No Brasil a televisão tem 55 anos de história. E pelas telinhas tupiniquins já passou muita coisa legal. Mas à deriva do que é produzido por aqui, boa parte da safra de boas produções está vindo de fora, principalmente dos EUA. E do dramalhão de Brothers and Sisters ao neojornalismo de Profissão Repórter, a televisão surpreendeu. Listamos aqui 10 programas super ótimos levando em conta a inovação, a qualidade técnica e a importância histórica. Várias coisas ficaram de fora, mas aqui você confere o melhor.

Por Fernando de Albuquerque e Raphaella Spencer

10
9MM (Fox)

O cenário é pobre, poluído, feio. A delegacia é caída. Os policiais falam muito palavrão, tem um coroa, um barrigudo, a moça policial não anda de terninho impecável nem tem dente impecavelmente brancos. Esses são os personagens de 9MM, série da Fox filmada em alta definição e que tenta trazer de volta as séries policiais americanas. O principal trunfo foi a verba de marketing da série que não traz um único nome conhecido.

9
A FAVORITA (Globo)

Ninguém esperava uma reviravolta tão retumbante. Flora que aparecia condenada por Donatela, a representante das forças do mal, se revelou a verdadeira mal feitora do folhetim. O autor virou a casaca da protagonista e além de surpreender a platéia fez com que os olhos da família Marinho brilhassem com as cifras.

8
AGORA CURTA (Globo)

Primeiro foi o SBT que abriu espaço para documentários exibindo os vencedores do Documenta Brasil. Depois foi a vez da Rede Globo aderir à tendência e comprar o projeto do Agora Curta, com apresentação de Hermilla Guedes, direção de Lula Queiroga, da pernambucana Luni Produções.

7
THE BIG BANG THEORY

A série mostra a história de dois melhores amigos super inteligentes, mas que se enrolam por completo quando se trata em dilemas da vida diária.

6
CONEXÕES URBANAS (Multishow)

Apresentado por José Junior, líder e coordenador do AfroReggae, o programa teve como objetivo acabar com apartheid social, criar elos de conhecimento, cultura e afetividade entre os diversos guetos em que a sociedade se dividiu: ricos e pobres, brancos e pretos. O programa apresenta empresas e pessoas que experimentaram transformações sociais ousadas e bem sucedidas no Brasil, América Latina, Europa e Ásia.

5
PROFISSÃO REPÓRTER

O nome dela é Dona Rosinha. A idade? 73 anos. E mesmo depois de toda uma vida ela ainda tenta ganhar a vida nas ruas de São Paulo. Surpreendente a forma para lá de competente que a produção do programa de Caco Barcelos conseguiu encontrar a personagem. No programa sobre sexo eles encontraram além de Dona Rosinha mais uma série de senhoras que complementam a aposentadoria vendendo o corpo.

4
CAPADÓCIA (HBO)

O HBO já havia produzido Mandrake e Filhos do Carnaval. Mas a consagração só veio com Capadócia, direto do México. Com 13 episódios a série re trata a realidade em um presídio feminino na cidade do México. A protagonista foi Ana de la Reguera que está estrelando o filme Happy Death, ao lado de Jay Mohr, e Pelo Fina, com Antonio Banderas.

3
RODA VIVA, ENTREVISTA COM DAVID LYNCH (Tv Cultura)

São anos de tradição na Tv Cultura e o programa Roda Viva deu o que falar quando no dia 8 de agosto entrevistou o cineasta David Lynch. O cineasta veio ao Brasil lançar seu livro, intitulado Em Águas Profundas – Criatividade e Meditação, em que sai em dessa da meditação transcedental, uma técnica criada em 1958 por Maharishi Mahesh Yogi baseada no repetição de sons específicos (mantras).

2
EM CUBA (Canal Brasil)

Série com dez episódios foi reexibida no Canal Brasil tendo como gancho a renúncia de Fidel. De autoria de Felipe Lacerda, Em Cuba já havia sido exibida no ano pasado. A série é uma verdadeira aula de como estruturar um método narrativo com interação verdadeiramente franca com os personagens e uma edição capaz de ressaltar o jeito cubano de viver entre a obediência irrestrita dos cidadãos ao Partido e a pura transgressão que opera milagres em prol da necessidade de liberdade.

1
Alice (HBO)

Uma mulher com 26 anos sai de sua cidade natal, Palmas, e vai para São paulo após a morte do pai. O argumento um tanto clichê não foi impecilho para que Karim Aïnouz fizesse sua primeira incursão na tevê com a minissérie Alice, com 13 capítulos e exibida na HBO.

Sem mais artigos