Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Segunda temporada de Justiça Jovem estreia nos EUA

Justiça Jovem é um dos desenhos de super-heróis mais bacanas da atualidade. Muita ação, diálogos inteligentes, bom humor e muitas referências aos quadrinhos – literais ou adaptadas.

A animação, porém, foi vítima de algum erro estratégico dos produtores. Depois do 9º episódio, amargou o primeiro hiato de seis meses e retornou em setembro; novo hiato de fim de ano em novembro, após o episódio 18.

O retorno se deu em março, quando Justiça Jovem reestreou, ainda na primeira temporada, como uma das principais atrações (ao lado de Green Lantern: The Animated Series) do novo bloco de programação DC Nation, do Cartoon Network  (todas datas referem-se à exibição nos Estados Unidos).

No último sábado (28), sem maior alarde, foi exibido o primeiro episódio da segunda temporada (veja o trailer acima). Pelos anteriores, já dava para perceber que a série encaminhava-se para algum tipo de final: os segredos dos jovens heróis foram revelados, os laços entre eles se tornaram mais fortes, o principal núcleo de vilões veio à tona e, num episódio antológico, os ex-sidekicks livram a cara dos figurões da Liga da Justiça.

A considerar por este novo início, a temporada deu uma guinada brusca na trama, ambientada cinco anos depois da primeira. A equipe cresceu, com ingresso de muitos outros jovens heróis: Abelha, Lacustre, Mutano, Besouro Azul, Moça-Maravilha, Batgirl… e o novo Robin, Tim Drake.

Isto mesmo. Dick Grayson, agora com 18 anos, assumiu a identidade de Asa Noturna e papel de mentor da Justiça Jovem. Superboy e Miss Marte continuam na equipe, porém não namoram mais. Zatana e Rocket foram promovidas para a Liga da Justiça. E Kid Flash, Artemis e Aqualad não deram as caras ainda para revelar o que se tornaram.

O episódio em si é bacana. Os heróis descobrem uma invasão alienígena e começam a investigar e desmantelar as bases hostis. Tem participação especial do Lobo, o maioral, e de Adam Strange, além de outros conhecidos super-heróis que agora fazem parte da Liga da Justiça.

É bem provável que a nova temporada apresente muitos flashbacks deste período de cinco anos. Pessoalmente, gostava das coisas como estavam. A equipe tinha um bom entrosamento e a juventude deles era um ingrediente adicional.

Por tudo de bom que os produtores já fizeram até agora, merecem um voto de confiança. Veremos.

Comentários

Previous

HQ independente aposta em super-herói nacional

Next

Mais um trailer do novo filme do Homem-Aranha

1 Comment

  1. wallisson

    nao acredito das mudança ,o Superboy e a Miss.Martin terminaram
    aff…

Deixe uma resposta

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018