Revista O Grito!

Papo de Quadrinho — O Grito! Blogs – Quadrinhos

UniDub comemora 35 anos de Dragon Ball na CCXP19

Wendell Bezerra e grandes astros da dublagem discutem o legado da série em painel realizado no Auditório Ultra, no sábado (7)

Wendell Bezerra

A CCXP tem uma novidade que vai elevar o “ki” dos fãs de Dragon Ball. A saga está completando 35 anos e terá uma comemoração especial no maior festival de cultura pop do planeta – realizado entre 5 e 8 de dezembro, no São Paulo Expo.

Promovido pela UniDub, o painel acontece no Auditório Ultra, sábado (7), e vai reunir os dubladores Wendell Bezerra (voz do Goku e diretor de dublagem dos filmes), Wellington Lima (voz do Majin Boo e diretor de dublagem da série), Úrsula Bezerra (Voz do Goku criança), Tânia Gaidarji (Voz da Bulma) e Fábio Lucindo (Voz do Kuririn).

O time, convidado pelo estúdio de dublagem UniDub, vai relembrar os grandes momentos da saga e contar histórias de bastidores para o público presente no painel. Dragon Ball atravessa gerações ao apresentar a história de Son Goku e seus amigos, que enfrentam vários desafios sempre com o objetivo de salvar o planeta terra – entre muitas mortes e ressureições, grandes demonstrações de poder e lutas épicas de tirar o fôlego.

Para mais informações sobre a programação já divulgada da CCXP19, basta acessar o site do festival: www.ccxp.com.br. O público também pode fazer o download gratuito o aplicativo oficial do evento – compatível com os sistemas Android e IOS.

CCXP19
Datas: de 5 a 8 de dezembro de 2019   
Local: São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, Água Funda, São Paulo – SP)
Ingressos: Esgotados 
Horários: Quinta-feira e Sexta-feira, das 12h às 21h. Sábado, das 11h às 21h. Domingo, das 11h às 20h.

Sobre a CCXP – Em 2018, o festival recebeu 262 mil visitantes, batendo recorde de público e se estabelecendo mais uma vez como o maior festival de cultura pop do mundo. A CCXP já faz parte do calendário cultural do país e este ano acontecerá entre 5 e 8 de dezembro, no São Paulo Expo. Saiba mais em www.ccxp.com.br

Revista Plaf #3 discute como os quadrinhos veem a história brasileira

A terceira edição da revista Plaf tem como um dos assuntos principais o olhar dos quadrinhos sobre a história brasileira.

Como arte plural, as HQs trouxeram contribuições para o entendimento de diferentes acontecimentos de nossa história, como a escravidão e a ditadura, entre outros.

Confira os destaques da edição:

  • Artigo sobre como autores estão atentos à importância do passado para refletir o presente
  • Ensaio sobre o imaginário do Nordeste nas histórias em quadrinhos e como essas produções ajudaram a desconstruir (ou reforçar) preconceitos sobre o território e seus habitantes
  • Artigo trata da importância de Angelo Agostini, o brasileiro pioneiro na gênese das HQs no Brasil e no mundo
  • Releitura crítica da Tico-Tico, uma das primeiras e mais populares revistas em quadrinhos do País.
  • Um papo com Luiz Gê, autor que desde a ditadura militar fez dos quadrinhos e do humor gráfico sua arma por um país verdadeiramente democrático. Gê ainda colaborou com a edição com uma charge inédita na página saideira da revista.
  • HQs inéditas de Aline Lemos, artista que assina a capa da edição, e do talento promissor de Pernambuco, Jota Mendes.

A Plaf tem edição de Dandara Palankof, Carol Almeida e Paulo Floro.

A revista será vendida a R$ 15 em diferentes pontos de venda em cidades como Recife, São Paulo, Curitiba, Brasília, Goiânia, João Pessoa, entre outros (veja a lista atualizada aqui) e na loja virtual.

