O 31º Troféu HQMIX comemora os 150 anos da publicação do primeiro quadrinho brasileiro, Nhô Quim, de . O personagem saiu pela primeira vez no semanário Vida Fluminense em 30 de janeiro de 1869.

A escultura foi confeccionada no processo 3D pelo artista plástico Itamar Braga, com a reprodução do artista Wilson Iguti. O HQ Mix é um dos mais antigos e importantes prêmios das histórias em quadrinhos no Brasil. Veja aqui a lista dos indicados este ano.

Já, o escolhido como o Grande Mestre dos Quadrinhos, desta edição, é Carlos Edgard Herrero, que trouxe grande contribuição para toda a área das HQs no Brasil.

O Brasil é um dos pioneiros na publicação de quadrinhos, ainda que os norte-americanos tentem impor a gênese das HQs no mundo como um feito dos EUA. Muito antes da publicação do personagem “Yellow Kid”, de “Richard Felton Outcault”, no jornal “New York World”, em 1895, já tínhamos Nhô Quim.

Angelo Agostini, italiano radicado no Brasil, foi personagem importante da época, como ativista pelo movimento republicano e antiescravagista. Considerado o maior artista gráfico do segundo reinado, começou a publicar quadrinizações antes dessa data, em “O Cabrião”, em São Paulo. Mas, foi na primeira graphic novel do mundo, As aventuras de Nhô Quim, que criou personagem fixo e com capítulos semanais, publicados na revista “Vida Fluminense”.

Baseado nas pesquisas realizadas pela “Associação dos Caricaturistas e Quadrinhistas de São Paulo”, fundada à época pelo cartunista JAL e o editor Gualberto Costa, em 1984, foi criado o “Dia do Quadrinho Brasileiro”, na data de 30 de janeiro e comemorada em todo o País desde então.

Sem mais artigos