Divulgação

Divulgação

Agosto é o mês de Madonna. Desde os anos 80, quando o mundo soube de sua existência, agosto é o mês em que celebramos o fato de ela ter se tornado pública – e, em menor escala, o fato de ela ter nascido, lógico.

Em 16 de agosto de 2013 a rainha do pop completou 55 anos e está claro que ela vem sofrendo com a ação do tempo – mas o tempo também sofreu, e muito, com a ação de . Sua formação como bailarina e seu relacionamento com Basquiat talvez sejam indícios de sua inclinação para a alta cultura, não fosse sua música pop ao extremo, comercial e atemporal o suficiente para ser tocada em festas – e bem recebida – a qualquer momento. E se a qualidade vocal de é um fator questionável e passível de críticas desde suas primeiras apresentações ao vivo, a qualidade musical não pode ser negada – afinal, seus recordes podem reforçar essa característica.

É curioso que ela consiga manter um público tão variado, apesar de sempre associada a estereótipos. A princípio, como símbolo da adolescente “revoltada” e despreocupada, ela aos poucos construiu uma imagem glamorosa para si, que ia sendo adaptada, literalmente, “conforme a música”. Leia artigo completo no NadaErrado.

Sem mais artigos