O lançamento acontece no dia 6 de dezembro, a partir de 19h, no Ursa Bar e Comedoria, no Recife, com presença de DJs, sessão de autógrafos e entrada gratuita.

A publicação tem patrocínio do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura – Funcultura, do Governo do Estado de Pernambuco e é uma realização da Revista O Grito!, site sobre arte e cultura com sede no Recife.

Papo de Quadrinho viu: Frozen II

A convite da produtora Espaço Z, nossa colaboradora Adri Amaral conferiu a continuação do sucesso Frozen

Nossa resenha está livre de spoilers.

A nova animação da Disney, Frozen 2, sequência de Frozen (2013), nos traz de volta ao reino de Arendell e à vida das irmãs Elsa e Anna. Nesse segundo filme, a parceria entre as irmãs é mostrada de forma mais intensa com Elsa como rainha e Anna feliz com a vida em família no castelo onde também vivem o namorado Kristoff, o boneco de gelo Olaf e a rena Sven.

A rainha Elsa, no entanto, começa a ficar intrigada ao escutar frequentemente o chamado de uma voz misteriosa – dublada pela cantora indie pop da Noruega, Aurora – e quer entender a origem de seus poderes. Na trajetória em busca do passado e de suas origens, as irmãs, Kristoff, Olaf e Sven partem rumo à floresta mágica após lembrarem de histórias contadas quando eram crianças por seus pais. O epicentro dessa busca está na compreensão das identidades das irmãs e de sua família.

Na floresta, congelada sob um nevoeiro encantado, as personagens encontram então o seu povo nativo, os Northuldra, que habitavam ali desde o seu princípio bem como alguns soldados de Arendell. A resolução de todos esses mistérios está intrinsicamente ligada às origens da família de Elsa e Anna e aos pais das mesmas. Novos animaizinhos mágicos também aparecem para completar o time com destaque para a salamandra Bruni – fofíssima – e o cavalo de gelo Knorr. A aventura e o mistério são centrais nesse segundo filme. Embora em alguns momentos o ritmo caia, isso não compromete a história, que tem um cuidado permanente com a beleza dos cenários e efeitos especiais.

Durante a nova jornada, as irmãs enfrentam situações mais pesadas do que o filme anterior, especialmente em relação ao seu passado. É enfatizada a amizade e o amor que ambas mantêm e bem como suas diferenças de personalidade, o que permite que elas se complementem nos desafios que são apresentados e deste modo, os solucione de forma diferente.

As músicas dessa continuação não são tão cativantes quanto às do primeiro filme, mas o momento quase anos 1980 de Kristoff – que ensaia e tenta várias vezes pedir a mão de Anna em casamento – é impagável ao simular os clichês dos videoclipes de baladas oitentistas. A trilha também está menos infantil com destaque para “Into the Unknown” que é cantada por Elsa e também na versão da banda Panic at the Disco! e “Lost in the Woods” do Weezer nos créditos finais.

Frozen 2 foca muito mais na aventura e em momentos bastante tensos – numa espécie de “coming of age” das irmãs, agora um pouco mais amadurecidas, em que vemos ambas lidando com os dramas de ser quem são. Vemos a Disney tentando “expiar” seus conflitos em uma tentativa de leitura dos discursos descoloniais ao mostrar o povo Northuldra em suas virtudes e ao reposicionar o discurso bélico histórico dos colonizadores. Evidentemente que as nobres ainda ganham o protagonismo diplomático de resolução das situações, mas a ideia do desvelamento de “mentiras do passado” é uma sinalização interessante e deve ganhar uma certa tônica nas próximas produções do estúdio.

