enders-game

No começo do ano, uma nova série de quadrinhos digitais do Superman ganhou a mídia por motivos alheios ao personagem ou à trama. Organizações de defesa dos direitos dos homossexuais exigiram que a DC demitisse o autor daquela que seria a primeira edição, o escritor Orson Scott Card.

A editora apoiou seu contratado, mas quando o artista Chris Sprouse pulou do barco, o projeto foi engavetado até a contratação de um substituto – o que não aconteceu até hoje (entenda o caso aqui).

Agora, mais um produto cultural relacionado a Card volta às manchetes: a estreia nos cinemas, em novembro, de O Jogo do Exterminador (Ender’s Game), baseado em seu livro de ficção científica escrito em 1984.

O grupo Geeks Out – criado em 2010 para dar visibilidade aos fãs gays de quadrinhos – está propondo o boicote ao filme. A petição conclama: “Não assista ao filme! Não compre o ingresso para o cinema, não compre o DVD, não assista na Internet. Ignore todo merchandising e brinquedos. Mesmo que você seja admirador de seus livros, mantenha seu dinheiro longe dos bolsos de Orson Scott Card”.

Em resposta, o escritor divulgou uma nota em que lembra que a trama do livro se passa um século no futuro e que não tem nada a ver com questões políticas que sequer existiam na época em que foi publicado; que a Constituição americana mais cedo ou mais tarde vai dar força legal para que qualquer tipo de união civil de um estado seja reconhecido pelos demais.

E provoca: “Agora, vai ser interessante ver se os vencedores da proposta do casamento gay vão mostrar tolerância para com aqueles que não concordavam com eles quando o assunto ainda estava em disputa”.

Nesta sexta-feira (12), o estúdio responsável pelo filme, o Lionsgate, também emitiu uma nota em que ressalta seu constante apoio à comunidade LGBT e tenta manter O Jogo do Exterminador fora da polêmica: “Nós obviamente não concordamos com a visão pessoal de Orson Scott Card (…). De todo modo, ela é completamente irrelevante para a discussão pelo simples fato de o filme ou o livro não refletirem esta visão de nenhuma maneira ou forma”.

Comentários