anohni

Primeira transexual da história a ser indicada a um Oscar, a cantora Anohni, anunciou que irá boicotar a premiação deste ano. Ela concorre na categoria de melhor canção original com a música “Manta Ray”, do documentário Racing Extinction.

Em uma longa carta divulgada à imprensa por sua gravadora ela disse que não irá à cerimônia em protesto contra “um sistema de opressão social e redução de oportunidades para os transexuais”. O boicote de Anohni segue-se às ausências já anunciadas de artistas negros por conta da ausência de afrodescendentes nas categorias de atuação.

Anohni não foi chamada para se apresentar na cerimônia, ao contrário de concorrentes da mesma categoria, caso de Lady Gaga (por The Hunting Ground), The Weeknd (50 Tons de Cinza) e Sam Smith (007 Contra Spectre). Até Dave Ghrol, que nem mesmo está indicado, foi escalado para o show do próximo domingo.

A cantora inglesa reconhece que a Academia não a excluiu apenas por ser transgênero, mas sim por ser relativamente desconhecida fora do circuito alternativo. “Canto uma canção sobre ‘ecocício’ e isso poderia atrapalhar a venda de espaços comerciais. Além disso não tenho o direito automático de ser convidada”, escreveu.

“Minha ansiedade aumentou durante as últimas semanas. Os produtores pareciam ter decidido que somente artistas comercialmente viáveis se apresentariam”, disse. Quem também ficou de fora foi a soprano coreana Sumi Jo, que concorre por Youth.

“A verdade é mais profunda do que é possível ignorar. Como o aquecimento global, não é um acontecimento isolado, mas uma série de eventos que ocorrem ao longo dos anos. (…) Um sistema opressão social e diminuição de oportunidades para as pessoas trans. Isso tem sido empregado pelo capitalismo dos EUA para esmagar nossos sonhos e nosso espírito coletivo.”

Um sistema opressão social e diminuição de oportunidades para as pessoas trans. Isso tem sido empregado pelo capitalismo dos EUA para esmagar nossos sonhos e nosso espírito coletivo.”

Anohni chegou a pegar a ir ao aeroporto pegar um avião para Los Angeles, mas desistiu. “Os sentimentos de vergonha e raiva me bloquearam e não pude subir no avião. Imaginei a mim mesma e em como eu me sentiria sentada com todas as estrelas de Hollywood, alguns mais valentes se aproximando com caras tristes e pêsames. E me vi alí, sentindo uma pontada de vergonha que me lembraria afirmações anteriores da América de que, por ser uma pessoa transexual, eu não era adequada. Por isso dei meia volta e voltei pra casa”, disse.

Anohni fez parte da banda Antony and The Johnson, antes de sua transição, quando ainda se chamava Antony Hegarty. Seu trabalho foi aclamado pela crítica e chegou a receber um Mercury Prize, um dos maiores prêmios da Inglaterra. Seu novo disco como ANOHNI, Hopelessness, será lançado ainda este ano. A primeira faixa, “4 Degrees”, saiu no final do ano passado.

Leia a carta de Anohni na íntegra (em inglês) na P4K.

Sem mais artigos