A discussão que a Disney não se atreveu a mexer no entanto diz respeito ao interesse afetivo de Elsa. Por um lado, é interessante que ela não precise ter o componente romântico e siga um caminho de auto-conhecimento, mas por outro a noção de que ela seria a primeira protagonista queer por parte de uma base do fandom é frustrada. O roteiro deixa tudo em aberto, embora a canção “Show yourself” cantada por Elsa – assim como Let it go – venha ganhando uma interpretação nesse sentido por parte do fandom LGBTQ+ da animação. Há várias camadas de sentido que podemos pensar para interpretar um filme, desde análises progressistas até conservadoras, o que inclui fãs que produzem conteúdos como: fan arts, fanvideos, mobilizações em rede, etc.

A Disney lança suas iscas e não se compromete, tentando se resguardar de reações mais acirradas. O entendimento da Disney sobre a cultura dos fãs é sempre tensa e ainda há uma carência de entendimento das práticas trazidas pela internet nesse contexto.

Atenção para um último e importante detalhe: há uma cena pós crédito, então, fiquem ligados. Compre seu sorvete e divirta-se nessa nova aventura congelante!

A Última Dança: Um conto sensível e tocante em quadrinhos

A Última Dança, mais recente trabalho do brasiliense Wesley Samp, traz a história de Lalá, uma garota alegre que adora dançar, mas que precisará reaprender a sorrir após uma reviravolta em sua vida.

Um conto sensível e tocante, feito para todas as idades, a HQ será lançada oficialmente na CCXP 2019, de 5 a 8 de dezembro, em São Paulo.

Com 64 páginas coloridas, A Última Dança faz parte do universo de Os levados da breca, primeira webcomic do autor, que conta com outros dois livros: As filosofias de recreio de Paulo e Wes (2016) e Um começo (2017).

Ambas também estarão à venda na mesa do artista na CCXP (E 23-24). Após o evento, as HQs podem ser adquiridas na loja virtual do autor.

Wesley Samp começou sua carreira nos quadrinhos em 2007, com a webcomic Os levados da breca. Em 2014, criou o site Depósito do Wes, onde publica todos os seus quadrinhos online, incluindo a série Cada um com seus problemas!, que retrata, de maneira bem-humorada, os problemas do cotidiano como simpáticos bichinhos.

Com passagens pela revista Mad e diversos jornais no País, Wesley já publicou cinco livros independentes, sendo indicado ao Troféu HQMix por seu trabalho online e impresso.

Ilustradora trans lança livro autobiográfico em quadrinhos

Pequenas Felicidades Trans é um projeto autobiográfico da quadrinista e ilustradora Alice Pereira, que transporta para os quadrinhos a vida de uma mulher trans, em especial o processo de transição vivenciado pela artista. 

O projeto, que começou nas redes sociais, foi lançado em 2019 por meio de financiamento coletivo, ultrapassando a meta inicial. O livro surgiu a partir de um diário, que Alice transformou em quadrinhos pensando no público cis (quem não é transgênero).

Eu estava numa fase em que as pessoas estavam me conhecendo, eu já tinha me revelado para quase todo mundo, mas me faziam sempre as mesmas perguntas

A autora diz que se surpreendeu com a aceitação também do público cis.

Foi legal ter essa repercussão muito grande com as pessoas trans, que passaram a se identificar. Eu não imaginava que ia gerar tanta identificação

Apesar de todos os avanços, transgêneros e transexuais ainda são uma população muito marginalizada, dificilmente convidados a escrever, roteirizar ou até mesmo atuar em obras com a sua própria temática.

Como resultado, geralmente pessoas não trans contam as histórias de pessoas trans. Com isso estas obras acabam sempre repletas de clichês e visões estereotipadas, distante da realidade e das vivências desta população

Pequenas Felicidades Trans é um relato pessoal, escrito e desenhado com delicadeza e simplicidade, buscando despertar o entendimento e a empatia do leitor em relação a uma vivência trans.

Com esse entendimento, a quadrinista priorizou uma concepção visual geométrica e calcada na simplicidade do traço, utilizando elementos básicos. 

