Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

“Flash Expo” homenageia Amy Winehouse

Amy a Mil Traços, como foi batizada a mostra de cartuns sobre a cantora britânica, é fruto de um fenômeno típico dos dias atuais, em que a Internet transforma a vontade de um indivíduo no desejo de muitos.

A ideia foi lançada pelo cartunista JAL em sua página no Facebook poucos dias após a morte de Amy Winehouse, em 23 de julho, e em pouquíssimo tempo recebeu grande adesão de artistas de todo o País. Em razão desse caráter colaborativo e organizado por uma rede social, ganhou o nome de Flash Expo.

A exposição vai reunir 44 ilustrações a partir de amanhã (30) na praça de eventos do Shopping SP Market, diariamente das 10h às 22h, com entrada gratuita. Na noite de inauguração, o artista plástico Wilson Iguti estará no local esculpindo um busto da cantora, que passará a integrar o acervo da mostra.

Junto aos painéis com imagens de Amy estarão expostos também itens de colecionadores, como CD, livros, discos e bonecas. A mostra fica em São Paulo até o dia 18 de setembro e depois torna-se itinerante, com passagens agendadas inclusive fora do Brasil.

Veja o nome dos artistas participantes: Amorim, Anderson Almeida, Bruno Honda, Caco Galhardo, Caó Cruz, Carvall, Cassio Mango, Cris Carnelós, Dálcio, Daniel Paione, Danyael Lopes, De Pieri, Dimaz Restivo, Edra, Fabrício R. Garcia, Fernandes, Flávio Luiz, Fraga, Gilmar, Guaico, Guilherme Bandeira, Izidoro, J. Bosco, Jorge Inácio, Júnior Lopes, Marco Souza, Minêu, Mônica Fuchshuber, Morettini, Morgani, Oscar, Paffaro, Paulo Cavalcante, Paulo Emmanuel, Paulo Moura, Rodrigo Mota, Siqueira, Silvano Mello, Stegun, Tiago Gomes, Viviane Yamabuchi, Wagner Ramari, Will e William Medeiros.

Papo de Quadrinho conversou com JAL para saber mais detalhes do projeto:

Quando lançou a ideia no Facebook, você esperava que haveria toda esta repercussão toda?

Na semana da morte da Amy, estava observando no Facebook que muitos desenhistas a estavam homenageando, postando desenhos e charges. Vi que os desenhistas haviam eleito a Amy como uma musa e que vários utilizavam suas músicas de fundo enquanto desenhavam.

Lancei a idéia de fazermos então uma exposição em homenagem à Amy e começaram a enviar trabalhos para mim. Nem sabia onde poderíamos fazer, mas achei legal a ideia de organizar algo para expor onde quer que fosse. Liguei para a produtora Cida Cândido, que tem bons contatos com lugares da moda e shoppings, para ela soltar a informação de que faríamos uma exposição. E logo de cara o Shopping SP Market aceitou.

Como a exposição foi viabilizada?

Com a parceria do Shopping SP Market, que colocou para produzir a exposição a empresa Lupa Expo  especializada nesse tipo de trabalho em shoppings e eventos. Batizamos de “Flash Expo” para fazer um paralelo com as flash mobs organizadas pela Internet. O nome foi criado pelo Rick Goodwin, jornalista do Rio de Janeiro que trabalha com os Cassetas.

Quantas ilustrações você recebeu e qual foi o critério para selecionar quais entrariam na exposição?

Como era um conceito novo de criar exposições rápidas, resolvi aceitar de todos os trabalhos enviados até uma certa data. Fechamos em 44 desenhistas, mais o logo do evento que eu criei com o nome Amy a Mil Traços. Depois do fechamento para a produção, vieram mais uns 10 cartuns, mesmo divulgando que estava fechada. Inclusive, chegaram trabalhos tão bons depois do fechamento que fiquei chateado.

Com a repercussão do evento, até um jornal de Boston nos procurou e depois de verem o material da exposição estão avaliando fazer a montagem por lá e também na Espanha, onde tem uma sede deles. Estou também conversando com Portugal e algumas cidades no Brasil para fazer a mostra itinerante. Aí podemos incluir mais alguns trabalhos lindos que chegaram.

Depois do sucesso desta flash expo, você pretende lançar novos projetos por meio das redes sociais?

Vamos continuar nessa toada das flash expo, até porque é um lance novo na Internet que pode pegar como as flash mob. Já estou convocando os desenhistas para uma próxima sobre os dez anos do 11 de Setembro. Não dá pra perder esse tema para falarmos de paz. Aliás, os cartuns terão que ter esse teor da paz para entrar nessa outra exposição.

Acho que esse tipo de expressão cultural do cartunista demonstra o quanto está em sintonia ao dia-a-dia de nosso mundo louco. Se passarmos essa troca de sentimentos para a população, o evento já valeu.

SERVIÇO:

Exposição Amy a Mil Traços
Abertura: 30 de agosto, às 19h30 (fica até 18 de setembro)
Local: Shopping SP Market (Av. das Nações Unidas, 22.540 – São Paulo/SP)
Horário: 10h às 22h
Entrada Franca
Informações: (11) 5682.3666 ou www.shoppingspmarket.com.br
 

Comentários

Previous

HQs na Bienal: lançamento da V&R Editoras

Next

HQs na Bienal: lançamentos da Barba Negra e Leya Brasil

Deixe uma resposta

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018