Jovem estilista cearense, David Lee é uma das apostas da moda autoral brasileira. Noite teve ainda coleções interessantes no Concurso dos Novos, além de Ronaldo Silvestre e Tanden

Da Revista O Grito!, em Fortaleza (CE)
Fotos por Jonatan Oliveira para a Revista O Grito!

O quarto e último dia do Dragão Fashion Brasil 2018 (DFB Festival) foi marcado por duas boas coleções de moda masculina elaboradas pelo estilista cearense David Lee e pelo piauiense Bruno Olly. Eles levaram para as passarelas, montadas no Terminal Marítimo de Fortaleza, looks ousados mostrando que encaram a moda com uma pegada jovem cheia de atitude e sensibilidade. Além disso, aconteceu na noite do sábado, a segunda etapa do Concurso dos Novos, colocando em cena mais quatro escolas de moda, cujos projetos mostraram a valorização da moda com viés autoral e a preocupação em fazer roupas inspiradas no contemporâneo.

Leia Mais
Faculdades dão show com moda experimental
A moda autoral pode ser o que quiser
Lindebergue: gênero e ironia no DFB 2018

As escolas que se apresentaram foram a Universidade Federal do Ceará (UFC), a Universidade Federal do Piauí (UFPI), a Universidade Estácio (RJ) e a Universidade Estadual de Santa Catarina (UESC). Das quatro, a melhor coleção do segundo dia do concurso foi a dos alunos da UESC. Seu projeto, inspirado em motivos ligados à pesca, apresentou composições com elementos desse universo – com redes, cordas e utensílios – em peças marcadas pela criatividade. A UFPI também fez um desfile interessante tendo como motivo a moda como resistência, a partir do legado do artista e poeta piauiense Torquato Neto.

O espírito inovador também foi a tônica da coleção masculina realizada pelo jovem David Lee. O estilista é considerado, hoje, um dos talentos mais promissores da moda cearense e fez jus a essa expectativa levando ao DFB a coleção Avesso, que propõe um olhar poético sobre a preciosidade dos sentimentos e das emoções por meio de peças que misturam alfaiataria, roupa íntima e formas atléticas.

Concurso dos Novos vem se mostrando um dos momentos mais interessantes do DFB. Aqui look da UESC.

Os acabamentos expostos e a sensação de estarmos diante de peças inacabadas sugerem a intenção do autor em mostrar os processos que antecedem o produto final. Vendo as estamparias vibrantes e o apuro estético das peças é como se ele estivesse revelando, além do lado interno das roupas, o lado interior e emocional das pessoas que as vestem. O desfile emocionou o público que aplaudiu Lee com entusiasmo após a entrada de todos os modelos carregando nos braços ramalhetes de flores, coroando de forma poética um dos mais belos desfiles do DFB desse ano.

Outra coleção masculina bem recebida pelo público foi a do estilista Bruno Olly. Ele fez um mix de suas referências urbanas com a street wear, mesclando-a com as raízes dos cultos afros e dos orixás. Eles estampam os desenhos de xilogravuras de algumas peças e os looks em tons terrosos. A modelagem das roupas da coleção destacam as formas e recortes reforçando o conceito utilitário das peças. A busca pelas raízes da cultura brasileira também foi o motivo da coleção de Jonhson Cavalcante inspirada no auto natalino O Guerreiro Alagoano. As peças multicoloridas em tecidos maleáveis deram ao trabalho de Cavalcante vivacidade e leveza.

Bruno Olly foi outro destaque este ano.

Bruno

Completaram a line-up do sábado os desfiles do mineiro Ronaldo Silvestre e da grife Tanden. Silvestre apresentou uma coleção para homenagear sua mãe, uma costureira que sustentou a família com a profissão. As peças escolhidas reforçam a dedicação do estilista a uma moda sustentável e de valorização do trabalho manual. A Tanden idealizou uma coleção inspirada nas mulheres camponesas. Com o título Colheita Grande, as peças apresentadas, em tecidos leves, exploraram looks harmoniosos e que expressavam movimento.

Como um dos patrocinadores oficiais do evento, a Riachuelo realizou o desfile de encerramento apresentando sua coleção outono-inverno, ocasião em que o diretor do DFB Claudio Silveira agradeceu aos parceiros e ao público, e pediu aos cursos de moda do país que invistam em seus alunos, apoiando financeiramente os seus projetos e a participação em eventos de moda. Aproveitou também para anunciar o resultado do Concurso dos Novos que teve como vencedor o curso de moda do Senac/Sergipe, realmente o projeto mais criativo e mais conectado com o DFB e sua proposta de valorização de uma moda autoral.

E para festejar o êxito da edição desse ano, o palco Ceará Sobe Som teve um dos shows mais concorridos do evento com a apresentação eletrizante da cantora Karol Conká.

* O jornalista viajou a convite da organização do festival

Sem mais artigos