cover Artist
Rodin Esquejo, Morning Glories (Shadowline/Image)
Dave Johnson, Abe Sapien: The Abyssal Plain (Dark Horse); Unknown Soldier (Vertigo/DC); Punisher/Max, Deadpool (Marvel)
Mike Mignola, Hellboy, Baltimore: The Plague Ships (Dark Horse)
David Petersen, Mouse Guard: Legends of the Guard (Archaia)
Yuko Shimizu, The Unwritten (Vertigo/DC)

Best Coloring
Jimmy Gownley, Amelia Rules!: True Things (Adults Don’t Want Kids to Know), Amelia Rules!: The Tweenage Guide to Not Being Unpopular, by Jimmy Gownley (Atheneum/Simon & Schuster)
Metaphrog (Sandra Marrs and John Chalmers), Louis: Night Salad (Metaphrog)
Dave Stewart, Hellboy, BPRD, Baltimore, Let Me In (Dark Horse); Detective Comics (DC); Neil Young’s Greendale, Daytripper, Joe the Barbarian (Vertigo/DC)
Hilary Sycamore, City of Spies, Resistance, Booth, Brain Camp, Solomon’s Thieves (First Second)
Chris Ware, Acme Novelty Library 20: Lint (Drawn & Quarterly)

Best Lettering
Darwyn Cooke, Richard Stark’s Parker: The Outfit (IDW)
Dan Clowes, Wilson (Drawn & Quarterly)
Jimmy Gownley, Amelia Rules!: True Things (Adults Don’t Want Kids to Know), Amelia Rules!: The Tweenage Guide to Not Being Unpopular, by Jimmy Gownley (Atheneum/Simon & Schuster)
Todd Klein, Fables, The Unwritten, Joe the Barbarian, iZombie (Vertigo/DC); Tom Strong and the Robots of Doom (WildStorm/DC); SHIELD (Marvel); Driver for the Dead (Radical)
Doug TenNapel, Ghostopolis (Scholastic Graphix)
Chris Ware, Acme Novelty Library 20: Lint (Drawn & Quarterly)

Best Comics-Related Periodical/Journalism

Alter Ego, edited by Roy Thomas (TwoMorrows)
The Beat, produced by Heidi MacDonald (www.comicsbeat.com)
ComicBookResources, produced by Jonah Weiland (www.comicbookresources.com)
ComicsAlliance, produced by Laura Hudson (www.comicsalliance.com)
The Comics Reporter, produced by Tom Spurgeon (www.comicsreporter.com)
USA Today Comics Section, by Life Section Entertainment Editor Dennis Moore; Comics Section Lead, John Geddes (www.usatoday.com/life/comics/index)

Best Comics-Related Book
Doonesbury and the Art of G. B. Trudeau, by Brian Walker (Yale University Press)
Fire and Water: Bill Everett, the Sub-Mariner, and the Birth of Marvel Comics, by Blake Bell (Fantagraphics)
The Oddly Compelling Art of Denis Kitchen, by Denis Kitchen and Charles Brownstein, edited by John Lind and Diana Schutz (Dark Horse Books)
Shazam! The Golden Age of the World’s Mightiest Mortal, by Chip Kidd and Geoff Spear (Abrams Comicarts)
75 Years of DC Comics: The Art of Modern Mythmaking, by Paul Levitz (TASCHEN)

Best Publication Design
Dave Stevens’ The Rocketeer Artist’s Edition, designed by Randall Dahlk (IDW)
Polly and Her Pals Complete Sunday Comics, vol. 1, designed by Lorraine Turner and Dean Mullaney (IDW)
Return of the Dapper Men, designed by Todd Klein (Archaia)
75 Years of DC Comics: The Art of Modern Mythmaking, designed by Josh Baker (TASCHEN)
Two Generals, designed by Jennifer Lum (McClelland & Stewart)

Papo de Quadrinho viu: X-Men Anime

No dia 1 de abril chegou ao canal japonês Animax a nova série animada dos X-Men.
Criada pela produtora Madhouse (a mesma de Death Note e da versão anime da série Supernatural), a novo desenho animado promete reavivar o interesse dos fãs pela equipe mutante.

Sob o domínio do Mestre Mental, Jean Grey, a Fênix, destrói seu próprio corpo para para não destruir os X-Men, formados pelo Fera, Tempestade, Ciclope, Wolverine e liderados pelo Prof. Charles Xavier.

