Foto: ABC

Morreu Vidal Sassoon, um dos mais importantes cabeleireiros de todos os tempos. Ele é considerado um libertador das mulheres em relação ao desconforto provocado pelos penteados no início da segunda metade do século passado, quando eram necessários o uso de travessões e outros elementos em voga no período. Com suas ideias, ele permitiu que elas se penteassem em casa.

Sassoon nasceu em uma família pobre em Londres, cresceu em um orfanato e ainda adolescente aprendeu a ser cabeleireiro. Serviu na guerra árabe-israelense em 1948 e abriu seu primeiro salão de beleza aos 26 anos, em 1954.

Entre suas criações, está o uso de cortes geométricos e curtos. Ficou famoso entre as estrelas, sobretudo os ícones Twiggy, que ficou conhecida por seu estilo de cabelo criado por Sassoon, Mia Farrow, entre outras. Em Nova York, envolveu-se com a efervescência da pop arte de Andy Wahrol, que era seu admirador.

“Minha ideia era dar formato aos cabelos, como se faz com tecidos e, assim, tirar tudo o que for supérfluo”, disse em entrevista ao Los Angeles Times, citado pela BBC. “As mulheres estão voltando a trabalhar, estão assumindo seu poder. Elas não têm mais tempo para ficarem sentadas no secador”.

Vidal abriu diversos salões em várias cidades pelo mundo, e fez de seu nome uma marca. Ele teve um documentário sobre sua vida e importância em 2010, exibido por aqui no canal pago GNT. Ele vivia em Los Angeles desde 1974 e foi encontrado morto nesta manhã de quinta (10). Segundo o site português Público, ele vivia com leucemia há três anos. Tinha 84 anos.

Sassoon fazendo o corte "wedge", inventado por ele (Foto: Los Angeles Times/Reprodução)

Sem mais artigos