NEY MATOGROSSO
Inclassificáveis
[EMI, 2008]

Em seu novo álbum, que ganhou o adequado título de Inclassificáveis, Ney Matogrosso retorna ao visual exuberante do ínicio de carreira, deixando para trás o estilo contido que estava fazendo nos últimos anos. Se nos anos 1970 a aparência de Ney soava, para boa parte do público, como algo bizarro, agora, em fins de anos 2000, o impacto é menor. Entretanto, a sonoridade deste que é um dos melhores interpretes da MPB continua em plena forma. No atual trabalho, Ney mescla novos e veteranos compositores e cria uma unidade interessante trazendo um disco, antes de tudo, bem cuidado. Destaque para as inspiradas “Ouça-me” (Itamar Assumpção e Alice Ruiz) e “Lema” (Carlos Rennó e Lokaua Kanza), além dos clássicos rejuvenescidos de Cazuza “O Tempo não Para” e “Por que a gente é assim?”. [GT]
Nota: 7,5

GNARLS BARKLEY
The Odd Couple
[Atlantic, 2008]

A dupla Gnarls Barkley ficou conhecida no Brasil com o hit “Crazy” – canção que tocou a exaustão nas rádios. Em 2008, eles estão de volta com “The Odd Couple”, trabalho que não soa tão interessante quando o anterior, St. Elsewhere (2006), mas que deixa claro o talento dos artistas em lançar mão de novas sonoridades para incrementar a black music. A produção do disco merece atenção pelos arranjos criativos, sem falar na voz incomum do rapper Cee-Lo Green, que dispensa apresentações. Entre várias boas canções, o destaque fica por conta de “Run”, com participação do onipresente Justin Timberlake. [GT]
Nota: 7,0

Sem mais artigos