Alphabeat

POR UM POP AUTORAL
Dois artistas para entender o rumo que o pop comercial pode tomar
Por Eduardo Dias, colunista do O Grito!

Talvez a aposta seja arriscada, mas freqüentemente na cultura pop temos nos deparado com uma linhagem diferente de artistas, que procuram transmitir em suas músicas e videoclipes não apenas a letra da música, mas também um universo artístico diferenciado cujas referencias bebem em diversas fontes da cultura.

Precisamos dar uma volta na história para situar a criação da cultura pop, que tem grande força nos anos 50 com o surgimento das emissoras nacionais de rádio e de uma cultura jovem atrelada ao rock ou vice-versa. O rock trazia energia, vitalidade e juventude à música antiga que nossos pais gostavam. O rock era a subcultura, a contracultura, o choque, a ruptura com o passado. As emissoras de rádio dedicadas ao rock passaram a fazer parte do dia-a-dia assim como a MTV nos anos 80: um lugar para encontrar, conhecer, reconhecer e consumir música, que assim se torna na metade do séc. 20 o carro-chefe que une os adolescentes do mundo.

A indústria da música pop nasce com rock dos anos 50 e 60 e desde seu início tem direcionamentos bastante claros – músicas simples e consumo de um estilo de vida – que permaneceram ao longo das transformações que ocorreram nestes últimos 50 anos. Dito isto, evitemos cair no maniqueísmo de que a música pop é para vender e por isso é ruim. Ela é ruim porque é mal feita e não tem proposta artística/musical – isso inclui todos aqueles que colocam a “fama” como prioridade em relação à música. Também não aconselhamos o posicionamento de renegar tudo que é consumido em massa, pois quem produz algo quer ser lido, visto e ouvido – desde a miguxinha que tem um blog “querido diário” até Björk.

Apesar da acusação de possuir baixa qualidade, o pop desenvolveu estratégias que agregaram valor estético e artístico ao seu universo ao buscar elementos distantes de seu âmbito para incrementar a sua produção. É comum artistas mainstream trabalharem em conjunto com músicos do chamado underground para procurar a reinvenção e o aprimoramento de sua sonoridade para se destacar no mercado.

Uma geração mais recente de trabalhos descobriu na diversão do pop o principal elemento de distinção da sua música. Os artistas, então, procuram trabalhar desde o início de seu processo criativo com elementos de diversas origens para satisfazer a expressão individual. Esse comportamento busca a construção de uma música prazerosa ao mesmo tempo em que carrega traços estéticos definidos e reconhecíveis dentro do pop.


Annie

Para ilustrar essa aposta, propomos uma breve consideração de dois artistas que procuram fazer pontes entre o pop, o rock e a música eletrônica.

Com um dos melhores trocadilhos da música, a banda dinamarquesa Alphabeat mistura, dentre outros, Bowie, George Michael, Devo e Daft Punk. É nessa mistura de guitarras fortes e melodias pegajosas essenciais a todo bom pop. Ainda flertam com a eletrônica com os remixes de suas faixas (confira no MySpace da banda). De quebra, o videoclipe de “Fascination”, que revela a diversão que toda música deveria ter e é prioridade para a banda.

Alphabeat – Fascination (Official Video!!)

Annie é uma norueguesa que causou impacto na Europa com seu primeiro disco Anniemal em 2004. Sua forte influência do electro (confira mais em seu MySpace) pode ser vista em todo o álbum de estréia e que continua também no seu próximo single, “I Know Your Girlfriend Hates Me” (clipe abaixo). Com uma profusão de cores, ela desfia seu discurso abusado e debochado que toda ex-namorada adora fazer. Sua voz é outro diferencial – às vezes aguda e às vezes quase um sussurro dá todo um charme especial às canções.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=566k5h8M9f8[/youtube]

O pop autoral briga constantemente contra um modo de produção e um modelo de criação artística que favorecem a criação em série e xerocada de bandas que se reproduzem sem o desejo de fazer música, lidando com ela como se administra uma quitanda. Continuamos na busca pelo pop autoral e pela expressão musical. Já tivemos a nossa cota suficiente de produtos, queremos artistas.

SAIBA MAIS
Site oficial: www.thisisalphabeat.com
Myspace: www.myspace.com/thisisalphabeat

Site oficial: http://www.anniemusic.co.uk/
Myspace: www.myspace.com/anniemusic

* Eduardo Dias é mestrando em comunicação, estudioso do videoclipe e edita o blog Cultura Clipe, aqui na Revista O Grito!

Sem mais artigos