Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

Papo de Quadrinho viu: Planeta dos Macacos – A Origem

Por Eduardo Marchiori

A convite da Fox, o Papo de Quadrinho assistiu ao filme numa sessão  exclusiva para profissionais de imprensa e traz as impressões sobre a produção, que resgata uma famosa franquia de cinema e TV. Sem spoilers, como manda a política do blog.

Se o leitor tem mais de 40, certamente vai se lembrar da emblemática cena de Charlton Heston cavalgando numa praia com metade da Estátua da Liberdade enterrada na areia.

Em 1968, o longa-metragem O Planeta dos Macacos mostrava um futuro apocalíptico da Terra, onde restaram poucos seres humanos e o planeta é dominado por uma raça de símios falantes. O filme gerou mais quatro continuações: De Volta ao Planeta dos Macacos (1970), A Fuga do Planeta dos Macacos (1971), A Conquista do Planeta dos Macacos (1972) e A Batalha do Planeta dos Macacos (1973).

A temática continuou despertando o interesse do público e, em 1974, a franquia ainda rendeu uma série de TV com 14 episódios e uma série animada com mais 13 episódios no ano seguinte. Vinte e seis anos depois, em 2001, o diretor Tim Burton ressuscitou a franquia e deu sua visão sombria sobre o primeiro longa-metragem, com Mark Wahlberg no papel principal. Apesar dessa longa trajetória, nenhum desses filmes contou o que aconteceu para que o futuro dominado pelos macacos acontecesse.

Planeta dos Macacos – A Origem, que estreia no Brasil dia 26 de agosto, vem para responder essas perguntas, e volta ao “passado” para revelar como tudo começou. James Franco interpreta o Dr. Will Rodman, um renomado cientista da empresa de engenharia genética Gen-Sys. Rodman está empenhado em descobrir a cura para o Mal de Alzheimer, doença que acometeu seu próprio pai, Charles (John Lithgow). Para isso, desenvolve um vírus benigno que regenera o tecido cerebral humano danificado e usa chimpanzés como cobaias.

Um dos experimentos foge do controle e, para evitar mais complicações, os cientistas são obrigados a sacrificar todas as cobaias. Uma delas, porém, estava grávida e deu à luz um pequeno chimpanzé que Rodman fica com pena de sacrificar e passa a criá-loem casa. Batizado como César, o pequeno macaco herdou o vírus de sua mãe e apresenta inteligência acima da média.

Um acidente leva César para longe da paz do seu lar e o coloca em cativeiro onde um cruel tratador (interpretado por Tom Felton, o Draco Malfoy, de Harry Potter) e outros macacos selvagens vão despertar nele um sentimento de revolta.

A homenagem dos roteiristas à antiga série fica por conta da rápida aparição de uma cobaia chamada Cornélia. Além disso, algumas brincadeiras são mostradas, como César imitando a clássica pose do Pensador de Rodin ou o anúncio do filme Fuga de Alcatraz durante a rebelião dos símios na ponte Golden Gate. Até mesmo King Kong é lembrado.

O filme usa a mesma tecnologia de Avatar para dar realismo às cenas com os macacos e ao ambiente em que eles aparecem. Diferentemente das produções anteriores, nas quais os atores usavam máscaras, esta versão utilizou a tecnologia de captura de movimentos e deu muito mais realismo às expressões de César, que transmite alma e sentimento apenas com o olhar. Com isso, o espectador é levado a se envolver com as situações injustas as quais o símio é submetido, criando um clima de tensão que vai do começo ao fim do filme.

É um ingresso num mundo selvagem onde impera a lei do mais forte, que nos leva a questionar se o mundo dos homens é tão diferente daquele dos primatas. Valores éticos são colocados em xeque nesta produção, que mostra o que acontece quando o homem brinca de ser Deus sem impor limites aos seus atos. Se Charles Darwin vivesse hoje, sua teoria da evolução seria invertida.

Eduardo Marchiori é jornalista, editor do blog “O X da Questão” e colaborador da revista Mundo dos Super-Heróis e do site Meu Herói.

Comentários

Previous

Linha de brinquedos do Capitão América

Next

Gogo’s da Turma da Mônica chegam no mês que vem

3 Comments

  1. Roberto Miranda

    Caro Eduardo, você está errado quando diz que em nenhum dos filmes da série Planeta do Macacos está explicada a origem da dominação dos macacos sobre os humanos. Reveja, se não me engano, o filme A Conquista do Planeta dos Macacos, onde Cezar e Cornélia são transportados para o passado, e se rebelam, dando início a organização dos macacos e sua dominação sobre a terra.

    O que temos agora é uma releitura com adaptações por conta do diretor.

    Estou ansioso para assistir.

    Abraços.

  2. Em Buenos Aires esperamos a premiere de este filme. Acredito que deve ser grande, graças ao artigo

  3. Tem razão, Roberto. Comi bola nesse fato. No entanto, como o próprio diretor afirmou, ele preferiu dar sua própria visão da história, o que a torna uma versão inédita. Obrigado pela correção e espero que tenha gostado do filme. Dificilmente as releituras conseguem agradar os fãs mais antigos, mas essa tem tudo para ser uma exceção.

Deixe uma resposta para M. C. Carper Cancelar resposta

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019