ccxp2015

A foto acima ilustra bem como foi o sábado (5) dessa segunda edição da Comic Con Experience (CCXP). Pavilhão lotado e filas para todo lado. E isso é bom.

Por melhor que seja a organização oficial e dos expositores, não há como evitar filas e aglomerações num evento que seguramente atingiu a expectativa de 120 mil visitantes (média de 30 mil pessoas por dia).

O lado positivo nem é pelo sucesso da CCXP 2015, mas o quanto ela serve de termômetro do mercado de cultura pop.

A maioria dos visitantes foi de consumidores de produtos geek; os que ainda não são, certamente o serão, impactados que foram pela exuberância exibida pelas empresas. Não importa que não tenham comprado nada durante o evento, pois é quase certo que comprarão em algum momento depois dele.

Foi a crença nesse mercado aquecido e seu potencial de crescimento que levou um grupo de empreendedores a investir num evento brasileiro capaz de atrair os grandes estúdios mundiais de entretenimento, as principais editoras de quadrinhos e ficção científica do País, uma quantidade recorde de quadrinhistas nacionais, um grande número de astros internacionais dos quadrinhos, cinema e TV, e mais de 100 mil visitantes.

Há poucos anos, algo assim parecia inimaginável.

Falhas

Sim, houve problemas. O acesso era difícil: pelo menos meio quilômetro de caminhada entre o credenciamento e o pavilhão, a maior parte dela por meio de uma passarela estreita. É impraticável para pessoas com algum tipo de problema de locomoção.

Visitantes e jornalistas especializados narram problemas sérios na organização dos painéis e sessões de autógrafos mais concorridos, em especial os dos astros da série Jessica Jones, Krysten Ritter e David Tennant.

Não se deve minimizar essas e outras queixas, mesmo num evento com a complexidade da CCXP. As falhas precisam ser divulgadas e corrigidas. Quero acreditar que os organizadores estarão atentos às reclamações e evitarão que os mesmos problemas se repitam na próxima edição.

Artists’ Alley

A área reservada aos artistas era um oásis no pavilhão. Menos muvucada e repleta de gente talentosa apresentando e vendendo seus trabalhos. Não é exagero dizer que o Artists’ Alley da CCXP 2015 reuniu o melhor da atual produção nacional de quadrinhos.

Até lá havia filas, concentradas nas mesas de artistas internacionais como Kevin Maguire, Mark Waid e David Finch, e nas de alguns nacionais mais conhecidos do grande público.

Tirando isso, as mesas eram bastante acessíveis, assim como os artistas. Foi uma oportunidade única não só para comprar ótimas HQs, mas também interagir e conhecer melhor estes profissionais – para quem ainda não conhecia – ou simplesmente reencontrar os amigos.

Panini

O único painel a que assisti reservou uma agradável surpresa: a aparição sem aviso do artista americano Jim Lee, hoje um dos chefões criativos da DC Comics. Simpático o tempo todo em que permaneceu lá (uns 15 minutos), ainda presenteou um aniversariante da plateia com um desenho exclusivo.

Lee elogiou a produção brasileira de quadrinhos e citou nominalmente alguns artistas. Disse que apesar da “vibe” por quadrinhos de super-heróis no Brasil, conheceu e elogiou os trabalhos de outros gêneros que vêm sendo feitos por aqui.

A editora anunciou alguns títulos da Marvel, DC, Vertigo e Mauricio de Sousa que serão lançados no próximo ano. Revelou duas parcerias que estão sendo desenhadas: com a editora Stout Club, de Rafael Albuquerque, e outra com o humorista e apresentador Danilo Gentili. Sem muitos detalhes, no momento.

O auditório quase veio abaixo mesmo com o anúncio de dois lançamentos da linha de mangás da Panini: Vagabond, que será republicado desde o número 1, e o muito aguardado One Punch Man. A editora também vai relançar a série interrompida A Face Oculta, da Bonelli, num megaencadernado.

Em resumo

O fato é que a CCXP cresceu muito em relação à primeira edição, em todos os sentidos: expositores, área, atrações, quantidade e notoriedade dos convidados.

Mas o que mais cresceu mesmo foi o interesse do público, e a impressão que fica é que foi ainda maior do que estimado pelos organizadores. Agora eles têm o chamado “bom problema” nas mãos: adaptar a estrutura do evento a esse público, que tende a continuar aumentando.

Uma alternativa – complexa e cara, admito – seria esticar a CCXP numa maior quantidade de dias, dos atuais quatro para pelo menos seis.

Claro que o final de semana continuaria concentrando a maior parte do público, mas mais dias podem ajudar na distribuição dos visitantes e minimizar parte das filas e aglomerações. Só para lembrar, as Bienais do Livro do Rio e São Paulo duram 11 dias.

Comentários