Um ano após sua morte, os X-Men estão dispersos em diferentes partes do mundo.
Até que o desaparecimento da pequena mutante Hisako no Japão faz com que, a pedido de seus pais, o Prof. X convoque os X-Men para localizá-la.

Com o jato Pássaro Negro, os heróis partem para o Japão em busca da pequena mutante, mas trazê-la de volta não será uma tarefa das mais fáceis.

Por enquanto, apenas o primeiro capítulo da série foi exibido, mas já chama a atenção por sua qualidade.

A surpresa fica por conta da mutante japonesa Hisako Ichiki, ou Armadura, que foi criada originalmente por Joss Whedon e John Cassaday em Astonishing X-Men e será integrada à equipe por ser a super-heroina local.

A estranheza de ouvir os X-Men falando japonês contrasta com uma animação primorosa, caprichada nos mínimo detalhes.

As cenas de ação, ainda que poucas neste primeiro episódio, são excelentes.
O destaque vai para as super-heróinas, belíssimas, que ganharam fartos contornos em toda suas silhuetas e devem arrebatar o coração dos nerds.

Embora não haja uma data definida para estrear, os fãs podem aguardar uma versão em inglês da série ainda este semestre. Tampouco há previsão de estreia do desenho no Brasil.

Veja o trailer:

Vale o Investimento: Hellblazer (John Constantine) “Pandemônio”


John Constantine é um mago que ocupa um lugar de destaque na galeria dos maiores canalhas e anti-heróis do quadrinhos.

Não cansa de fazer sucesso e ter boas histórias lançadas desde que foi criado por Alan Moore em 1985, como um coadjuvante para o Monstro do Pântano; um mago com a aparência do cantor Sting e fumante inveterado.

Desde sua primeira aparição (Monstro do Pântano 37) até hoje, suas agruras e maldições são inversamente proporcionais a seu grande sucesso de crítica e público, o que já lhe rendeu até uma adaptação para o cinema e para os games em 2005.

Comemorando o aniversário de 25 anos de sua chegadas às HQs, Constantine aparece nas bancas brasucas em “Pandemônio”, uma história do roteirista original (praticamente um cocriador) Jamie Delano e a arte sofisticada do desenhista Jock.

O volume encadernado traz uma história completa, em que Constantine se vê preso à enigmática figura de uma mulher vestindo uma burca (vestimenta tradicional que cobre completamente o corpo) que o leva ao roubo de um artefato sumério e, posteriormente, ao caos do campo de batalha no Iraque e seus antigos deuses que pareciam esquecidos.

Densa e chocante, o conflito místico sai dos submundos de Londres e chega ao deserto em guerra, com seu moedor de carne infernal.

Uma guerra é um jogo imprevisível. E jogar faz parte da própria humanidade e da vida de Constantine. Por isso, a guerra do Iraque e a ofensiva militar contra células terroristas serve de pano de fundo para fazer uma ligação entre os horrores da batalha moderna e a trilha de sangue que faz parte da vida de Constantine, com suas intersecções malditas e sua luta contra as forças abissais.

Hellblazer: Pandemônio (Panini) tem 132 páginas impressas em papel LWC com lombada quadrada e custa R$ 19,90. Vale o investimento!

Pôster dos Vingadores?!

Caiu da cadeira? Calma, pois esse pôster ainda não é oficial!

Enquanto ainda aguardamos a estréia do filme do Thor e do Capitão América, os fãs mais ansiosos criaram esse belo pôster antecipando o projeto Vingadores.

Confira (clique na imagem para ampliar):

É hoje: Marvel vs Capcom 3

Vai ser uma festa! Se você é fã de games, mais especificamente de jogos de luta, lembre-se de que hoje (22) é o aguardado lançamento de Marvel vs. Capcom 3, um novo encontro entre os maiores super-heróis da Marvel com os grandes heróis da Capcom.

Além da edição padrão, os fãs podem adquirir uma edição especial com extras, incluindo um livro de arte com capa metálica, um mês de acesso ilimitado ao acervo online de quadrinhos da Marvel, uma HQ e dois novos personagens que podem ser baixados: Jill Valentine e Shuma Gorath.

Marvel vs. Capcom 3 está disponível para PlayStation 3 e Xbox 360, possibilitando lutas entre times com até três personagens simultâneos.

