Cena do filme O Bicho de Sete Cabeças (Foto: Reprodução)

A grande cabeça por traz do filme Bicho de Sete Cabeças, o escritor Austregésilo Carrano Bueno, morreu ontem, aos 51 anos, de um câncer no fígado. Ele estava internado desde segunda-feira (26), no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

O autor escreveu o livro Canto dos Malditos, lançado nos anos 90, que narrava supostos abusos praticados em centros psiquiátricos em Curitiba e no Rio, dos quais era interno, o que originou o filme Bicho de Sete Cabeças (2001), dirigido por Laís Bodanzky e com Rodrigo Santoro no elenco principal.

Bueno foi internado aos 17 anos, em 1974, após seu pai ter encontrado uma trouxinha de maconha nos seus pertences. Ele narra, então, que era submetido a sessões de eletrochoque e a tomar medicamentos fortes, além do relacionamento difícil com os funcionários dos centros em que estava internado. Como conseqüência dos anos de internação, segundo ele, teve problemas de visão e seqüelas no crânio. Carrano Bueno tornou-se mais tarde um dos símbolos do movimento antimanicomial.

Sem mais artigos