Foto: Valda Nogueira

Alice Pereira tem 44 anos e nasceu no Rio de Janeiro/RJ. Começou a estudar quadrinhos há 10 anos e, em 2016, lançou seu primeiro livro, uma história do petróleo em quadrinhos. Em 2019, publicou Pequenas Felicidades, obra lançada no Brasil e em Portugal.

“Último assalto” usa boxe como metáfora para falar de desigualdade social

Em “Último Assalto”, de Daniel Esteves e Alex Rodrigues, o jovem Kevin Silva precisa enfrentar a pobreza e o preconceito antes de se tornar um campeão.

São muitos os casos de jovens que encontraram no esporte a saída de uma situação de desamparo social. Kevin Silva, protagonista de Último Assalto (Zapata Edições, 160 páginas, R$ 35), poderia muito bem ser um deles: apaixonado pelo boxe, ele é negro e pobre, foi abandonado pelo pai e perdeu a mãe enquanto cumpria medidas socioeducativas na Fundação Casa.

De volta ao convívio social, tudo que ele quer é reconstruir a vida, reconquistar a confiança do treinador Tony, subir no ringue e dar uma vida decente para si e o tio doente. Nesta jornada, Kevin fica igualmente dividido entre os bons conselhos de Cibele e a má influência de Rafa.

Último Assalto, de Daniel Esteves (roteiro) e Alex Rodrigues (desenhos), usa o boxe como metáfora para falar da desigualdade social. Kevin é de fato um lutador acima da média, mas contra a meritocracia pesam os mesmos obstáculos que a maioria dos jovens das periferias brasileiras enfrenta: preconceito, subemprego, a necessidade de sobreviver e a exploração dos poderosos.

A HQ foi financiada pelo Programa de Ação Cultural (ProAC) e realizada com apoio da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

Universos paralelos, homofobia e metalinguagem

A Zapata Edições lança também a HQ Sobre o tempo em que estive morta (112 páginas, R$ 30), com roteiro de Esteves e arte de Sueli Mendes, Pedro Okuyama e Wanderson de Souza.

A trama acompanha o retorno de Cris, uma escritora em crise, à sua cidade natal 15 anos depois de um misterioso acidente de barco. Dada como morta pela população local, inclusive seus pais e melhores amigos, Cris precisa não só fazer as pazes com o passado, mas também encontrar seu lugar no presente. Universos paralelos, homofobia, fanatismo e metalinguagem se misturam para indicar um novo começo para a jovem escritora.

Sobre o tempo em que estive morta foi um dos projetos selecionados pelo 1º Edital de Publicação de Histórias em Quadrinhos da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo.

Último Assalto e Sobre o tempo em que estive morta estarão à venda na Comic Con Experience (CCXP), de 5 a 8 de dezembro, em São Paulo. Depois disso, no dia 14, serão lançadas também em evento na escola de artes HQ em FOCO, juntamente com outros títulos novos da editora: Salseirada, de Al Stefano, e Correr, de Alex Rodrigues.

Sobre os autores

Daniel Esteves: Roteirista e professor de HQs na escola HQ em FOCO, é responsável pelo selo Zapata Edições e roteirista de diversos quadrinhos, entre eles: Por mais um dia com Zapata, KM Blues, Bichos, São Paulo dos Mortos, Nanquim Descartável, O Louco a Caixa e o Homem, Herança Africana no Brasil, A Luta contra Canudos e 147. Publicou cerca de 1.600 páginas de roteiro em mais de 50 revistas e livros de HQs, tendo sua produção independente contemplada com oito Troféus HQ Mix, principal premiação brasileira do segmento. Ganhou também o troféu Angelo Agostini em 2009 e 2012, como Melhor Roteirista Brasileiro.

Alex Rodrigues: Atua há mais de dez anos como ilustrador atendendo diversas editoras e agências de publicidade. Ministrou aulas de desenho na escola HQ em FOCO e, como quadrinista, colaborou para diversas edições: Por mais um dia com Zapata, São Paulo dos Mortos, Bichos, Archimedes Bar, MDM, Nanquim Descartável e Pelota.

