Grupo encerra o ciclo de sucesso do disco SOLTASBRUXA, comenta os novos rumos e fala da conjuntura atual brasileira: "movimento fascista preocupa"

Em entrevista, Rafael Gomes (baixo e vocal de apoio) fala sobre o legado do SOLTASBRUXA, dos novos rumos da Francisco, El Hombre e da conjuntura política brasileira.

O quinteto Francisco, El Hombre formado em Campinas, em São Paulo, tem feito história com suas canções e seu jeito de ver e viver para a música. O grupo, que é formado por Juliana Strassacapa, Andrei Martinez Kozyreff, Rafael Gomes, além dos irmãos mexicanos naturalizados brasileiros Mateo Piracés-Ugarte, Sebastián Piracés-Ugarte, acaba de lançar nesta sexta-feira (19) a música “Clareia”,  fruto da parceira com a banda Scalene.

A Francisco, El Hombre surgiu em 2013 com a proposta de largar os empregos, faculdade e todas as amarras com a sociedade e sair de carro pela América do Sul fazendo música. O grupo tem pegada política, nasceu para gritar e o primeiro disco deles se chama SOLTASBRUXA. “Triste, louca ou má”, faixa do álbum, chegou a ser indicada ao Grammy Latino de melhor canção em língua portuguesa. Eles querem ser lembrados.

A banda se apresenta no Festival No Ar Coquetel Molotov na etapa Belo Jardim, neste sábado (20), no Parque do Bambu, com uma programação gratuita. Em tempo, o cantor Romero Ferro, Agda, Rasga Mortalha e Jurandex também integram o line-up do evento.

O Coquetel Molotov iniciou sua série de atividades que incluem um festival de cinema e música, o Play The Movie, shows em Belo Jardim, Rodada de Negócios, uma festa de abertura com Azealia Banks e um dia de shows no Caxangá Golf Club (dia 17 de novembro).

Conversamos com o Rafael Gomes, que contou as principais novidades da banda, algumas histórias e muita interessante do legado que a Francisco, El Hombre quer deixar. Acompanhe:

Vocês têm feito sucesso com suas canções e jeito de ver e viver para a música. De onde vem esse modus operandi?
Eu acho que esse jeito nosso de viver, esse modus operandi tem várias raízes. Desde a adolescência, cada um na sua cidade, à sua maneira, viveu muito do cenário punk-rock. Então disso, a gente absorveu muito de “do it yourself”. No começo, o rolê era bem mais acústico do que a banda do jeito como ela é hoje, tipo uma formação para palco. Então a gente quase não amplificava os instrumentos, era quase que só voz e violão. Foi algo inspirado muito no Teco Martins, a gente já fazia isso bastante na época.

Inclusive, nos primeiros shows da banda – que eram só o Sebástian e o Matteo – eles acompanharam o Teco em alguns shows dele, abrindo o show em praça, em espaços intimistas. E aprendendo a fazer música de um jeito que não tantas pessoas com quem a gente tinha contato fazia. Aos poucos, descobrimos outros artistas que faziam show desse jeito, que pagavam a sua arte desse jeito. Isso acabou influenciando muito o jeito do que a gente fez. Nesse tempo seguinte acho que sobrou muito do que fazemos hoje também.

A banda teve uma ascensão relativamente rápida. Como resumir um pouco desses quatro anos da Francisco, El Hombre?
Falar sobre esses anos que vivemos, resumidamente, é um pouco difícil. A gente sempre faz as coisas de uma maneira muito intensa, com uma entrega em que acabou resultando numa identificação por parte do público, que veio crescendo bastante nos últimos tempos. Isso tem a ver com essa entrega mesmo, de absorver cada fase que vivemos, do momento que tocávamos mais na rua do que em palco. E aí absorver tudo hoje, dessa transição, de começar a tocar mesmo em palco e, de repente, em grandes festivais.

Agora estamos compondo coisas novas, que vão para um lado muito mais eletrônico, misturado com toda essa bagagem de antes, seja do rock, do punk-rock que a gente ouvia e que a gente gosta, mas passou por muitas outras coisas, que fomos descobrindo, a música dançante da latinoamérica como um todo e, talvez tenha sido isso assim que fez com o público se identificasse cada vez mais e passasse a acompanhar e dar apoio para a banda.

