A convite da produtora Espaço Z nosso editor acompanhou ‘“MIB Homens de Preto: Internacional”’, novo longa que apresenta uma nova fase da franquia. Em respeito aos nossos leitores nossa resenha NÃO TEM SPOILERS.

Nos anos 1990, período em que as teorias da conspiração não governavam um país e estavam restritas à imaginação, tablóides e a diversão especulativa, o roteirista Lowell Cunningham trouxe para os quadrinhos uma agência para cuidar de visitantes interplanetários, os “Homens de Preto” (Man in black ou sua sigla: MIB).Inspirado em uma das mais tradicionais teorias da conspiração de ufologistas, envolvendo alienígenas, naves e invasões da Terra, os “Homens de Preto” (Man in black – MIB) são agentes vestidos com ternos pretos (ufa!) e óculos escuros que aparecem para resolver casos de contatos imediatos – que não serão divulgados oficialmente.

A agência na verdade licencia, monitora e policia a atividade alienígena neste pálido ponto azul, protegendo a todos de maneiras que seus cidadãos não podem imaginar (e nunca saberão), além de se encarregar do processamento das chegadas de alienígenas como imigrantes refugiados. Carregando armas de alta tecnologia construídas com a ajuda da tecnologia interplanetária, sua ferramenta mais útil é o cultuado neuralizador, um dispositivo em forma de caneta que emite um feixe de luz que apaga a memória daqueles que tiveram contato com alienígenas, mantendo a existência secreta da MIB como apenas um rumor, reconhecida apenas como um déjà vu e descartada com a mesma rapidez.

A criação de Cunningham foi levada aos cinemas em MIB (1997) que um pouco diferente dos quadrinhos, misturou comédia com ficção-científica. Capitaneados por  pelos atores Tommy Lee Jones e Will Smith, o filme fez um grande sucesso, levou o Oscar de Melhor Maquiagem e ainda gerou duas sequencias: MIB II (2002) e MIB³ (2012).

Eis que estreia amanhã (13) o novo filme expandindo a franquia com locações por toda a planície da Terra. A premissa dos filmes anteriores permanece: existem alienígenas de outros mundos vivendo entre nós. Assim, MIB Homens de Preto: Internacional apresenta novos agentes, armas, alienígenas e locações.

Desta vez temos o Agente H (Chris Hemsworth) e a novata M (Tessa Thompson) que se tornam parceiros e tem o trabalho de enfrentar uma nova ameaça alienígena que pode tomar a forma de qualquer um, incluindo agentes da MIB. Os atores Liam Neeson, Rebecca Ferguson e Kumail Nanjiani também aparecem em papéis-chaves.

O diretor F. Gary Gray, cuja filmografia abrange títulos de ação (Velozes e Furiosos 8), comédias (Sexta-Feira em Apuros) e dramas (Straight Outta Compton: A História do N.W.A.), se manteve fiel ao misto de aventura, sci-fi e comédia da franquia.

A trama se apresenta uma menina chamada Molly, que, juntamente com seus pais, teve um contato imediato. Ela evita o neuralizador da MIB que apaga a memória dos pais  e fica obcecada em descobrir a verdade sobre os alienígenas na Terra e sobre os misteriosos homens vestidos de preto que a visitaram pouco depois daquele encontro que mudou sua vida. Empregando todo seu tempo disponível e buscando respostas, anos depois, Molly descobre a sede da MIB em Nova York. Impressionada com a inteligência e as habilidades investigativas de Molly, que a levaram a se tornar a única pessoa a conseguir invadir a MIB sem ser convidada, a Agente O (Emma Thompson) a transforma em uma agente, atribuindo-lhe uma nova identidade: M.

Ainda como uma agente em estágio propatório, M é enviada para a sede de Londres e acabam se envolvendo em uma trama com H (Chris Hemsworth), um agente lendário com um ar de arrogância, reconhecido por já ter salvado o mundo armado apenas com sua astúcia e seu De-Atomizador. Mas a autoconfiança excessiva de H pode permitir que uma raça assassina tome posse de um artefato capaz de acabar com a paz da Terra e colocar em perigo toda a galáxia.

O filme tem uma trama simples, porém divertida e bons momentos de aventura e comédia (fruto da produção executiva de Steven Spielberg). As locações chamam a atenção por levarem o espectador por lugares legais em Londres, Paris, Nápoles e Marrakesh, tudo bem amarrado com bons efeitos especiais.

Tessa Thompson além de bonita sobra com boa atuação, enquanto Chris Hemsworth é aquele canastrão que apredemos a gostar em Thor e Vingadores – desnecessário lembrar que ambos trabalharam juntos no MCU (Universo cinematográfico da Marvel).

É um bom filme para ver com a família e se divetir. Ao mesmo tempo é um quarto filme cuja continuação mantém um legado que atraiu tantos fãs ao cinema. O que faltou foi uma trilha ou música marcante como os filmes anteriores.

E não podemos esquecer  que o comediante brasileiro Sérgio Mallandro faz uma ponta bastante inusitada no filme. Confira no cinema mais próximo, antes que a Terra acabe.

Comentários