Sueli Mendes: Ilustradora e quadrinista, participou de diversas edições da revista Café Espacial, da série Haole (Social Comics) e do segundo volume de Gibi de Menininha. Pelo selo Zapata Edições, publicou em dois volumes da série São Paulo dos Mortos, sendo vencedora do prêmio HQ Mix de Melhor Publicação Independente de Grupo, junto com os demais autores, por sua participação no volume 3.

Wanderson de Souza: Ilustrador, quadrinista e professor de desenho, participou das publicações Nanquim Descartável, Front, Café Espacial e Petisco Apresenta. Pela Zapata Edições, ilustrou KM Blues, vencedora do HQ Mix na categoria Independente e, pela editora Nemo, desenhou os álbuns Sonhos de uma noite de Verão e Herança Africana no Brasil.

Pedro Okuyama: Ilustrador e quadrinista, publicou as HQs Hacking Wave, Café, As Baratas e As Ideias. Pela Zapata Edições, participou de Pelota e Zé Murai. Em 2019, participou da antologia em quadrinhos Rancho do Corvo Dourado e da organização do evento Perifacon. Publica também HQs online em seu site Histórias Lacônicas.

Último Assalto

Autores: Daniel Esteves (roteiro) e Alex Rodrigues (desenhos)

Editora: Zapata Edições

Páginas: 160

Formato: 20 x 28 cm

Preço: R$ 35,00

Capa colorida, miolo em preto e branco

Sobre o tempo em que estive morta

Autores: Daniel Esteves (roteiro), Sueli Mendes, Pedro Okuyama e Wanderson de Souza

Editora: Zapata Edições

Páginas: 112

Formato: 20 x 28 cm

Preço: R$ 30,00

Capa colorida, miolo em preto e branco

Lançamento: Comic Con Experience (CCXP), de 5 a 8 de dezembro, no São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, Água Funda, São Paulo – SP) e HQ em FOCO, 14 de dezembro (R. Coelho Barradas, 153 – Vila Prudente, São Paulo – SP)

Mais informações: www.zapataedicoes.com.br

“Steampunk Ladies”, de Zé Wellington, ganha continuação

Na nova aventura, dupla de heroínas se unem a sufragistas britânicas contra o autoritário primeiro-ministro

A Editora Draco anuncia o lançamento de Steampunk Ladies: Choque do Futuro, com roteiro de Zé Wellington (Cangaço OverdriveQuem Matou João Ninguém?), desenhos de Sara Prado (Adagio), Wilton Santos (Star Wars – Age of Republic: Obi-Wan) e Leonardo Pinheiro, cores de Ellis Carlos, Ale Starling eThyago Brandão e letras e grafismos de Deyvison Manes.

O prefácio e o posfácio são assinados por Lívia Stevaux (MinasNerds) e Dana Guedes (escritora e entusiasta steampunk), respectivamente. 

A história se passa logo após os acontecimentos de Steampunk Ladies: Vingança a Vapor, de 2015 (leia nossa resenha aqui). Em um passado em que a tecnologia evoluiu muito além do que na nossa realidade a partir das máquinas a vapor, a Inglaterra do século XIX se tornou o centro das grandes invenções do planeta.

Saídos da cabeça de um mesmo inventor, esses projetos revolucionários têm sido usados em uma campanha britânica para colocar o resto do mundo de joelhos.

Como única força de oposição resistente, um grupo de sufragistas contará com a ajuda de Sue e Rabiosa, duas mulheres recém-chegadas da América. Elas vieram acertar as contas com o controlador primeiro-ministro inglês e um misterioso grupo cuja atuação é global.

Para essas mulheres, vencer o autoritarismo é também vencer as barreiras que as separam dos seus direitos.

