Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Author: Jota Silvestre (Page 1 of 96)

Adeus, Stan Lee… e obrigado!

Assim como milhões de pessoas no mundo todo, fui pego de surpresa pela notícia da morte de Stan Lee na tarde de hoje (12). Preferi não escrever um obituário ou biografia. Gente muito mais capacitada que eu já o fez ao longo do dia.

Em vez disso, optei por compartilhar – com quem se interessar – minha relação de leitor com Stan Lee.

Meu primeiro gibi da Marvel que tenho lembrança, cuja capa ilustra este post, foi Capitão América 5 (*), lançado pela Bloch em junho de 1975.

Para além da trama envolvente de Steve Englehart e da arte dinâmica de Sal Buscema, o que primeiro atraiu minha atenção foi a chamada “Stan Lee apresenta…” estampada no topo da primeira página – uma sacada que Roy Thomas adotou em todas HQs da Marvel depois que se tornou editor-chefe.

Ao mesmo tempo em que eu pensava “Quem é esse cara?”, minha imaginação de sete anos de idade criava a figura mental de um chinês misterioso, que comandava todo aquele universo (devo ter associado com Bruce Lee. Vai entender cabeça de criança…).

Não me pergunte qual foi meu segundo gibi da Marvel. Ou o terceiro ou o quarto… não lembro. O que sei é que nesses mais de quarenta anos, li dezenas, talvez centenas, de histórias anteriores àquela do Garra Amarela, muitas delas escritas pelo próprio Stan Lee.

Li centenas, talvez milhares, de histórias, posteriores a ela, escritas por um sem-número de autores que levaram as cocriações de Lee aos mais diferentes mundos, universos, situações.

Estranho… Não dá pra dizer que a morte de Stan Lee era esperada. Nem que era inesperada. Ele estava com 95 anos, idade a que poucas pessoas chegam, ainda mais com tamanha vitalidade e lucidez.

Acontece que o peso da idade se fez sentir nos últimos anos, em especial depois da morte de Joan, sua companheira de toda vida. As notícias que chegavam sobre sua saúde depois disso não eram nada animadoras.

Fico repetindo a mim mesmo que Stan Lee viveu e morreu com dignidade, que atingiu um patamar que poucos artistas alcançaram, que ele viverá para sempre em seus personagens, que viu realizado o sonho de levar suas cocriações para o cinema, um projeto que ele perseguia desde a década de 1970.

Que ele viu a pequena editora que pilotava se transformar numa gigante do entretenimento. Viu seus personagens arrastarem milhões de pessoas para as salas de cinema e conquistar uma nova geração de fãs que, talvez, nunca sequer leram uma de suas HQs. Viu nascer uma geração que se apaixonou pela versão em pixels dos seus heróis da mesma forma que nós nos apaixonamos pela versão deles em papel barato…

Mas aí, lá do fundo, vem a premonição de uma saudade. Aquela angústia de saber que nunca mais veremos o verdadeiro Stan Lee em suas aparições matreiras nos filmes e séries. Nunca mais ouviremos suas frases espirituosas, nunca mais leremos uma entrevista inédita…

O que me confortou na tarde de hoje foi a grande quantidade de depoimentos já saudosos que li nas redes sociais. Roteiristas, artistas e jornalistas que admiro agradecendo a Lee pela inspiração na infância que, anos depois, influenciou na escolha da profissão. Amigos agradecendo a Lee por tê-los iniciado no hábito da leitura e, em alguns casos, até mesmo pela formação do seu caráter.

Então, olho para essa imagem aí de cima, lembro como tudo começou e meu coração fica apertado de novo. É simbólico que eu me despeça de Stan Lee com o mesmo gibi com que nos tornamos amigos…

No final das contas, acho que acabei me estendendo demais nesse adeus. Talvez, uma palavra bastasse… Excelsior!

