Neilton, artista visual e guitarrista do Devotos, apresenta três décadas de arte e design na mostra “A arte é um manifesto – 30 anos de Devotos”, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, de 09 de maio a 15 de julho.

O artista, que também é curador da mostra, apresentará um passeio pela história da Devotos, uma das bandas mais importantes e influentes de Pernambuco, através de 60 peças. O público vai conferir desde os quadros criados especificamente por Neilton como base para os projetos gráficos dos seis discos de estúdio, um ao vivo e dois vinis do grupo, além de raridades como backdrops, pôsteres, ingressos e capas de fitas demo.

Tudo fruto de um trabalho desenvolvido de forma independente desde a década de 1980 até hoje. O texto de apresentação da mostra é assinado pela historiadora Heloísa Buarque de Hollanda. A exposição é uma realização de Neilton e do Grão Coletivo.

Formada por Cannibal (baixo e vocal), Celo Brown (bateria) e pelo próprio Neilton (guitarra), a Devotos é uma banda que está na estrada desde 28 de fevereiro de 1988. Apesar de não ter integrado a primeira formação, Neilton assumiu um papel fundamental na imagem e sonoridade da banda. Em 1989, ao entrar para o grupo formado no Alto José do Pinho, no Recife, o então adolescente de 16 anos acumulou as funções de guitarrista, de artista visual e de designer, criando uma logo, desenvolvendo os cartazes dos shows e fazendo a capa da primeira fita K7 demo do grupo.

E foi no esquema “faça você mesmo” que Neilton aprendeu tudo o que sabe. Desde criança, ele já desenhava. Na adolescência, passou a pintar camisetas para vender, como forma de conseguir algum dinheiro para seguir desenhando, pintando e fazendo música. Cada camisa era exclusiva, peça única. Depois passou para as telas e não parou mais. De lá para cá, só da própria Devotos, o artista criou seis capas de discos. Para isso, ele primeiro desenha ou pinta vários quadros para depois escolher o que vai entrar no projeto gráfico, o que vai ser capa, o que vai para o encarte, o que vai ser pôster, etc.

Assim, a cada novo CD, EP ou vinil, Neilton foi se firmando cada vez mais como artista visual. “Em 1996, a Devotos conseguiu um contrato com a gravadora BMG. Então foi o momento de estrear a minha primeira capa de um CD. Fiz mais de 20 aquarelas para alguma ser escolhida para a capa. Foi aí que vi que meus desenhos e pinturas valiam alguma coisa. Alguém da direção artística da gravadora se interessou em comprar uma dessas aquarelas e terminei com boa parte delas vendidas! Depois dessa experiência, tive mais segurança para me aventurar no mundo das artes plásticas pra valer”, relembra.

A exposição está distribuída por quatro salas em dois andares do Mamam. Na primeira sala, o público vai encontrar três aquarelas, que serviram de base para o projeto gráfico do primeiro disco da banda, o Agora tá valendo (1997); seis telas em tinta acrílica resultantes do trabalho desenvolvido para o CD também intitulado Devotos (2000); e mais quatro aquarelas, um quadro bico de pena e um carvão sobre papel, que integraram o projeto gráfico do disco Hora da Batalha (2003). Além disso, estarão expostos outros diversos itens, com destaque para uma réplica de backdrop, que era usado nos palcos por onde a banda fazia shows e diversas peças de memorabilia, o corpo da primeira guitarra comprada por Neilton, bem como o primeiro instrumento que ele mesmo montou, o primeiro baixo de Cannibal e até mesmo a capa do que poderia ter sido o primeiro compacto em vinil do grupo.

No Devotos, Neilton acumulou funções de designer e guitarrista. Foto: Eric Gomes.

Na segunda sala do primeiro andar, o público é convidado a fazer uma imersão no mundo dos shows da Devotos através de uma intervenção idealizada e realizada nos palcos durante os shows da turnê de 25 anos. Em três backdrops pintados por Neilton, que foram desenvolvidos especialmente como fundo de palco das apresentações do grupo. No material, serão projetados três vídeo mapping do artista multimídia Gabriel Furtado, membro fundador do coletivo Media Sana, usando algumas obras de Neilton como conteúdo. Tudo isso ao som do grupo. Entre um andar e outro do Mamam, o artista aproveita para exibir mais dois backdrops resultantes de mais uma de suas telas.

Ao chegar ao segundo andar, o público vai encontrar quatro quadros com desenhos em bico de pena que foram incluídos no design do disco Flores com Espinhos para o Rei (2006); um díptico em tinta acrílica realizado especialmente para o CD Póstumos (2012); dois trabalhos em bico de pena integrantes do projeto gráfico do vinil Victoria (2010), que é o primeiro vinil da banda, lançado na França; um quadro em tinta acrílica em que o artista retrata a vizinhança do Alto José do Pinho; e mais duas acrílicas inéditas.

Ainda no segundo andar do Mamam, Neilton selecionou vários clipes da Devotos para exibição, além do documentário Punk Rock Hardcore (1995), de roteiro e direção de Adelina Pontual, Cláudio Assis e Marcelo Gomes.

Como artista visual e designer, Neilton também ilustrou diversas capas de discos, sites e DVDs de bandas como Cordel do Fogo Encantado, Orquestra Popular da Bomba do Hemetério, Cascabulho, Academia da Berlinda, The Baggios, Fernandes, Mamylove (cantora africana radicada na França), entre outros. Neilton ainda é um dos fundadores do Grupo de Pesquisa de Tecnologias Mortas, o Altovolts. Desde 2006, o grupo estuda/pesquisa e desenvolve linhas de amplificadores para instrumentos musicais atendendo músicos de todo o Brasil.

O Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam) fica na Rua da Aurora, 265, Bairro da Boa Vista, no Recife.

Sem mais artigos