Veja quem está nesse jogão:

Personagens da Marvel

Capitão América, primeira aparição em Captain America Comics #1
Deadpool, primeira aparição em The New Mutants #98
Doutor Destino, primeira aparição em The Fantastic Four #5
Dormammu, primeira aparição em Strange Tales #126
Hulk, primeira aparição em The Incredible Hulk #1
Homem de Ferro, primeira apraição em Tales of Suspense #39
Magneto, primeira aparição em The X-Men #1
M.O.D.O.K., primeira aparição em Tales of Suspense #93
Mulher Hulk, primeira aparição em The Savage She-Hulk #1
Shuma-Gorath, (personagem de DLC) primeira aparição em Marvel Premiere #5
Homem-Aranha, primeira aparição em Amazing Fantasy #15
Super-Skrull, primeira aparição em Fantastic Four #18
Thor, primeira aparição em Journey Into Mistery #83
Wolverine, primeira aparição em The Incredible Hulk #180
X-23, primeira aparição em NYX #3

Personagens da Capcom

Ryu, primeira aparição em Street Fighter
Dante, primeira aparição em Devil May Cry
Albert Wesker, primeira aparição em Resident Evil
Zero, primeira aparição em Mega Man X
Amaterasu, primeira aparição em Okami
Chris Redfield, primeira aparição em Resident Evil
Chun-Li, primeira aparição em Street Fighter II
Felicia, primeira aparição em Darkstalkers
Jill Valentine (personagem de DLC), primeira aparição em Resident Evil
Morrigan Aensland, primeira aparição em Darkstalkers
Nathan Spencer, primeira aparição em Bionic Commando
Sir Arthur, primeira aparição em Ghosts n Goblins
Trish, primeira aparição em Devil May Cry
Tron Bonne, primeira aparição em Mega Man Legends
Viewtiful Joe, primeira aparição em Viewtiful Joe

O jogo é massa, mas preço ainda é para poucos. A edição normal custará R$199,90 e a especial, R$299,90.

Batman: Arkham City também em quadrinhos

Como já é de praxe na interação entre as mídias, a DC vai lançar a minissérie em seis partes Batman: Arkham City, mesmo nome do jogo que vem sendo muito aguardado por gamers e fãs do Homem-Morcego.

A ideia é divulgar o novo videogame do Batman, que vem causando furor com seus trailers hiperrealistas. Os roteiros serão de Paul Dini, que participou do sucesso Arkham Asylum e agora retorna na continuação, Arkham City.

A curiosidade fica por conta do chamariz para os quadrinhos digitais. Quem optar por comprar a HQ online, terá acesso a oito extras e páginas de interlúdio, criadas por Dini.

Estes interludios digitais serão ilustrados por um time de artistas que vai ganhar 99 centavos de dólar por acesso. Depois, os episódios serão impressos fisicamente sob o nome de Batman Arkham Collection.

Se a novidade chegará ao Brasil ainda é um mistério.

Papo de Quadrinho viu: O Besouro Verde

Para manter a tradição de respeito ao leitor, essa nota não contém spoilers.
Por Társis Salvatore
A convite da Sony Pictures, o Papo de Quadrinho assistiu ao filme em 3D, em uma sessão exclusiva para jornalistas.

Antes de começar a exibição, ficou uma dúvida: seria um filme de super-heróis?

Se a resposta for sim, podemos concluir que o projeto deu errado. Se a resposta for não, estamos diante de uma comédia que usa e abusa de clichês de super-heróis e homenageia um dos personagens norte-americanos mais célebres.

O Besouro Verde é um super-herói criado na distante década de 1930 que ficou marcado no imaginário cultural americano sobretudo por sua passagem marcante no seriado live acton exibido no final da década de 1970.

A nova versão do Besouro Verde apresenta Britt Reid (Seth Rogen), um jovem que herda o império milionário de seu pai (Tom Wilkinson). Reid é bon vivant que após a morte do pai decide usar seus recursos e as habilidades especiais e criatividade de seu barista Kato (Jay Chou) para fazer algo útil: confundir os bandidos e acabar com a violência da cidade.

