NUDA
Menos Cor, Mais Quem
[independente ,2008]

O EP da banda pernambucana Nuda foi lançado virtualmente em janeiro deste ano e com o título de Menos Cor, Mais Quem surgiu com a missão de “renovar” a cena pop da localidade. Ledo engano. Nuda é uma banda sem identidade musical, ou mesmo sem vinculação a qualquer tipo de gênero. No Myspace, por exemplo, foi classificada como bossa nova, ao ouvir o EP tem-se a impressão de que se está ouvindo uma banda que beira o rock com uma pequena mixagem de psicodelia dos anos 70. Em contrapartida, a música que abre o disco mais se assemelha a um reggae mal composto e tocado desarmonicamente numa noite de sexta-feira no XinXin da Baiana, lá no bairro do Carmo, cidade de Olinda. Junto a isso estão letras que de tão pensadas soam como se fossem de rima forçada e idéias digamos…desconexas. Bem, é isso. [FA]
NOTA: 3,0

PJ Harvey
The Peel Sessions 1991-2004
[Fontana Island, 2006]

John Peel, nascido em 1939 e morto em 2004, formou levas de ouvintes em todo Reino Unido. Uma fã de seus programas de rádio em especial virou cantora e criava seus álbuns imaginando se eles passariam no crivo de seu ídolo. A sorte de PJ Harvey é que o radialista ficou de quatro pelo seu disco de estréia e passou a chamá-la com freqüência para apresentar-se em suas Pell Sessions. “Sheela-Na Gig” é o único hit desta coletânea de performances “ao vivo em estúdio” de Harvey. Não fosse por ela, o CD seria inteiro de lados Bs e faixas obscuras o que confere ao disco, sempre, um certo quê de ineditismo. Vale muito a pena ouvir. [FA]

NOTA: 8,0

The Beel Rays
Hard, Sweet and Sticky
[Anodyne, 2008]

Se Tina Turner recuperasse sua melhor forma de decidisse ingressar numa banda de rock, essa banda se chamaria The BellRays. A voz de Lisa Kekaula rende comparações livres com várias divas da música negra mundial. Os que conferiram o show da banda no Brasil em 2007 para o lançamento de Have A Little Faith atestou que a californiana não é um mero truque de estúdio. Além de esbanjar potência fora do comum, ela interpreta com a alma. E em momento algum soa deslocada da barulheira produzida por seus comparsas de banda. A equação funciona melhor ainda quando o grupo alivia a mão nos instrumentos e faz uso de falsetes como reforço da melodia. Lindo de se ver. [FA]

NOTA: 7,0

Sem mais artigos