(*) Há alguns anos, consegui reaver esta revista graças ao diligente esforço do amigo Roberto Guedes que garimpou um fac-símile para mim no Festival Guia dos Quadrinhos, e também ao amigo Ricardo Quartim, que em sua imensa generosidade se ofereceu para trocar minha cópia pela edição original de sua coleção. Aos dois, meu muito e sincero obrigado.

Por falta de tempo e disposição para vasculhar minha coleção atrás dessa HQ, optei por pegar a imagem da capa emprestada do site Guia dos Quadrinhos. Sei que o amigo Edson Diogo vai me perdoar.

“Um Outro Dia”, nova HQ de Felipe Folgosi

O ator e roteirista Felipe Folgosi acaba de anunciar seu mais recente trabalho, Um Outro Dia, que tem lançamento e sessão de autógrafos marcados para dia 28 de novembro, na Livraria Martins Fontes (Av. Paulista, 509 – Paraíso), em São Paulo.

Diferentemente de seus quadrinhos anteriores – Aurora, Comunhão e Chaos –, Um Outro Dia não é fruto de financiamento coletivo, e sim da parceria com a editora Lion Comics.

O autor define seu novo trabalho como “um drama juvenil com toques sobrenaturais”. A trama é centrada em Beto, adolescente que precisa lidar com a separação dos pais, a insegurança do primeiro amor e os desafios para entrar na faculdade. Seu cotidiano é alterado quando alguns amigos o levam a se envolver com drogas, o que vai provocar um insólito encontro com a Morte.

Um Outro Dia foi concebido como um roteiro para o teatro em 1999, e acabou rendendo uma premiação no Concurso Nacional de Dramaturgia, promovido pelo Ministério da Cultura. De certa forma, o reconhecimento a esse primeiro trabalho incentivou Felipe a continuar escrevendo roteiros que, mais tarde, desembocaram em suas histórias em quadrinhos.

A HQ foi desenhada por Leandro Casco, com cores de Victor Uchoa e letras de Gabriel Arrais. Tem 128 páginas, capa dura e preço sugerido de R$ 40.

AVEC Editora lança Desafiadores do Destino: Disputa por Controle, nova HQ de Felipe Castilho

A AVEC Editora acaba de lançar o álbum Desafiadores do Destino: Disputa por Controle, mais novo trabalho do escritor best-seller Felipe Castilho (A Ordem Vermelha: Filhos da Degradação) em parceria com o artista Mauro Fodra (Justiça Sideral) e da colorista Mariane Gusmão (Reparos de Brão Barbosa).

Na trama, as Ilhas Falkland estão mergulhadas em uma sangrenta disputa territorial entre dois reinos: Lemúria e Atlântida. Muitos inocentes já morreram ao longo do conflito, incluindo os gorgs, moradores originais do lugar.

Liderados pela misteriosa Lune Lefevre, uma equipe é montada às pressas: uma mulher indestrutível, um gênio excêntrico que usou o próprio cérebro em um experimento envolvendo autômatos, um meio-atlante bilionário e um homem treinado nas artes de combate de todas as tribos indígenas das Américas.

Do meio deste grupo improvável poderá surgir a solução para o fim do conflito ou o evento que desencadeará uma destruição muito maior que a disputa territorial.

Desafiadores do Destino: Disputa por Controle é uma aventura em que a magia de deuses antigos e monstros esquecidos encontra as engrenagens e autômatos de mentes muito à frente de seu tempo.

De acordo com o próprio autor e roteirista, a obra é uma homenagem aos livros clássicos de aventura (Vinte Mil Léguas Submarinas, Ilha do Tesouro) e aos quadrinhos de heróis, principalmente as superequipes. Ele adianta que a ideia central é do renomado quadrinhista Marcelo Campos (criador do personagem Quebra-Queixo) e do desenhista Ronaldo Barata (Sobrenatural Social Clube).