Antes de combater o crime usando sua recém criada máscara verde do Besouro, fica claro que ele é apenas um playboy obtuso e, que graças à nova identidade de herói, se vê envolvido aos poucos em uma trama que vai definir o destino da cidade que pertence ao chefão do crime, o vilão Benjamim Chudnofsky (Christoph Walts).

Embora os nerds mais velhos torçam o nariz, ficou claro que o público-alvo do filme são os adolescentes.

O Besouro Verde é praticamente uma comedia pastelão que se apropria do universo dos super- heróis e seus clichês, para desenvolver um roteiro com todos elementos que agradam este público: muita ação e violência, constantes lutas bacanas, tiroteios homéricos e perseguições ao Beleza Negra – o super carro “tunado” do Besouro que é praticamente um personagem do filme.

Apesar das críticas negativas, revitalizar um personagem da década de 1930 como Gondry fez foi, no final das contas, uma saída honesta, já que mesmo sem estar em evidência por anos, o Besouro faz parte da cultura norte-americana.

A edição dirigida por Gondry, por vezes videoclipada, tirou um pouco aquela visão formatada e convencional de se fazer cenas de pancadarias com super-heróis. Nem sempre isso dá certo, mas valeu o esforço.
Os fãs originais podem reclamar – por vezes com razão – mas quem não levar o filme a sério ou cobrá-lo como um filme de super-herói autêntico, não tem como não curtir essa comédia.

Se você quiser se divertir com boas risadas e doses de ação e violência, não perca o Besouro Verde. Mas leve seu filho ao cinema, pois certamente ele vai curtir muito mais.

Nos Estados Unidos, onde o filme estreou há menos de um mês, já acumula bilheteria de quase US$ 90 milhões, sendo US$ 33 milhões só no fim de semana de abertura. Nada mal para um projeto tão despretensioso malhado pela crítica.

Convertido para 3-D, com direção de Michel Gondry, Besouro Verde estreia no Brasil, em 18 de fevereiro.

Papo de Quadrinho viu: The Cape

The Cape, é a nova série da NBC que aposta na onda dos super-heróis que invadiu a os cinemas nos últimos anos.

A cidade fictícia de Palm City está sendo assolada por um assassino chamado Chess, quando um incorruptível tira norte-americano, Vince Faraday (interpretado pelo ator David Lyons) o enfrenta.

Faraday é incriminado injustamente por uma poderosa corporação que deseja privatizar a polícia sob o comando de Chess. Traído, o policial é caçado pelos próprios colegas, mas consegue escapar e é dado como morto.

Resgatado por um grupo misterioso de ladrões de um circo, Faraday é treinado e decide personificar o super-herói dos quadrinhos favorito do seu filho: The Cape. Com o auxilio da misteriosa “Orwell” (vivida pela atriz Summer Glau), The Cape parte para enfrentar Chess, tentar acabar com os policiais corruptos que tomaram a cidade, ao mesmo tempo em que espera limpar o nome de sua família.

The Cape é uma série divertida, as vezes ingênua, com uma bela fotografia e repleta de clichês de super-heróis. Mesmo com bons atores como Keith David, Jennifer Ferrin, Dorian Missick, James Frain e Martin Klebba, os roteiros não são fluídos.

O seriado amarga uma baixa audiência que já ameaça a série de cancelamento, tanto que a primeira temporada passou de 13 para apenas 10 episódios.

Se o lado positivo da série é ter bons atores, uma fotografia realista, atrelar a formação do herói ao circo e não apelar ao erotismo gratuito, faltou à NBC tato para entender que os grandes dias dos super-heróis das matinês acabaram ainda na década de 1950.

The Cape sofre com roteiros muito óbvios, recheados de um saudosismo tacanho e às vezes infantil, excessivamente dramático, que dá sono ao público jovem e acostumado a temáticas mais adultas. Talvez a falta de batalhas mais “super-heróicas” e ação de qualidade seja o motivo do desinteresse do grande público. De todo modo, as crianças do século XXI não são tão bobinhas como as do século XX, embora alguns adultos ainda se divirtam sendo assim.

Como nas histórias dos super-heróis, vamos torcer para que a série tenha uma reviravolta e, quem sabe, se mantenha no ar, já que alguns conceitos são bons.

Se você só quer uma diversão inocente e bem comportada, vai curtir muito a série. The Cape começa a ser exibido no Brasil no Universal Channel a partir do dia 11 de fevereiro.

Página 0 de 5

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017