Mantendo a tradição, Papo de Quadrinho indica os melhores quadrinhos lançados no ano que acabou.

Como toda lista, esta obviamente tem falhas e critérios. Em primeiro lugar, só foram consideradas as HQs lidas pelos editores (e está muito longe de cobrir a totalidade de lançamentos do ano).

Em segundo, o fato de que não foram avaliados os relançamentos. Por isso, quadrinhos sensacionais como Diomédes (Lourenço Mutarelli, Quadrinhos na Cia) e Grandes Astros: Superman (Grant Morrison/Frank Quitely, Panini), por exemplo, ficaram de fora.

Por último, neste ano o blog selecionou os melhores em outras categorias (livros, filmes, seriados, games – a serem publicados nos próximos dias) e, portanto, reduziu cada lista a cinco itens.

E no dia 7 de janeiro, vamos publicar as Melhores HQs de 2012 na opinião dos leitores. Não perca!

Veja quais foram as Melhores HQs de 2012 para o Papo de Quadrinho:


HABIBI (Craig Thompson, Quadrinhos na Cia)

Com a peculiar sensibilidade que imprime a seus trabalhos, Craig Thompson (Retalhos) narra uma história de amor que atravessa décadas ao mesmo tempo em que traduz para os ocidentais os verdadeiros princípios da fé islâmica. Dodola e Zam, uma jovem e um bebê escravos, refugiam-se num navio em pleno deserto. Para passar o tempo, Dodola conta histórias como no conto As Mil e Uma Noites. Mas o mundo fora do refúgio é duro, e ambos acabam sucumbindo à crueldade dos homens antes que voltem a se encontrar.

ASTRONAUTA-MAGNETAR (Danilo Beyruth, Panini)

Dando início à série Graphic MSP, Danilo Beyruth explora e aprofunda as características que transformaram o Astronauta num dos personagens mais queridos de Mauricio de Sousa: a ousadia e a solidão. O intrépido investigador depara-se com um evento raro no cosmos, uma magnetar, último estágio de uma estrela moribunda. Ao investigá-lo, um problema com a nave faz dele um náufrago espacial. O Astronauta vai buscar nas lembranças da infância na fazenda do avô a coragem para sair desta situação.

Leia resenha completa aqui: http://revistaogrito.com/papodequadrinho/2012/10/21/astronauta-magnetar-razao-e-sensibilidade/ 

NEONOMICON (Alan Moore/Jacen Burrows, Panini)

Homenagem do bruxo dos quadrinhos a H.P. Lovecraft. Moore mistura elementos da narrativa sobrenatural do escritor – que teve sua obra publicada no início do século passado – com uma trama policialesca. É a oportunidade para introduzir alguns dos elementos mais presentes nos trabalhos do quadrinhista: sexo e drogas. A impressão de Neonomicon foi proibida na Indonésia e China, o que fez a Panini lançar a HQ em capa cartonada para viabilizar o preço.

Leia resenha completa aqui: http://revistaogrito.com/papodequadrinho/2012/08/16/neonomicon-de-alan-moore-tributo-a-h-p-lovecraft/ 

WILSON (Daniel Clowes, Quadrinhos na Cia)

Clowes é conhecido por sua crítica sutil aos costumes da sociedade americana. Se em Mundo Fantasma ele mirou numa geração perdida de jovens, em Wilson seu alvo é o americano de meia idade. Wilson é uma coleção ambulante de defeitos: egoísta, insensível, intrometido, grosseiro, rancoroso. Mas é na linguagem que o livro de destaca: a história é narrada em tiras de uma página, cada uma num estilo diferente de arte, que formam a epopeia de um medíocre.

Leia resenha completa aqui: http://revistaogrito.com/papodequadrinho/2012/02/27/wilson-e-uma-divertida-colecao-dos-defeitos-humanos/ 

PAGANDO POR SEXO (Chester Brown, WMF Martins Fontes)

Obra autobiográfica de Chester Brown, Pagando por Sexo é praticamente um tratado sociológico em defesa da prostituição. Cansado das desilusões amorosas, e tímido demais para batalhar o sexo casual, Brown opta por pagar pelo prazer. No percurso, ilustra as principais dúvidas de quem não tem experiência no assunto: onde procurar, como tratar a profissional, como fazer o pagamento, quanto as aventuras pesam no orçamento, e por aí vai. O autor aproveita diálogos com os amigos para rebater pontos de vista contrários à prostituição e ainda traduz toda a impessoalidade com que trata o tema numa arte minimalista.

Comentários