Este ano vocês encerram o trabalho com o SOLTASBRUXA. Como avalia a repercussão do trabalho até aqui?
SOLTASBRUXA chegou muito mais longe do que podíamos imaginar. Por mais que a gente sempre trabalhasse em prol disso, foram anos e anos dedicados com muito esforço para que a gente pudesse chegar ao máximo de pessoas possíveis para poder encontrar com quem mais dialogar e entender o quanto o tanto que a gente acredita. Por isso que cantamos essas coisas. Por isso quanto mais o público se sentir arrepiado e representado por tudo isso que a gente estava colocando ali na nossa arte. É muito bom ver que, em dois anos de disco, conseguimos ter som na novela, ter sido indicado para Grammy e chegar para tocar em lugares que a gente tava indo por que tinha meia-dúzia de pessoas e um produtor que nos conhecia e gostava e depois descobrir que tinha um baita de um público numa cidade onde, às vezes, nunca tínhamos ouvido nem falar. Então, isso é muito legal, super gratificante, é alegria total de ter conseguido conquistar isso.

A música no Brasil parece ser muito mais ligada o dos Estados Unidos que ao da própria América Latina. Concordam?
Culturalmente falando, por mais que não se saiba, a gente tem uma relação muito mais próxima com os nossos vizinhos da América Latina – não só com os nossos vizinhos, acho que tem alguns países como o próprio México e até Cuba – que tem muita coisa em comum conosco. Mas pela forma como a indústria cultural é montada, de uma maneira geral, acaba que nem tanto dessas coisas chegam por aqui. Também há uma falta de iniciativa de parte da gente no Brasil. Apesar de que eu vejo que parte desse movimento de conhecer e se reconhecer enquanto latino-americano cresce a cada dia mais. Então, falta olhar para poder entender que estamos muito mais próximo disso do que de outros países.

Recebemos muita coisa dos Estados Unidos e, não que seja um problema gostar de música americana – tem muita coisa legal produzida lá – mas acho que a gente acaba perdendo muito quando não se conhece. Mesmo a música do Brasil, tem quem prefira música internacional do que a música brasileira, por exemplo. E quando a gente passa a entender como que essa música se construiu, como se ela se relaciona, acaba se enriquecendo muito. Espero que nos próximos anos a gente cada vez mais se escute e escute esses países vizinhos que tem tanto para nos oferecer.

É um disco abertamente político, assume posturas claras. Esse encontro que vocês com a realidade brasileira, tanto para o som como para o idioma, impactou nas letras?
Com certeza ter circulado bastante ainda lá com os EPs – com o primeiro e o segundo que foi La Pachanga!– influenciou muito como enxergávamos o Brasil e pelos lugares que fomos passando, pelas pessoas que a gente foi conhecendo. Isso com certeza teve um reflexo no que escrevemos do SOLTASBRUXA, daquilo que acreditamos, que tem muito a ver como a gente vê o Brasil hoje, que é alegre, é festivo, mas que tem suas questões e que nós não podemos ignorar. Ter esse viés político para a banda foi um pouco natural sim devido à vivência prévia ao disco.

Como vêem a conjuntura política às vésperas do segundo turno? Como encaram as candidaturas dos dois postulantes Fernando Haddad e Jair Bolsonaro? “Bolso Nada”, inclusive é título de uma das canções de vocês.
“Bolso Nada” se relaciona sim com Bolsonaro, mas não só. Quando a gente escreveu dialogava muito com essa percepção de que já existiam políticos que se fortaleciam dentro de um discurso fascista e é muito impressionante ver que isso só veio crescendo, mesmo dois anos e meio depois que escrevemos essa música, sabe? É um pouco decepcionante, por um lado, alarmante, até, mais que decepcionante, eu diria. Mas por outro, eu acho que é importante também a gente perceber o que vem acontecendo. Esse movimento fascista vem crescendo no Brasil e no mundo como um todo.

Sentimos que existe um clima pesado com relação às eleições, muita gente está angustiada, a gente mesmo vive vários momentos de angústia. O que procuramos fazer é tentar se acalmar, passar carinho um para o outro, ser amoroso e lembrar das coisas boas da vida que fazem valer a pena, que fazem acreditar que no futuro pode tudo ser diferente e melhor e seguir lutando para que aquilo acreditamos ser o melhor e possa acontecer.

