Um dos autores mais lendários dos quadrinhos, Bernie Wrightson, morreu nesse domingo (19) após uma longa batalha contra um câncer no cérebro. A informação foi dada por sua mulher, Liz, no Facebook. Wrightson ficou conhecido pelos quadrinhos de horror e inspirou toda uma geração de artistas com o detalhismo de seu traço.

Sua contribuição mais famosa é ter sido o co-criador de Monstro do Pântano na DC Comics. Ele trouxe um novo olhar para o personagem, aproximando-o das narrativas de horror clássicas e trazendo um herói atormentado em uma HQ de forte teor psicológico. A Panini relançou esse clássico absoluto em encadernados há alguns anos.

Nascido em Baltimore, em 1948, Bernie começou a carreira como ilustrador do Baltimore Sun, jornal local de sua cidade. Após um encontro com o artista Frank Frazetta em uma convenção de quadrinhos ele começou sua própria produção autoral. Ele trabalhou no início em títulos de terror e mistério a partir do final dos anos 1960 em editoras como Marvel e DC.

Em 1971, ao lado de Len Wein ele criou o Monstro do Pântano, que se tornaria um sucesso de público e crítica. Ele também foi o cocriador do personagem Destino, antes dele ser incorporado em Sandman, de Neil Gaiman.

A partir de 1974 ele passou a publicar histórias de horror em diversas revistas do gênero, grande parte delas adaptações de nomes célebres do horror como H.P. Lovecraft e Edgar Allan Poe. Em 1975, Wrightson uniu-se aos artistas Jeff Jones, Michael Kaluta e Barry Windsor-Smith para criar o grupo conhecido como “The Studio”. Eles produziram diversos projetos em quadrinhos, mas também atuavam em outras mídias fazendo pôsteres, calendários e livros.

A maior obra autoral de Wrightson foi sua adaptação de Frankenstein, de Marry Shelley, na qual passou sete anos produzindo. É um trabalho meticuloso e do qual sempre se orgulhou. Esse clássico também saiu no Brasil, em uma edição de luxo pela Devir, no ano passado.

Como artistas conceitual, Wrightson colaborou em filmes como Caça-Fantasmas, Homem-Aranha, O Nevoeiro (adaptação de Frank Darabont para a obra de Stephen King) e Land Of The Dead, de George Romero.

Bernie vivia em Austin, no Texas. Ele deixa sua esposa Liz e dois filhos, John e Jeffrey e um enteado, Thomas Adamson. Veja mais da obra de Bernie Wrightson.

Sem mais artigos