escorpiãodeprata

O personagem foi publicado pela primeira vez numa parceria com o quadrinhista Will, na revista Sideralman, em 2007. Para comemorar os 10 anos de publicação, o herói capoeirista estreia na plataforma de quadrinhos digitais Social Comics.

A estreia se dá com uma edição nova, que relembra a origem do personagem. Partes da história A Primeira Ronda do Escorpião, com roteiro de Eloyr Pacheco, arte de Carlos Nacci e capa de Rom Freire, foram publicadas em fanzines em 2009 e 2010, mas a conclusão continuava inédita até a atual edição.

Na trama, Toni e sua mãe encontram no sótão da casa o diário da avó, junto com o colar e o pingente de escorpião. Ao ler o diário, Toni considera que seu avô foi injustiçado, decide assumir a identidade de Escorpião de Prata e sai para as ruas da cidade para fazer o bem e, assim, limpar o nome do antepassado.

A partir dessa edição de estreia, as edições serão mensais, com 24 páginas e extras com galeria de arte, textos e comentários, making of da capa e biografia dos colaboradores. A galeria do número 1 traz arte de Spacca e de Hélcio Rogério, com cores de Rod Reis.

Trajetória

O Escorpião de Prata teve duas edições impressas em formato americano, publicadas por Eloyr: Escorpião de Prata e Escorpião de Prata Aventura + Humor. A primeira participou da seletiva do Festival Internacional de Angoulême, na França, em 2012. Também em edições impressas, em formatinho, o personagem esteve ao lado de Penitente, de Lorde Lobo, e Crânio, de Francinildo Sena.

Em edições digitais, protagonizou aventuras em conjunto com Raio Esmeralda, de Danilo Dias; Tatu-Man, de Bira Dantas; Ultrax, de E.C.Nickel; e Exú, de Lancelott Martins. Entre outras revistas, o Escorpião de Prata integrou também o mix da revista Tempestade Cerebral, publicada pelo quadrinista Alex Mir.

O personagem foi capa do Projeto Continuum  9, editada por Daniel Siqueira, Adriano Sapão e Rafael Tavares. Recentemente, integrou o elenco do mega encontro Protocolo: A Ordem, publicação coordenada por Elenildo Lopes, que ganhou o Troféu Angelo Agostini, como melhor lançamento independente de 2016.

Eloyr Pacheco foi editor das editoras Metal Pesado e da Brainstore. Publicou títulos como Sandman, Preacher, Monstro do Pântano, Hellblazer, Homem-Animal e Will Eisner´s Spirit Magazine no Brasil. Realizou projetos editoriais com José Mojica Marins, o Zé do Caixão; Marcelo Campos (Quebra-Queixo); Banda das Velhas Virgens e Instituto Ayrton Senna (Senninha). Ganhou várias vezes os troféus Angelo Agostini, Jayme Cortez e HQ Mix.

Comentários