Desafiadores do Destino: Disputa por Controle está à venda nas principais livrarias do Brasil ou na loja online da AVEC Editora. O álbum tem 64 páginas coloridas, formato 19 x 28 cm e preço de R$ 39,90.

Veja um preview da obra (clique nas miniaturas para ampliar).

Agente Sommos, de Flavio Luiz, será lançada na CCXP 2018

O quadrinhista Flavio Luiz acaba de concluir seu mais recente trabalho, Agente Sommos e o Beliscão Atômico, com lançamento previsto para a CCXP 2018 (6 a 9 de dezembro), onde ele vai expor no Artists’ Alley, mesa F13.

O protagonista é uma versão tupiniquim, atrapalhada e setentista do agente secreto 007. A trama, garante o autor, é carregada de humor leve e nonsense, e não faltam referências aos “tempos áureos” da TV brasileira.

Pelo preview abaixo (clique nas imagens para ampliar), é possível notar que Flávio manteve o traço inspirado nos quadrinhos europeus, uma constante em seus trabalhos, como Aú o Capoeirista, O Cabra, Rota 66, Jayne Mastodonte e Histórias Paulistanas.

Agente Sommos e o Beliscão Atômico ganhou prefácio de Reinaldo Figueiredo, da trupe Casseta & Planeta, e posfácio de Ota, icônico editor da revista MAD no Brasil. O álbum tem 44 páginas, formato 21 x 29 cm, capa e miolo coloridos e preço de R$ 30.

Para mais informações e conhecer outros trabalho de Flavio Luiz, acesse o site.

2018: O que vem por aí pela AVEC Editora

Entre lançamentos nacionais e estrangeiros, veja o que a AVEC preparou para este ano:

avecjanuaryJanuary Jones: O Crânio de Mkwawa (de Martin Lodewijk e Eric Heuvel): Nesta segunda aventura da famosa piloto publicada pela editora, January Jones e seu mecânico de bordo Rik se envolvem na caça do misterioso crânio de Mkwawa e seus segredos.

avecagnesAgnes: Segredos (Kati Närhi): Agnes ficou órfã depois que seus pais arqueólogos desapareceram misteriosamente nas catacumbas de Paris, e a menina foi criada por sua avó um pouco amalucada. Insatisfeita com as explicações dadas pelos adultos ela vai em busca da verdade. Este primeiro volume é uma coleção de pequenas cenas da vida cotidiana de Agnes.

avecchevalierLe Chevalier: Arquivos Secretos vol 2 (AZ Cordenonsi e Fred Rubim): Neste segundo volume, Le Chevalier contra o Raio da Morte, um misterioso ultimato é enviado às principais nações do mundo. Le Chevalier e Persa se unem a Irene Adler e ao insondável Comitê para devem desvendar os mistérios da Antártida (a ilustração ao lado não corresponde à capa definitiva do livro).

aveccartollaBorn Cartolla (Levi Tonin): Mangá brasileiro, acompanha as aventuras de Galla Della Cartolla, uma viajante mágica que caminha mundo afora solucionando problemas de toda natureza (a ilustração ao lado não corresponde à capa definitiva do livro).

avecdesafiadoresOs Desafiadores do Destino (Felipe Castilho, Mauro Froda e Mariane Gusmão): Ação steampunk em um roteiro do mesmo autor do autor de Ordem Vermelha, um dos 10 romances mais vendidos no final de 2017 (a ilustração ao lado não corresponde à capa definitiva do livro).

avecbisaoO Bisão do Sol Poente Estranho Oeste de Kane Black Moon vol. 1 (Duda Falcão e Brasa): A história mistura velho oeste e sobrenatural, e acompanha o mestiço Kane Blackmoon em sua busca para vencer o demônio que atormenta e destrói tudo e todos por onde passa.

avecsilasSalto 2 – Silas (Rapha Pinheiro): Continuação de Salto, agora focado no personagem Silas – que aparece em algumas cenas do volume anterior (a ilustração ao lado não corresponde à capa definitiva do livro).