Quando você me perguntar sobre Haddad ou Bolsonaro, os dois postulantes aí para esse segundo turno, Bolsonaro para mim é uma coisa impensável, tem muitos motivos para que a gente não queira por nada desejar um presidente como esse para o Brasil. Ainda que o Haddad seja sim merecedor de determinadas críticas, não só pela Prefeitura de São Paulo, mas pela postura que o PT teve como um todo, ele tem muita qualidade que eu admiro. Ele é um candidato muito mais preparado para esse cargo do que Bolsonaro.

Espero que a gente possa ter um futuro que seja bom para todo mundo, que possa respeitar todas as pessoas, que a gente viva bem. Tem muita coisa que vindo do governo pode afetar a vida da gente do que algumas pessoas pudessem imaginar. O importante agora é sair desse clima de futebol, tentar trazer a conversa para o campo da razão, entender quais propostas estão em jogo e votar pelo que seja melhor.

Vocês já estão preparando o disco novo, certo? Em que sentidos ele é diferente ou é parecido com o disco SOLTASBRUXA?
Vem com muita novidade, que é uma coisa exploramos muito no show do SOLTASBRUXA, que foi a intensidade, a entrega. Foram os maiores aprendizados que tivemos nessa fase nossa e agora vêm coisas muito diferentes, mas que exploram essa intensidade, mas tentando levar ela ainda mais. Optamos por algumas coisas seguirem um caminho um pouco mais eletrônico e nisso difere bastante da sonoridade geral do disco.

As pessoas com quem a gente trabalhou nesse período têm falado que ainda sim aquela essência do Francisco El Hombre segue, a mensagem segue ali de outras maneiras, que procuramos aprender muito também com o discurso que foi construído com o SOLTASBRUXA também. Dá para perceber como as pessoas receberam e tentar criar algo que possa contagiar as pessoas, que mexam os corpos. Quando a gente é tocado fisicamente, a gente também é tocado em outros sentidos mais subjetivos. Então quando a música vem e mexe com a gente, faz a gente dançar, faz o corpo não ficar parado, eu acho que isso também gera sensações, pensamentos, que junto com aquilo que vai sendo dito, constrói aquilo que é arte pra gente e é o que a gente tenta passar para as pessoas.

O que inspiram vocês como artistas?
Como artista, eu acho que a gente se inspira em quase tudo. Tem uma frase da Nina Simone que sempre repetimos, que o artista reflete o seu tempo. É sempre muito importante a gente estar em relação com as outras bandas que estão nessa mesma correria, de fazer música, de levar arte para as pessoas. A vida cotidiana nunca pode ser ignorada, da gente não fazer da arte um espaço completamente desconexo. Viver, vivenciar, desfrutar de tudo por que precisamos ter alegria como combustível de vida e isso só acontece quando a gente se entrega, quando se entrega para a arte, quando se vivencia o processo que é colocado na vida e reflete. Mais o que nada, precisamos estar sempre refletindo e são essas reflexões que fazem com que a arte seja possível, para que uma música, uma canção possa ser escrita.

Tudo isso nos inspira: um livro, uma conversa no bar, um grafite na rua, uma pessoa que, às vezes, de longe a gente vê na rua e observa uma cena e fala: “olha, que bonita essa cena!” ou “olha, que contagiante”. Às vezes, vemos alguém tendo uma boa atitude, sabe dessas coisas bobas de ajudar o velhinho a atravessar? Até coisas inquietantes vivendo em São Paulo, por exemplo,vemos muita gente morando na rua e isso vai gerando uma série de sentimentos. Então, tudo o que permeia do mais bonito ao mais desconfortante, tudo acaba contagiando e nos inspirando de alguma maneira ou de outra dentro da arte.

Vocês desembarcam no interior de Pernambuco no próximo sábado (20) para o show de SOLTASBRUXA. O que os fãs podem esperar para esse encontro?
Como sempre, a galera pode esperar um show super dançante, super eletrizante, forte e espero que as pessoas venham junto com a gente nessa vibe de se entregar, de fazer com que esse momento seja único, que as pessoas cantem conosco, que a gente ai estar ali para ficar rouco, se for preciso, de cantar a plenos pulmões, tudo o que temos para cantar na reta final de SOLTASBRUXA. Vamo que vamo, Pernambuco!

Sem mais artigos