1968 foi um ano pra lá de marcante e ficou conhecido como “o ano que não terminou”. Isso tudo devido a revolução estudantil que teve partida em Paris e culminou com a Primavera de Praga e o fim, assim considerado pelos historiadores, da era moderna. Quarenta anos depois, o Ministério da Cultura, ao lado da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República apresentam, a Mostra 68/Utópicos e Rebeldes. O evento será realizado entre os dias 20 de junho e 6 de julho na Sala Cinemateca, em São Paulo.

Estão programados debates com a participação de personalidades importantes desse ano histórico. Os encontros discutirão o envolvimento do movimento estudantil, do cinema, da imprensa, do teatro, da política e o surgimento do tropicalismo, no final dos anos 60. Entre os convidados estão o ex-ministro José Dirceu, o cineasta Silvio Tendler, o economista Luiz Gonzaga Beluzzo, o diretor de teatro Augusto Boal e o ator Renato Borghi. Na programação estão ainda espetáculos de teatro e filmes nacionais e estrangeiros.

Mostra 68/Utópicos e Rebeldes
De 20 de junho à 6 de julho
Sala Cinemateca – São Paulo
Entrada: Franca
Endereço:
Largo Senador Raul Cardoso, 207
Vila Mariana, São Paulo – SP
Tel: (11) 35126111

Sem mais artigos