Uma arte que estampa a capa de Castanha do Pará, obra vencedora do primeiro prêmio Jabuti na categoria de quadrinhos, foi censurada em uma exposição sobre a história das HQs paraenses, em Belém, no Pará. As informações são do blog Vitralizado.

A arte do quadrinista Gidalti Moura Jr. mostra o menino de rua protagonista da obra fugindo de um policial com um cassetete em pleno Mercado Ver-o-Peso, um dos locais mais famosos de Belém. Gidalti disse no Facebook que a obra foi retirada por ser considerada uma ofensa à polícia militar.

A arte censurada foi coberta com um cartaz preto. (Reprodução/Instagram).

“Gostaria de declarar total repúdio aos conceitos arbitrários que classificaram a imagem como uma ofensa à polícia militar”, disse o autor em seu Instagram. “A retirada da obra do evento é um gesto que vai contra valores fundamentais que defendo, dentre estes, a liberdade de expressão. A obra é ficcional, tem caráter lúdico e expõem situações rotineiras nas metrópoles brasileiras”.

Gidalti disse que a censura é uma vitória de forças contrárias à liberdade. Nos últimos meses o Brasil vivenciou vários episódios de censura à arte, a exemplo do cancelamento da exposição Queermuseum em outubro do ano passado. “Quem a compreendeu como apologia ao crime e/ou a desmoralização da polícia militar, o faz de forma leviana e sem ao menos ler o livro “Castanha do Pará”. A retirada da imagem da exposição é uma vitória parcial da ignorância, do medo e de forças antagônicas à liberdade.”

Castanha do Pará foi lançada de forma independente em 2016.

Sem mais artigos