Barack Obama (Foto: Divulgação)

‘From Obama’
Tanto quanto Hillary Clinton, o candidato à presidência americana apresenta um vazio de propostas no setor cultural
Por Fernando de Albuquerque

As eleições ainda não foram decididas. O resultado da pré-candidatura é uma grande incógnita, mas uma verdade seja dita: nunca uma disputa à pré-campanha presidencial americana foi tão badalada quanto a acirrada briga entre Hillary e Obama.

Com nome bem complicado (Barack Obama, que lembra mais um muçulmano terrorista que um tradicional candidato) o democrata de origem queniana consubstancia a esperança de vários negros que desejam ver um presidente de raça no comando da casa branca, além de outras minorias étnicas, de gênero e sexo que vêem nele um futuro mais eqüitativo. (Ledo engano!)

Hillary Clinton também é minoria. Mesmo sendo um país de primeiro mundo e de carregarem o baluarte da democracia e da liberdade, os EUA estão muito longe de deixar de ser um país excessivamente patriarcal. Hillary está longe de incorporar a dona-de-casa (como quando era primeira dama) e mais ainda da figura de executiva dona do mundo.

Tanto Hillary quando Obama na verdade são muito mais franquia que pessoas propriamente ditas. Eles incorporam interesses diversos e, mesmo que se oponham à eles idissiocraticamente, estão com tudo muito bem articulado na mente. Negros e brancos, mulheres e homens, ricos e mais humildes, aquilo que é público e o que é privado são alguns dos segmentos que necessariamente têm de ser contemplados e devem se mostrar argumentos harmônicos durante seus discursos.

A partir dessa conjuntura política e social, é possível estabelecer uma analogia com o imaginário americano, cuja figura do herói (o presidente americano) tende a ser construída com base na idéia de que um cidadão comum ouvirá um chamamento e deverá cumprir a missão presente em sua própria vocação. E o resultado disso tudo: beneficiar a todos.

E a própria cultura americana costuma privilegiar essa concepção de herói. Se ele, ou ela, tiver uma trajetória de privações e dificuldades, será muito bem vindo ao universo dos guerreiros modernos como os heróis de Matrix, Homem-Aranha, Tarzan e Xena. Mas se forem ricos e abastados incorporam a figura de heróis como Batman e Lara Croft.

barackxhillary.jpg
Obama e Hillary: Mais franquias que pessoas de verdade

E enveredando por essa área, a do quesito das propostas culturais, ambos não apresentam nenhuma proposta consolidada. Obama é tão fraco quando Hillary citando frases como: “America needs to reinvigorate the kind of creativity and innovation that has made this country great. To do so, we must nourish our children’s creative skills (sic)”. Todas repletas de um vazio inominado.

Um dos pontos positivos da campanha é a criação de comitês com artistas e membros da sociedade civil para a criação e arrecadação de taxações que seriam cobradas às famílias americanas, “by up to $2,500 per year”. Ou mesmo “Opening America’s doors to students and professional artists”.

A verdade é que não há nada que venha sanar futuras crises como a que amolou a industria cinematográfica de Hollywood, ou mesmo venha minorar os enormes rombos financeiros contraídos pelos teatros da Broadway. A cada mês um teatro é fechado, vendido ou transformado em algum “espaço de convivência social” como shopping center, livraria ou mesmo estacionamento.


Na crise financeira e cultural dos EUA, a cada mês um teatro é fechado para virar shopping

O que mais impressiona é o próprio desinteresse do eleitorado que se vê preocupado apenas com a crise imobiliária, o Nafta, o crescimento vertiginoso do bloco sul americano e mesmo a corrida armamentista iniciada por Hugo Chávez.

Obama apesar do vazio de propostas para o setor cultural (já que na carta de propostas esse setor só ocupa meras uma página e meia) transporta para a cena política um dilema que assola o cinema há décadas: como oferecer atores negros como protagonistas sem perder a audência da maioria branca? Quando Obama fala para negros, perde os eleitores brancos e vice-versa. Há ainda quem pergunte se o candidato é negro o bastante para sustentar uma posição clara para com seus irmãos de cor. Em passagens mais apelativas emocionadas ele sustenta: “Sou filho de uma mulher branca, meu pai nasceu no Quênia e nos deixou quando eu tinha dois anos. Meu padrasto era da Indonésia. Morei em Java e aprendi a falar javanês.”

A autoridade moral do candidato em temas relacionados à guerra do Iraque, por exemplo, faz com que setores carentes se percam em divagações e humores do próprio mercado. Melhores salários para classe artística, reivindicações dos escritores sobre mordaças mais fortes em relação aos direitos autorais e mesmo maior incentivo à pesquisa no quesito de humanidades são temas que estão em quinto plano. A real preocupação está na proteção de informações secretas do “satélite” americano que está caindo em órbita da terra.

Os bilhões de dólares que estão sendo gastos nesta campanha poderiam estar sendo usados para resolver parte dos problemas apontados pelo próprio Obama. Mas, se assim fosse, ele não se elegeria. As coisas não são tão simples assim. A vaidade e a ambição, o poder e o prestígio que o cargo carrega o torna um tesouro no centro desta cultura que privilegia o individualismo neoliberal e o narcisismo a qualquer preço. Democratas e republicanos não são tão diferentes assim: a imagem que cada um apresenta é o que os torna diferentes uns dos outros. Uma imagem que o vento não levou.

PARA SABER MAIS:

BARACK OBAMA: Site oficial | Myspace | Youtube | Twitter | Fabebook | Flickr

HILLARY CLINTON: Site oficial | Myspace | Youtube | Twitter | Fabebook | Flickr

[+] O EMBATE DE OBAMA E HILLARY EM VÍDEOS

Sem mais artigos