Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Resenha: Demolidor – Um novo (e brilhante) começo

DEMOLIDOR1

Com um ano de atraso – considerando o hiato normal de dez meses entre os lançamentos nos Estados Unidos e Brasil – a Panini finalmente colocou nas bancas a fase do Demolidor escrita por Mark Waid.

Era um pedido antigo dos leitores, e a Panini acertou duplamente ao decidir publicar em formato encadernado em vez de deixar esta fase perdida nos mixes das revistas mensais.

Demolidor – Um Novo Começo reúne as seis primeiras edições da série mensal reiniciada em 2011 nos Estados Unidos. Acompanham Waid os ótimos ilustradores Paolo Rivera e Marcos Martin, cujos estilos muitas vezes se confundem.

A HQ é mais um recomeço na atribulada trajetória do Demolidor. Desde que viveu sua primeira grande fase pelas mãos de Frank Miller nos anos 1980, o herói passou a viver uma verdadeira gangorra.

Uma frase de Matt Murdock resume bem o calvário do personagem nas últimas décadas: “Toda vez que eu achava que tinha chegado ao fundo do poço, Deus me arrumava uma pá maior”.

E o recomeço que Waid escolheu para o Homem sem Medo não poderia ser mais brilhante. As histórias têm um tom pré-Idade das Trevas: o herói é herói e ponto. Ele vive para ajudar os mais fracos e chega a experimentar satisfação na luta contra oponentes aparentemente superiores.

Essa fase é também um novo começo para os leitores. Quem nunca acompanhou as HQs do Demolidor pode começar por esta aqui tranquilamente.

Um brevíssimo resumo (meia página) conta como o herói adquiriu seus superpoderes ainda criança. Depois disso, em mais de uma ocasião o personagem vai explicar ao leitor sua visão do mundo a partir da cegueira e dos sentidos superdesenvolvidos, e a dificuldade que foi adaptar-se a esta condição.

O roteiro também ajuda quem está chegando agora a se situar na cronologia: Matt Murdock está de volta a Nova York depois de um período de ausência forçada e precisa reconstruir sua carreira de advogado, prejudicada pela revelação de sua identidade super-heroica.

Demolidor – Um Novo Começo é um oásis em meio ao marasmo em que se encontram as atuais histórias de super-heróis, tanto da Marvel quanto da DC. Nos Estados Unidos, a série mensal tem 27 edições e três encadernados publicados.

Se a Panini tiver juízo, vai dar continuidade à publicação no Brasil. A HQ tem 148 páginas, capa cartonada, papel bacana e preço mais que camarada de R$ 18,90. Imperdível!

Comentários

Previous

Vale o Investimento: A Narradora das Neves: Uma Aventura no País Inuit

Next

“O Jogo do Exterminador”: Orson Scott Card responde a boicote

8 Comments

  1. Curti a resenha. Conta tudo sem contar nada. Odeio quando confundem resenha com spoilers e contam toda a história da revista. Até evito ler resenhas por causa disso.
    Daredevil é um de meus personagens favoritos, com certeza este é mais um momento especial do personagem que vale acompanhar. Obs: Paolo Rivera é o cara.
    Abração, hermano.
    Rubens Junior

  2. Marcelo

    Interessante, achei ela nas bancas e não tive vontade de comprar. Mas depois que li essa resenha acho que vou adquiri-la.

  3. Gostei bastante Jota! Tanto que fiz até uma resenha também lá no meu Blog! Valeu!! Abcs!

  4. Luiz Silva

    Boa resenha, Jota. Comprei esta edição ainda quando estava em pré-venda. Se tem o nome Waid, o roteiro é, no mínimo, bom (afinal ele foi um dos “salvadores” dos quadrinhos nos anos 90, com a excelente Reino do Amanhã e boas passagens por Flash e Capitão América).
    Li e gostei muito. A abordagem lembrou bastante a versão do Karl Kesel e Cary Nord (publicada em Marvel 98), seguindo uma linha mais divertida e menos sombria. Claro que Waid faz algo bem superior ao trabalho do Kesel (que não era ruim, ao contrário, foi uma das poucas séries que se salvaram em Marvel 98).
    Só tomara que a Panini não demore mais trocentos meses para publicar o próximo volume…

Deixe uma resposta para Jota Silvestre Cancelar resposta

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019