UM POLICIAL PARA SE DESCOBRIR
Diretor estreante, Martin McDonagh se mostra grande surpresa e de quebra ainda traz melhor interpretação de Colin Farrell em anos
Por André Azenha

NA MIRA DO CHEFE
Martin McDonagh
[In Bruges, BEL/ EUA, 2008]

Eis um filme que merece ser descoberto. Feito com jeitão de cinema independente, e com atores que já estrelaram blockbusters – Colin Farrell (Miami Vice) e Ralph Fiennes (série Harry Potter) -, foi realizado por Martin McDonagh, diretor vencedor do Oscar de curta-metragem em 2004 (por Six Shooter) e que se revela um roteirista criativo, em trama inusitada, que se no começo soa como comédia, no seu desenrolar revela altas doses de humor negro, momentos dramáticos e talvez aquela que seja a melhor interpretação na carreira de Farrell, em atuação que alterna instantes comoventes e engraçados, através de expressões naturais, sem soar caricato – talvez por vive um sujeito de Dublin, cidade onde nasceu.

A história mostra dois matadores profissionais, Ken, de meia idade (Brendan Gleeson) e um novato, Ray (Colin), que são mandados para a cidade de Bruges, na Bélgica, por seu chefe (Fiennes), sob a ordem de esperarem um telefonema dele. Ray detesta o novo lugar, se envolve em vários problemas, como uma garota que trabalha num filme sobre anões em plena gravação e que ainda vende drogas e rouba turistas, se tornando um interesse romântico do protagonista.

O jeito um tanto rebelde e amargo de Ray existe pelo fato que, em sua primeira missão (assassinar um padre), matou também uma criança. E o erro não passa em vão. O chefe pedea Ken que elimine Ray. Mas ambos se tornam amigos e contrariam a ordem do superior.

Com excelentes atuações de todos os atores, que parecem ter se divertido pacas nas filmagens, o longa-metragem possui diálogos afiados, irônicos, momentos amargos e até bizarros, com toques de Tarantino. As atrizes escaladas (tanto a francesa Clemence Poesy, no papel da traficante, como a holandesa Thekla Reuten, que faz a proprietária do hotel onde os matadores ficam hospedados) são lindas e ótimas atrizes. Também merece atenção a bela e medieval cidade belga de Bruges (de onde vem o título original da obra, In Bruges).

Pelos bons intérpretes, bonito cenário e o roteiro bem escrito, que ainda aborda temas como redenção, suicídio, perdão e lealdade, Na Mira do Chefe merece ser conferido e admirado. Diversão das boas.

NOTA:7,5


Trailer

Sem mais artigos