Por Lidianne Andrade Foto por Kátia Lessa

Ironia do destino ou não, Mallu Magalhães leva o título de ‘artista do ano’ por uma revista eletrônica. Vale lembrar aqui que foi na Internet que aconteceu sua descoberta e é através do mesmo veículo que aparece com destaque na lista dos melhores d’O Grito!. Mas a rede não é mais o único meio de ler sobre a musa sensação do folk.

Estima-se que Mallu Magalhães tenha dado mais de mil entrevistas este ano. Para uma artista que ralou por anos com mídia e empresário, um sucesso mais que merecido. Situação atípica são os números pertencerem a uma mocinha que gravou seus primeiros sucessos aos 15 anos em um estúdio apenas com voz e violão. Uma busca pelo nome dela no Google traz um milhão e meio de resultados. E haja badalação, hein? Não, é sucesso mesmo, muito merecido por seu talento, apesar do coro de muxoxo que ronda a pequena cantora.

Com voz meiga e interpretação em inglês, a cantora é uma artista prodígio: fez aulas de canto e violão, pinta, customiza suas roupas, desenha e faz esculturas em papel machê. Virou queridinha dos caçadores de música alternativa, sendo convidada com freqüência para entrevistas. Suas inspirações vão desde Bob Dylan a Belle & Sebastian. “Tchubaruba” foi seu primeiro single e primeiramente apenas hospedado no MySpace, onde a adolescente teve quatro mil cliques em um mês, número alto para uma desconhecida em uma rede de relacionamentos.

A menina de shows para a família e amigos ganhou fama nacional em poucos meses. Usando a Internet como forma única de divulgação, lançou na rede seus maiores sucessos e primeiras faixas a serem gravados em estúdio pouco tempo depois: “Tchubaruba”, “Don’t You Leave Me”, “J1” e “Get to Denmark”. Gravou CD, vendeu bem, participou de festivais, tudo isso sem deixar os estudos. Ainda não sabe se quer ser apenas cantora. Pensa em cursar design gráfico, mas continua investigando novas áreas e busca interesses. Ainda tem muito tempo.

Com DVD gravado e namoro engatilhado com ninguém menos que Marcelo Camelo (ex-Los Hermanos), Mallu Magalhães fecha 2008 com um saldo positivo, por vezes até espantoso. Fez shows em diversas cidades do país, inclusive em lugares que não pode entrar por ter menos de 18 anos, mais uma ironia em sua carreira. A mídia também anda muito respeitadora pelo lado da moça, comentando sem muito sarcasmo o fato de Marcelo ter apenas 30 aninhos e ela atualmente engolindo seus doces 16. “Eu podia fazer 18 logo! Quanto mais eu cresço, mais o tempo passa rápido. Por isso que eu num gosto de ficar o tempo inteiro na escola”, desabafa a cantora em entrevista recente.

Sem mais artigos