Ilustração de Nestablo Ramos Neto

DEMASIADO HUMANO
Um sociedade animal opressora é o mote para a HQ de Nestablo Ramos, um dos primeiros lançamentos nacionais para ficar de olho em 2009
Por Lidianne Andrade

Imagine a inversão de papéis entre homens e animais: o homem perderia a pele para ser matéria-prima de um casaco de couro e usar coleira para passear, rastejando em busca do osso. Loucura? Não para o quadrinista Nestablo Ramos Neto e seu novo quadrinho Zoo.

Estranho contar que a inspiração para a temática de Zoo veio da top model brasileira Giselle Bütchen, considerada modelo de perfeição feminina. “Estava assistindo TV quando vi uma matéria sobre a Gisele dizendo que não usaria roupas feitas de peles de animais e foi flagrada num desfile fazendo o contrário. Achei aquilo uma tremenda sacanagem, então pensei como nos sentiríamos se fossemos nós a perder o couro,” conta Nestablo. Começou desenhando 15 páginas e deixou de molho, foi melhorando, dando retoques e deixando de lado, até que, nove anos depois, considerou o trabalho finalizado e pronto para publicar.

Zoo tem lançamento previsto para março pela editora HQM e já está em processo de diagramação final. Este será o terceiro sucesso de publicação de Nestablo, depois de Zona Zen e Carcereiros, ambos responsáveis por lançar seu nome no meio autoral. Zen, publicada na revista Tablado, de Brasília, fala sobre relacionamento, tendo como personagem principal um super galã que, segundo o autor, não é um auto-retrato. “Zen não vem só em mim, tem amigos também, características bem peculiares. Mas se eu fosse representar quem o Zen é na verdade, diria que ele é o cara legal que todos gostariam de ser”, explica.

Infância animada

O desenho na vida de Nestablo veio com os personagens Popeye, Batman, Flash Gordon e Homem-aranha, na TV e no gibi. Os pais, um eterno apoio e incentivo, sempre traziam gibis e o aspirante a artista tentava copiar os desenhos. Para o quadrinista, o apoio familiar foi o diferencial entre seguir no que gosta e desistir cedo: “O que faz a diferença é o incentivo. Sem ele muitos artistas com potencial acabam trabalhando com o que não gostam, frustrados. Graças aos meus pais, pude seguir carreira e hoje trabalho como designer em Brasília e faço meus quadrinhos paralelamente. Isso me deixa muito feliz!”, diz.

Seus primeiros desenhos vieram na infância, aos sete anos. “Fui exercitando até a adolescência. Depois comecei a trabalhar na área de publicidade, fazendo desenhos animados para comerciais de TV, histórias em quadrinhos instrucionais e trabalho nessa área até hoje”, conta. Seu primeiro quadrinho publicado Lady Dragão, foi uma revista de criação própria, em 1997. Carcereiros veio em 2001 e alguns meses depois, Zona Zen.

Ilustração de Nestablo Ramos Neto

A concorrência internacional
Apesar da paixão por quadrinhos ser antiga e já estar trabalhando na área há mais de uma década, o artista não nutre muitas esperanças no mercado nacional. Admite que o mercado brasileiro é amplo, mas ainda há preferência pelos famosos internacionais. “O grande problema não é mais a falta de mercado, mas sim o leitor nacional. A preferência deles gira em torno do quadrinho internacional e eles viram a cara para o que é daqui”, comenta. Confessa que as editoras estão fazendo seu trabalho, mas o problema não está na venda, mas na procura. “Todos nós devemos dar uma chance ao que é nosso. As editoras de verdade estão fazendo isso, mas o leitor precisa fazer a parte dele”, diz Nestablo.

Atualmente formado em design, os quadrinhos na vida do carioca Nestablo são segundo plano, mas nunca escanteados. Trabalha e vive em Brasília como ilustrador e animador, tendo no currículo a animação dos personagens Legal Pacas da Americel, criação dos personagens da rede de lanchonetes Giraffas e quadrinhos do personagem Eddie da banda Iron Maden para a mesma editora. Produziu também desenhos instrucionais para o Ministério da Educação, DETRAN e Governo do Distrito Federal. E o trabalho não acaba por ai. Também trabalha com desenho instrucional, fazendo ilustrações mais técnicas para cursos de ensino à distância e ainda arruma tempo para criar mais histórias para a nova temporada de Zen. “Quando a Zona Zen voltar das férias, já tenho programado uma outra HQ sobre o BBB,” brinca.

Como planos futuros, nos próximos meses pode-se esperar trabalhos com a assinatura de Nestablo, que está com lançamentos na agulha, mas faz segredo para a reportagem. “Estou trabalhando em outro projeto, está quase pronto, mas ainda é segredo. Quando for o momento te conto tudo!”, brinca. “Estou vendo com outra editora o lançamento de uma edição encadernada da Zona Zen, reunindo os dois primeiros anos de aventuras do personagem”, conta o desenhista. Agora é ficar no aguardo.

Sem mais artigos