Capa O Jogo das Andorinhas

A tragédia da guerra costuma esconder histórias de solidariedade. A Guerra Civil Libanesa (1975-1990) não é exceção. Na graphic novel O Jogo das Andorinhas – Morrer Partir Retornar (Zarabatana Books, 192 páginas, R$ 40), a autora Zeina Abirached relembra a noite em que seus pais saíram de casa para visitar a avó em outro ponto da capital, Beirute. Com a intensificação dos bombardeios, Zenia e seu irmão mais novo vivem o drama da ausência dos pais e da incerteza de seu retorno para casa.

É nesse momento que a força da união se faz presente. No pequeno cômodo que servia de abrigo para a família – o mais seguro do prédio – começam a desfilar diferentes tipos da comunidade libanesa: Anhala, a ex-governanta e ótima cozinheira; Chucri, o “faz-tudo” que perdeu o pai para a guerra; o letrado Ernest, apaixonado por Cyrano de Bergerac e que teve o irmão gêmeo alvejado por franco-atiradores anos antes; e muitos outros.

Juntos, eles formam uma rede de proteção emocional para as crianças, com suas receitas, jogos, brincadeiras, leituras e conversas do cotidiano.

Tão marcante quanto o relato daquela noite que parecia não ter fim é a técnica de Zeina, que dá vida aos elementos narrativos dos quadrinhos – balões, recordatórios, onomatopeias, transições entre os quadros – enquanto enche seus personagens de expressividade. A opção pelo branco e preto chapado, sem cinzas ou hachuras, parece dizer que a imbecilidade da guerra não aceita meios termos.

O prefácio é assinado por Trina Robbins, desenhista e escritora ícone do movimento underground entre os anos 1960/70.

A Guerra Civil Libanesa

O conflito dividiu o Líbano entre cristãos, do lado Oriental, e muçulmanos, do Ocidental. Os desentendimentos entre os dois grupos (e também os drusos) datam antes mesmo de o país se tornar independente da França, em 1943. Com a criação do Estado de Israel após a 2ª Guerra Mundial, a situação foi agravada pelo grande afluxo de refugiados palestinos que deixaram suas terras. A capital Beirute foi rasgada ao meio por muros de tijolos e sacos de areia. Bombardeios, franco-atiradores, atentados terroristas e a intervenção militar dos países vizinhos ceifaram milhares de vidas.

A autora

Zeina Abirached nasceu em Beirute em 1981, em uma família libanesa cristã, e tinha dez anos quando o conflito finalmente terminou. Estudou artes gráficas e design na Academia Libanesa de Belas Artes (ALBA). Em 2002, recebeu o prêmio principal do Festival Internacional de Histórias em Quadrinhos de Beirute por sua primeira graphic novel, Beyrouth-Catharsis. Mudou-se para Paris em 2004 para estudar na Escola Nacional de Artes Decorativas.

Sobre a editora

Com sede em Campinas, no Estado de São Paulo, a Zarabatana Books publica livros e quadrinhos, nacionais e estrangeiros, que não costumam ter espaço nas demais editoras de quadrinhos brasileiras.  Em 2008, trouxe para o Brasil as tiras de Macanudo, do argentino Liniers, e desde então vem publicando regularmente a produção de quadrinhos daquele país, com destaque para a coletânea Fierro.

Publicou, entre muitas outras, obras premiadas como Bando de Dois, de Danilo Beyruth, e a série de graphic novels de Guy Delisle, narrando suas experiências vivendo em alguns dos países mais problemáticos do mundo: Shenzhen (China), Pyongyang (Coreia do Norte), Crônicas Birmanesas (Myanmar) e Crônicas de Jerusalém (Israel).

Mais informações em www.zarabatana.com.br.

Comentários