2018: O que vem por aí pela V&R Editoras

vrenriqueta

Neste ano, a V&R lança Escrito e Desenhado por Enriqueta, segundo título do argentino Liniers publicado pela editora no Brasil.

Neste trabalho, Liniers faz uma homenagem ao processo de criação de uma obra. Como diz o título, a história de uma jovem valente que enfrenta monstros e outras ameaças é contada por Enriqueta, uma das protagonista da série de tiras Macanudo.

A editora vai lançar também o 13o volume de Diário de um Banana e uma edição especial com o primeiro volume da coleção, em comemoração aos 10 anos de publicação no Brasil.

2018: O quem vem por aí pela Geektopia/Novo Século

geektopia_archie

Nem parece que faz menos de dois anos que a Novo Século lançou seu selo Geektopia, voltada para o público geek. Em pouco tempo, a editora trouxe ao Brasil HQs de fora do circuito tradicional e com alta qualidade. 

De Volta para o FuturoLocke & KeyAmor é AmorThe Wicked +The Divine são apenas alguns exemplos, sem contar a linha de livros em prosa da Marvel. 

Neste ano, não será diferente. Veja abaixo alguns dos lançamentos anunciados pela editora até o momento. 

Archie (Mark Waid e Fiona Staples): Novidade ansiosamente aguardada. A série lançada nos Estados Unidos em 2015 oferece uma versão atualizada dos clássicos quadrinhos de Archie e sua turma que vêm sendo publicados desde 1941. 

Com roteiro de Mark Waid, essa reformulação serviu de base para o seriado de TV Riverdale, exibido no Brasil pelo canal Warner. Deu origem também a um grande número de títulos – JugheadBetty & VeronicaRiverdale e outros – que, tomara, a Novo Século também traga para o Brasil. 

A editora ainda não revelou detalhes, mas o mais provável é que publique aqui de forma regular e no formato de encadernado norte-americano, com seis edições cada – lá foram já saíram quatro volumes. 

geekderivaÀ Deriva: do premiado Brian O’Malley (Scott Pilgrim contra o MundoRepeteco) chega a história de uma garota tímida de 18 anos que acha que sua alma foi roubada por um gato e embarca numa viagem com colegas da escola para refletir sobre a vida. 

geekmeninasfofasA Irmandade das Meninas Fofas (de Greg Means, Mk Reed e Joe Flood): Jane pensa em namorar Jack, um cara que ela conheceu por acaso e que tem uma péssima reputação amorosa, de acordo com o grupo de informação compartilhando entre solteiras da cidade, a Irmandade das Meninas Fofas. 

geekinsufferableMais uma de Mark Waid, Os Insuportáveis (com arte de Peter Krause) mostra o reencontro de dois parceiros na luta contra o crime que seguiram caminhos diferentes: o nobre Nocturnus e seu antigo e insuportável sidekick, Galahad. 

geekeldeafoEl Deafoautobiografia em quadrinhos de Cece Bell, conta a história de uma menina com problemas auditivos. Para suportar a discriminação, ela cria o alterego Ed Deafo, uma heroína que usa seu aparelho de ouvido como um superpoder. 

geekfriendsFriends with Boys (de Faith Erin Hicks): Maggie McKay precisa enfrentar a vida, mas isso significa passar primeiro pelo ensino médio, resolver o mistério do fantasma que a acompanhar por toda a vida e fazer novas amizades.

 

geekalexada

Alex e Ada – volumes 2 e 3 (de Jonathan Luna e Sarah Vaughn): Alex despertou a consciência de Ada, a androide de alta tecnologia que ganhou de sua avó. Quanto mais tempo passam juntos, mas eles se aproximam e precisam lidar com a crescente onda de restrições aos androides. O volume 1 foi lançado pela Novo Século no ao passado. 

geekwickedQuem também ganha sequência é The Wicked + The Divine, de Kieron Gillen e Jamie McKelvie. De acordo com a sinopse, esse terceiro volume é mais sombrio e estranho que os anteriores, também lançados pela Novo Século (em 2016 e 2017). A HQ acompanha a saga de deuses que vivem entre os mortais como se fossem ídolos pop. 

