Crítica-Disco: Jeff Rosenstock lança a trilha para um mundo maluco pós-Trump em POST-
NOTA8.5

JEFF ROSENSTOCK
POST- [Polyvinyl, 2018]
Produzido por Jack Shirley

Lançado nos primeiros dias de 2018 sem nenhuma divulgação, o novo disco do músico norte-americano Jeff Rosenstock traz faixas pesadas carregadas de influência punk para criticar a futilidade, o capitalismo opressor e a própria indústria musical. Suas músicas carregam um sentimento de inadequação sentido por muitos em tempos inóspitos onde o fascismo se avizinha e governantes como Trump surgem como ameaça.

Rosenstock gravou o disco após o resultado das eleições de 2016 nos EUA. Ele se isolou nas montanhas Catskill, em Long Island, para criar essa obra carregada de frustração, tensão, raiva e incompreensão. O disco anterior, WORRY., foi feito momentos antes dos norte-americanos irem às urnas e estava repleto de um sentimento de confusão, abastecido sobretudo pelo tom caótico das discussões via redes sociais.

Aqui, o combustível é outro e por isso o que vemos é um álbum mais sombrio. A energia das guitarras rápidas e as letras bem construídas, no entanto, seguem as mesmas. O modo como ele consegue experimentar em diversas variações do rock continua sendo um dos seus maiores talentos. Desde a faixa de abertura com mais de sete minutos até o tom kitsch de “TV Stars”, passando pela pop “Melba”, tem tudo um pouco aqui. Com seu estilo recluso de ser e avesso à máquina de divulgação da indústria cultural, Jeff Rosenstock é um nome pouco conhecido. POST- é mais uma chance de celebrar um dos mais lúcidos e inventivos músicos dessa geração.

Sem mais artigos