Juvenil Silva lança a inédita “Pulgas no Planeta”, uma “ode pseudo-erudita” à pluralidade do amor. A música é uma faixa-bônus do disco Suspenso, lançado em 2018.

O clima soturno e “pseudo-erudito” da faixa traz Juvenil na voz e ao violão, o trompete de Márcio Oliveira, e Jalu Maranhão nas programações, que simulam de instrumentos de cordas, como que numa orquestra. Essa sonoridade envolve o tema de que fala a canção: amoreS.

De um disco que versa sobre o “mais nobre dos sentimentos” de forma tão iconoclasta, não poderia ser outro senão a reflexão de que não há um amor único, em sua manifestação. Mas o seu, o meu, o nosso, o deles, o de cada um. Amores, amores, amores, amores…”, diz.

Hoje, terça (12), Dia dos Namorados, Juvenil lança esta bomba coracional sobre os corações de quem lhe ouve. “O Dia dos Namorados é uma data ridícula, onde esse amor é propagado de forma comercial e babaca. Aquela coisa normativa e boazinha no outdoor, na TV. Não é isso que me interessa, o que me interessa é reivindicar, abrir os olhinhos para nós mesmos e para essa particularidade agredida”, diz o artista.

“O amor não existe. Não assim, como é colocado, de forma singular, congelada e fechada no sentido de ser. O que existe é plural e subjetivo. Amores, um para cada pessoa na face da Terra!”, continua Juvenil.

Sem mais artigos