2018: O que vem por aí pela Zarabatana Books

SENFUIR_00.pdfA Zarabatana Books confirma para este ano o lançamento da mais recente obra do franco-canadense Guy Delisle, Fugir: O Relato de um Refém (título provisório).

A obra consumiu 15 anos para ficar pronta. Nela, Delisle acompanha o inferno do confinamento de 111 dias de Christophe André, sequestrado enquanto trabalhava na administração da ONG Médicos sem Fronteiras no Cáucaso.

O lançamento tem 432 páginas e está programado para o primeiro semestre. O catálogo da Zarabana conta com outros títulos de Guy Delisle: Pyongyang, Shenzhen, Crônicas Birmanesas, Crônicas de Jerusalém e O Guia do Pai sem Noção vol. 1.

2018: O que vem por aí pela Rocco

roccoslugfest

A Rocco vem fazendo poucos mas bons investimentos no segmento de histórias em quadrinhos, como o ótimo Entrevista com o Vampiro – A História de Cláudia, em 2015, e o premiado O Livro do Cemitério, de Neil Gaiman e P.Craig Russell, no final do ano passado.

Para este ano, a editora programou o lançamento de Slugfest (Pancadaria, em tradução livre), do jornalista Reed Tucker.

O livro expõe os bastidores dos 50 anos de rivalidade entre as duas maiores editoras norte-americanas de quadrinhos, DC Comics e a Marvel, e revela o arsenal de estratégias empregado por ambas para superar a concorrência, como roubar ideias e funcionários, plantar espiões e implementar a guerras de preços

A Rocco ainda não definiu o título em português, capa e data de lançamento no Brasil.

2018: O que vem por aí pela WMF Martins Fontes

wmf1_bendis

Abrimos a tradicional prévia deste ano com os lançamentos anunciados pela WMF Martins Fontes.

Entre os poucas e boas novidades da editora para 2018, chama atenção o livro Words for Pictures: the Art and Business of Writing Comics and Graphic Novels (ainda sem título em português), de Brian Michael Bendis.

Como vocês sabem, Bendis foi um dos principais nomes da Marvel nas duas últimas décadas e pegou o mundo de surpresa ao anunciar sua partida para a concorrente DC Comics no final do ano passado.

No livro, publicado pela primeira vez em 2014, o roteirista revela suas técnicas e de outros autores para criar uma HQ de sucesso e apresenta todas as etapas de produção, da ideia original à arte final. Apresenta exemplos de roteiros, um glossário dos termos mais usados na indústria dos quadrinhos e alguns exercícios para praticar.

Vale lembrar que a WMF Martins Fontes foi responsável por trazer para o Brasil em 2014 o clássico e até então inédito How to Draw Comics in the Marvel Way, de John Buscema e Stan Lee.

Nori & Eu é outro bom lançamento da editora, esse nacional, com roteiro de Caeto (Dez Anos para o Fim do Mundo) e arte de Masanori. Confira na galeria abaixo alguns esboços exclusivos a que o Papo de Quadrinho teve acesso.

wmf2_democraciaPor fim, volta aos planos da WMF Democracia, anunciado anteriormente em 2016. Dos mesmos artistas de Logicomix, Alecos Papadatos e Annie Di Donna, e textos de Abraham Kawa, a trama tem início em 490 a. C., com Atenas em guerra. Através da história de vida do personagem Leander, o leitor acompanha fatos históricos anteriores àquela época e os acontecimentos que levaram ao surgimento da democracia.

 

 

Esboços exclusivos de Nori & Eu, de Caeto e Masanori (clique para ampliar)

Page 1 of 96

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018