KAISER CHIEFS
Employment
[Umvd Labels, 2005]

Outra banda a despontar no fuzuê retrô que se encontra hoje, o Kaiser Chiefs decalca o Devo e Talking Heads no chamado neo-new wave. Suas músicas cumprem bem o papel de transportar para festas modernas, o clima de bandas oitentistas. Aliás 6 das 12 faixas foram produzidas por Stephen Street, o guia que levou os Smiths à glória do rock. Com um debut bem feito à moda das bandas hype, o único ponto fraco são algumas músicas que soam como um Super Furry Animals ruim! [PF]

NOTA: 7,0

Beck - GueroBECK
Guero
[Geffen, 2005]

Você que não reconhecia o Beck desde Midnight Vultures, quando após este disco, o garoto-prodígio passou a viajar na maionese entre MPB’s, baladas folk deprês e discos obscuros, pode ficar tranquilo. Agora, Beck Hansen se reencoontra no estilo que ele criou e que o tornou um ícone no rock alternativo. Todos os elementos do seminal Odelay estão neste álbum. O cinismo caipira de “Farewell Ride” com suas várias viradas de guitarras, o rap preguiçoso de “Hell Yes”, sem falar de “Girl”, a melhor música do disco e uma das 14 ótimas razões para apostar Guero como disco do ano. [PF]

NOTA: 9,0

Foo Fighters - In Your HonorFOO FIGHTERS
In Your Honor
[RCA, 2005]

Dave Ghrol, o proto-cool do rock conseguiu tornar a sua banda algo assimilável entre a ordinary people das FMs. Entre as megas, conseguiu figurar-se entre aqueles que estacionam no “aquilo de sempre” e continum a lotar estádios. Suas guitarras meio acústicas, meio pesadas, não acrescentaram nada de novo ao que a banda já mostrava. Mas o disco não é ruim, apenas é um desperdício fazer um álbum duplo quando não se tem nada a dizer. [PF]

NOTA: 6,0

Tetine - Bonde do TetãoTETINE
Bonde do Tetão
[Bizarre, 2004]

Depois de se transformarem em uma espécie de alt-electro da música eletrônica brasileira, o casal paulista-londrino conquista novamente as pistas com suas viagens fashion-fetichistas. Se aprofundando nas batidas funk do Rio, a dupla aciona o fator sexo que deixa Miss Kittin apagada. O Tetine consegue trazer esta catarse do funk misturando ao seu electro-rock primal e elegante. Jogação imediata. [PF]

NOTA: 8,0

Sem mais artigos