Steampunk Ladies: Choque do futuro foi apoiado pela Secretaria da Cultura do Governo do Estado do Ceará – Lei Estadual de Incentivo à Cultura Nº 13.811, de 16 de agosto de 2016. A HQ tem  72 páginas coloridas, formato 17x24cm, papel couché 115g, capa cartonada com orelhas e preço de R$ 39,90.

Salseirada, de Al Stefano, homenageia Mestre Salu e o folclore brasileiro

Protagonistas da trama receberam o nome do rabequeiro e de outro ícone do maracatu, Zabé da Loca.

Próximo lançamento acontece no Butantã Gibicon, dia 1º de dezembro, e depois segue para a CCXP, de 5 a 8 de dezembro, ambos em São Paulo.

Uma das maiores autoridades em cultura popular do Brasil, Manuel Salustiano Soares, o Mestre Salu (1945-2008), inspirou uma geração de artistas como Chico Science, Antonio Nobre e Siba. Mais recentemente, inspirou também o quadrinhista Al Stefano na produção de seu novo livro em quadrinhos, Salseirada (Zapata Edições, 120 páginas, R$ 30).

Repleta de referências ao folclore brasileiro, a trama mostra como o rabequeiro Salú encontrou a “rabeca do tempo”, instrumento mágico que controla o clima. Junto com sua irmã Zabé e o amigo Mutum, ele percorre o sertão nordestino levando música e chuva para aliviar o sofrimento de pequenos lavradores assolados pela seca e pela fome.

O problema é que, no passado, a rabeca do tempo pertenceu a um coronel ganancioso, que usou o instrumento mágico para eliminar desafetos e prosperar. Agora, seu neto e um bando de jagunços querem recuperar a rabeca a qualquer preço. Somente a intervenção de espíritos da floresta, como a Caipora, Pé de Garrafa, Quibungo e Lobisomem, pode impedir que ela retorne para as mãos erradas…

Inspiração

A história já estava pronta quando Stefano, durante o processo de pesquisa iconográfica, se deparou com a rica trajetória de Mestre Salu e, por coincidência, com seu quarto e último disco, chamado Mestre Salu e a sua Rabeca Encantada.

A partir daí, as canções do rabequeiro embalaram o trabalho do artista na produção de Salseirada. Em homenagem ao mestre, o protagonista da HQ foi batizado como Salú, do mesmo modo que sua irmã ganhou o nome da musicista Zabé da Loca (Isabel Marques da Silva), outro ícone do maracatu pernambucano.

Lançamentos

Salseirada foi um dos projetos selecionados pelo 1º Edital de Publicação de Histórias em Quadrinhos da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e teve pré-lançamentos em novembro, durante uma palestra de Al Stefano e do editor Daniel Esteves sobre produção de HQs, na Biblioteca Paulo Setúbal, em São Paulo, e no evento Jundcomics, em Jundiaí/SP.

O próximo lançamento acontece no Butantã Gibicon, no dia 1º de dezembro e, depois, segue para a Comic Con Experience (CCXP), de 5 a 8 de dezembro, ambos na capital paulista. A HQ já está disponível na loja virtual da Zapata Edições.

Sobre o autor

Al Stefano: Iniciou a carreira como ilustrador nos anos 90 atendendo as maiores editoras do País em livros didáticos, literatura e revistas, além de produtos, jogos, storyboards e publicidade. Participou de diversas publicações de HQs, como Por mais um dia com Zapata, São Paulo dos Mortos, Archimedes Bar, Bichos, Orixás, Metal Pesado, Monica(s), Zemurai e Pelota, entre outras. Como autor, lançou As Aventuras coloniais de Mineirão e Zé Bonfim, projeto contemplado pelo ProAC – Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo.

Clean Break, novo trabalho de Felipe Nunes, tem lançamento nesta sexta-feira (22), na Ugra

Um dos principais talentos da nova geração de quadrinistas brasileiros, Felipe Nunes volta a publicar pela Balão Editorial, editora que o projetou no mercado em 2014, com a HQ Klaus.

