Com fotos e informações de Edie Fortini para o Papo de Quadrinho.

No último domingo (24/03), a Fábrica de Cultura do Capão Redondo recebeu a primeira edição do PerifaCon, uma iniciativa de um grupo de amantes de quadrinhos, livros, desenhos e cultura pop o geral que cresceram nas periferias de São Paulo. A ideia era levar a Cultura Pop para quem não tem no mínimo 110 pilas para um ingresso “barato” de uma CCXP e acaba ficando à margem deste universo Nerd.

O evento foi produziado de modo colaborativo, através do lançamento de uma campanha de financiamento coletivo no final do ano passado. Contou ainda, com o patrocínio e o apoio da Chiaroscuro Studios, uma das maiores agências de representação de quadrinistas que também levou uma programação exclusiva com a presença de vários artistas brasileiros de renome que atuam na DC Comics, Marvel Comics, Image Comics, Titan Books e Dark Horse entre outras. Um incentivo financeiro e operacional que merece aplausos.

Foram mais de 7 horas de programação acontecendo simultaneamente nos 7 andares da Fábrica. Em números a 1ª edição teve mais 200 pedidos de artistas para participar do Beco dos Artistas, mais de 150 mídias de imprensa credenciadas, mais de 150 inscrições de voluntários e quase 3 mil pessoas previamente credenciadas como visitantes.

“Nossa expectativa de público era de aproximadamente 3 mil pessoas, tendo como base as inscrições feitas previamente. Às 14h, do dia 24 a fila na porta do evento já apresentava indícios de um sucesso além do esperado. O público ultrapassou a marca de 4 mil visitantes, levando a superlotação do prédio, o que infelizmente nos levou a encerrar e entrada de novos visitantes por uma questão de segurança”, comenta Luíze Tavares, produtora do evento.

As filas causaram algum transtorno para os visitantes, mas com o sucesso nas visitas, ficou impressão que o evento precisa de mais espaço para crescer em sua próxima edição.

O evento

A programação da PerifaCon contou com 230 palestrantes e oficineiros da cena pop e periférica, como o rapper Rashid, que falou de como surgiu seu interesse por quadrinhos e as influências desse universo em seu novo clipe “Não é desenho”, KL Jay do grupo Racionais MC’s que participou da mesa de debate com o tema “Arte como resistência”, Natalia Bridi, editora-chefe do Omelete participou da mesa de debate “Mulheres no Mundo Nerd”.

Já o “Beco dos Artistas” teve a participação de 44 expositores e 14 lojas e editoras vendendo seus trabalhos a preços acessíveis, entre eles estão Companhia das Letras que levou ao evento o trono da Guerra de Tronos, editora Morro Branco, editora Draco entre outras. O concurso de cosplay foi um ponto alto da PerifaCon, já que o cosplay é uma tradição entre os frequentadores deste tipo de evento nerd.

Ainda tiveram atrações musicais, sala de games, oficina de RPG, e a exposição “Rap em Quadrinhos” idealizada pelos artistas Load e Wagner Loud que também fizeram parte do roteiro de quem esteve na 1ª comic con da favela.

O espaço kids foi idealizado para mexer com a imginação e o interesse dos pequenos, e teve um concurso de desenhos, uma oficina de poções e decoração de cupcakes, entre outros destaques.

O saldo da PerifaCom foi muito positivo. Cumpriu seu objetivo de levar o universo Nerd com diversão, personagens, produtos e serviços para os jovens da periferia, que historicamente são negligenciados. Além disso, deu o pontapé inicial para fomentar outros eventos de cultura pop, nerd e geek nas periferias de São Paulo, contribuindo para a quebra de barreiras culturais e financeiras, sem deixar de promover para os jovens o acesso de marcas e produtores à periferia e vice-versa. Quem venham muitos outros eventos como esse.

Comentários