ADRIANA CALCANHOTO
Maré
[Sony BMG, 2008]

Afastada dos estúdios desde Adriana Partimpim (2004), projeto direcionado ao público infantil, Adriana Calcanhoto está de volta com Maré – segundo trabalho da chamada trilogia ‘do mar’ idealizada pela cantora e que teve início com Marítimo (1998). No álbum atual, Adriana mostra todas as carcterísticas que fazem dela uma artista de primeira linha: belos arranjos, letras densas (boa parte delas poemas musicados) e uma voz limpa e segura. Com produção de Arto Lindsay, que entre outros já trabalhou com Marisa Monte, e da própria artista, o CD traz pérolas como “Mulher Sem Razão” (Dé Palmeira, Bebel Gilberto e Cazuza), “Um Dia Desses” (letra de Torquato Neto musicada por Kassin), “Três” (Marina Lima e Antônio Cícero) e a belíssima “Onde Andarás” – fruto do encontro entre a música de Caetano Veloso e a poesia de Ferreira Gullar. [GT]

NOTA: 8,0

FRESNO
Redenção
[Universal, 2008]

A banda gaúcha Fresno chega ao terceiro trabalho de estúdio, Redenção, produzindo um som tipo ‘mais do mesmo’. Integrante do chamado ‘emocore’, o grupo segue no novo álbum com as mesmas, e chatíssimas, canções sobre dores de amor. As letras, assim como os arranjos, são de uma obviedade gritante – o que mostra que os anos de carreira não serviram para agregar alguma criatividade ao trabalho dos moços. Para os fãs, que provavelmente irão massacrar essa mini-resenha, resta se inundar no vale de lágrimas de faixas como “Uma Música”, “Alguém que Te Faz Sorrir” e “Polo”. [GT]

NOTA: 3,0

Sem mais artigos