Neste novo trabalho, Clean Break (240 páginas, R$ 64,90), estudos médicos comprovaram as consequências aditivas do açúcar, e um acordo mundial é estabelecido entre governos e empresas para criminalizar a “droga”.

Desta situação surge O Progresso, movimento social que defende um estilo de vida inflexivelmente saudável, responsável por construir a cidade-modelo de Varva, um paraíso construído às margens da Cidade Velha.

A trama gira em torno dos agentes veteranos Silas Cástan e Alberico Delucca, responsáveis pelo Departamento de Causas Vulgares, a decadente e solitária estação policial operante na Cidade Velha.

Devido aos problemas recorrentes de Silas com sua dependência de açúcar, a equipe recebe o reforço de Tarsila Kopff, joia da Academia de Polícia e misteriosamente afastada de seu cargo na corporação principal.

A descoberta de um corpo na parte de trás de um boteco da Cidade Velha traz à tona uma investigação que gradualmente ilumina uma agenda higienista e as consequências negativas de seu avanço nos habitantes de uma realidade despedaçada. 

Melodrama policial

O autor define Clean Break como um melodrama policial que forma uma colcha de retalhos, reverenciando clichês da ficção científica e do noir, repleta de reviravoltas que circulam entre o humor e o drama, o riso e o choque, o suspense e o gore.

Os personagens vivem em processo de combustão, embalados no virtuosismo estético e psicodélico da arte de Nunes.  Uma alegoria construída para abordar a realidade polarizada da sociedade moderna com rastreamento de dados, palavras de ordem, celulares e cadáveres carbonizados.

Sobre o autor

Felipe Nunes tem 24 anos e faz quadrinhos desde 2010. Publicou seu primeiro fanzine no Festival Internacional de Quadrinhos, o FIQ, em 2011. Aos 19, lançou Klaus, pela Balão Editorial, obra vencedora do Troféu HQMIX de Desenhista Revelação.

Desenhou O Segredo da Floresta, escrita por Thedy Corrêa, em 2016 (Panini). Dodô, sua segunda graphic novel, relançada pelo selo Stout Club, também da Panini, foi publicada nos Estados Unidos, França, Polônia e Portugal. Clean Break é sua primeira grande história em quadrinhos.

Lançamentos

22/11, 18h30: Ugra (R. Augusta, 1371 – loja 116 – Consolação, São Paulo)

5 a 8/12: Comic Con Experience (CCXP), no São Paulo Expo

“Metal Philosofer” explora relação de um garoto com o heavy metal

Com lançamento na CCXP 2019 (5 a 8 de dezembro, no São Paulo Expo), Metal Philosopher, de Guilherme Grandizolli (roteiro e desenhos) reúne quatro contos que exploram contextos cotidianos de um garoto que descobre o heavy metal e como a relação coma música modificou e afetou suas percepções da própria existência e do mundo.

Com impressões autobiográficas, o intuito do autor é demonstrar ao leitor uma outra face, mais humana, introspectiva e sensível, de um assunto geralmente associado a elementos negativos.

Depois da CCXP, a HQ poderá ser adquirida por loja online, enviando um e-mail ao autor, ou através de DM no Instagram.

Metal Philosofer tem 48 páginas em preto e branco, formato 23x16cm e preço de R$ 25.

Nascido em São Paulo em 1990 e formado em Design Gráfico pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo em 2012, Guilherme Grandizolli fez os cursos de Animação 2D e Toon Boom na escola artAcademia de São Paulo em 2010, seguidos de outros cursos de técnicas de ilustração e pintura tradicional. Realizou o curso de Character Design na ICS-Escola de Arte e 3D de 2017 a 2018. Atualmente trabalha como ilustrador e character design na MONO Animation enquanto desenvolve seus projetos pessoais.

Page 0 of 198

Papo de Quadrinho é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019