Filhas do Pó, primeiro filme de uma diretora afro-americana a estrear em circuito comercial. (Divulgação).

O festival Janela Internacional de Cinema do Recife apresenta mostra de diretores afro-americanos inédita no país, a L.A. Rebellion. A mostra traz trabalhos dirigidos por realizadoras e realizadores afro-americanos que estudaram na Escola de Cinema da UCLA. Projeto de restauração do acervo pela universidade teve recortes que circularam recentemente no Tate Modern, em Londres, e no festival Cinéma du Réel, em Paris, e curadoria do Janela traz coleção exclusiva ao país, reunindo 16 filmes, entre longas-metragens e curtas-metragens, em cópias que vão do DCP ao 16mm.

O Janela de Cinema acontece entre os dias 3 a 12 de novembro, no Recife.

Foco de um projeto de restauração e catalogação pela universidade na última década, esta numerosa e frutífera produção tem sido redescoberta com entusiasmo dentro e fora dos EUA como uma espécie de Cinema Novo negro, por seu arrojamento político e estético, sua independência em relação aos esquemas industriais vigentes em Hollywood e sua pregnância crítica no presente.

Leia Mais
Os curtas em competição
As sessões de clássicos destacam as heroínas

A mostra L.A. Rebellion: Um Novo Cinema Negro, apresentada no Janela, com cópias em diferentes formatos que vêm de diversas fontes nos EUA, é uma produção do festival com seleção de filmes feita pelo curador Luís Fernando Moura e pelo curador convidado Victor Guimarães.“Eu e Victor, que é já um amigo do Janela, compartilhamos a surpresa de ver alguns destes títulos projetados em cinema no Cinéma du Réel, em março, e fiquei impressionado tanto com a magnitude dessas imagens quanto com o fato de desconhecermos a esmagadora maioria desses filmes no Brasil, o que só pode revelar uma espécie estranha de apagamento historiográfico”, diz Luís Fernando Moura.

A seleção conta com filmes dirigidos por realizadores e realizadoras, entre elas Julie Dash, primeira diretora negra a ter um filme em circuito comercial nos EUA, Filhas do pó (Daughters of the dust), em 1993 – e que tem declaradamente inspirado iconografia pop contemporânea, como o álbum visual Lemonade, de Beyoncé. Além do longa, restaurado em DCP em março deste ano, Dash tem também um curta-metragem e um média-metragem na programação, das décadas de 1970 e 1980, respectivamente.

Um dos diretores com maior visibilidade no grupo, e que receberá Oscar honorário no ano que vem, Charles Burnett terá dois curtas-metragens e dois longas-metragens exibidos, entre eles o clássico O Matador de Ovelhas (Killer of sheep), de 1978. Algumas raros títulos serão projetados em cópias 16mm provenientes do arquivo de preservação da UCLA, como Assim na terra como no céu (de Larry Clark, cineasta e professor da San Francisco State University, não o homônimo fotógrafo e cineasta), de 1973, e o antológico mas pouco acessível Bush Mama (do realizador de origem etíope Haile Gerima), de 1979.

Além da exibição dos filmes, no Cinema São Luiz e no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco – Cinema do Museu, o X Janela promove também um conjunto de debates em torno desta produção e da produção de cinema por realizadores negros no L.A. Rebellion e no Brasil contemporâneo. L.A. Rebellion: Criando um Cinema Novo Negro é um projeto do Arquivo de Cinema & Televisão da UCLA desenvolvido como parte do Pacific Standard Time: Art in L.A. 1945-1980. / L.A. Rebellion: Creating a New Black Cinema is a project by UCLA Film & Television Archive developed as part of Pacific Standard Time: Art in L.A. 1945-1980.

Veja a ista de filmes da mostra paralela L.A. Rebellion: Um Novo Cinema Negro:

Longas
As above, so below / Assim na terra como no céu (Larry Clark, 1973, 52′, 16mm)
Ashes and embers / Cinzas e brasas (Haile Gerima, 1982, 129′, DCP)
Bush Mama (Haile Gerima, 1979, 97′, 16mm)
Daughters of the dust / Filhas do pó (Julie Dash, 1993, 113′, DCP)
Killer of sheep / O matador de ovelhas (Charles Burnett, 1978, 83′, DCP)
My brother’s wedding / O casamento do meu irmão (Charles Burnett, 115′, 1983, DCP)
Passing through / Dando um rolê (Larry Clark, 1977, 105′, DCP)

Curtas
Child of Resistance / Filha da resistência (Haile Gerima, 1972, 36′, 16mm)
Cycles / Ciclos (Zeinabu irene Davis, 1989, 17′, Digibeta)
Diary of an African Nun / Diário de uma freira africana (Julie Dash, 1977, 15′, Digibeta)
Illusions / Ilusões (Julie Dash, 1982, 36′, DCP)
Medea / Medeia (Ben Caldwell, 1974, 7′, Digibeta)
Rain / Chuva (Melvonna Ballenger, 1978, 15′, Digibeta)
Several Friends / Um bocado de amigos (Charles Burnett, 1969, 22′, DCP)
The Horse / O cavalo (Charles Burnett, 1973, 14′, DCP)
Ujamii Uhuru Schule / Community Freedom School / Escola da Liberdade da Comunidade (Don Amis, 1974, 9′, Digibeta)

Sem mais artigos